Menu
2019-09-05T19:17:53+00:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA. Trabalhou por 18 anos nas principais redações do país, como Agência Estado/Broadcast, Gazeta Mercantil e Valor Econômico. É coautor do ensaio “Plínio Marcos, a crônica dos que não têm voz" (Boitempo) e escreveu os romances “O Roteirista” (Rocco), “Abandonado” (Geração) e "Os Jogadores" (Planeta).
Seu Dinheiro na sua noite

Coisas para fazer quando você é presidente do BC

5 de setembro de 2019
19:17
O Melhor do Seu Dinheiro
Imagem: Andrei Morais/Seu Dinheiro

Toda vez que ouço alguém repetir que no Brasil a taxa de câmbio é flutuante, me lembro da famosa cantada usada por Andy Garcia no filme Coisas Para Fazer em Denver Quando Você Está Morto:

“A maioria das garotas só anda. Você flutua”, ele diz à personagem vivida pela atriz Gabrielle Anwar.

No último mês, a flutuação do real em relação ao dólar rendeu mais sustos do que suspiros. Nas máximas, a moeda norte-americana chegou a flertar com o patamar de R$ 4,20, quando o Banco Central decidiu intervir no mercado com uma venda surpresa de dólares.

A alta recente traz preocupações não apenas para quem fez ou pretende fazer viagens ao exterior (como eu). O maior receio é que esse movimento contamine a inflação, já que uma série de produtos tem custos atrelados ao câmbio.

Quando você é presidente do BC, algumas ferramentas podem ou não estar a sua disposição para conter os impactos do câmbio na inflação. A principal delas é a taxa de juros.

Em 1999, quando o real experimentou sua primeira desvalorização, o BC então comandado por Arminio Fraga chegou a elevar a Selic para 45%(!) ao ano.

O movimento recente do dólar nem de longe lembra o de duas décadas atrás. Mesmo assim, despertou o risco de que o atual ciclo de queda dos juros no país seja menor e menos duradouro.

Mas o que pensa o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto? Ele esteve hoje em um evento em Brasília e falou sobre o assunto. Quem traduz para você os sinais que ele deu sobre o futuro da taxa de juros nas próximas reuniões do Copom é o Eduardo Campos.

A peça que faltava

Em muitos países ela é considerada uma arte, mas para o mercado hoje a negociação esteve mais para combustível. A China e os Estados Unidos baixaram um pouco a guarda e anunciaram uma nova rodada de negociações para pôr fim à guerra comercial. Se a bolsa fosse um jogo de Tetris (quem se lembra?), a novidade de hoje seria aquela peça que surge do nada e se encaixa perfeitamente. O Victor Aguiar traz os detalhes do pregão que recolocou o Ibovespa acima dos 102 mil pontos.

O essencial para investir

Muita gente gosta de se aventurar pelo mercado e assumir grandes riscos em troca da perspectiva de retornos polpudos para a carteira. O mundo das criptomoedas é um típico exemplo de aventura, mas se você não souber trilhar os caminhos certos provavelmente vai perder dinheiro. O Fausto Botelho conta no vídeo de hoje algumas dicas para garimpar boas oportunidades e fugir das ciladas do mercado.

E por falar em risco…

Quem está disposto a se expor mais é o badalado fundo Verde, de Luis Stuhlberger. Na sua carta mensal, a gestora informa que aumentou a aposta em ações brasileiras. Ou seja, o fundo aproveitou a queda em agosto para entrar um pouco mais na bolsa. As questões que mexeram no mercado, como o agravamento da guerra comercial e o resultado nas prévias das eleições na Argentina, seguem no radar do Verde. Mas os gestores acreditam que a perspectiva de melhora da economia brasileira ainda não está devidamente refletida no preço das ações. Saiba mais sobre a estratégia do fundo.

Recuo do bem

Dentre todos os recuos que Jair Bolsonaro já teve que dar desde que assumiu a Presidência, o de hoje sem dúvida foi o que mais trouxe alívio para a economia. O capitão parece que resolveu ouvir os conselhos de Paulo Guedes e abandonou a perigosa ideia de mexer no teto de gastos. Como já comentei com você, a pauta tinha um grande poder explosivo, mas parece que a força tática do ministro da Economia conseguiu desativá-la a tempo.

“My home my life”

A MRV Engenharia quer viver o sonho americano, mas o mercado não gostou. Os papéis da construtora líder no programa Minha Casa Minha Vida despencaram mais de 6% ontem depois que a empresa anunciou um investimento de até US$ 255 milhões (R$ 1 bilhão) nos EUA. Além da incerteza sobre o negócio, o fato de a empresa americana que receberá o aporte ser dos principais acionistas da MRV não pegou bem. Nesta matéria eu conto para você os detalhes do negócio e a recomendação dos analistas que cobrem as ações da empresa.

De casa nova

Um conhecido veterano de guerra do setor financeiro (herói para muitos) está de casa nova. Ainda neste mês, o ex-presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, assume a cadeira de presidente do conselho do Credit Suisse no Brasil. O banco viu no currículo do economista, que já atuou como consultor do FMI e das Nações Unidas, as atribuições para contribuir na análise de oportunidades de investimento e desenvolvimento de novos produtos. Mas há outros planos da instituição suíça.

Este artigo foi publicado primeiramente no "Seu Dinheiro na sua noite", a newsletter diária do Seu Dinheiro. Para receber esse conteúdo no seu e-mail, cadastre-se gratuitamente neste link.

*Colaboração de Fernando Pivetti

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

Clima tenso entre os brothers

UE está pronta para impor tarifas retaliatórias contra os EUA, diz ministro da França

Bruno Le Maire comentou que a UE se prepara para eventuais sanções contra os EUA por causa de uma disputa sobre subsídios no setor de aviação

De olho na reforma

Câmara e Senado construirão proposta conjunta sobre reforma tributária, diz Maia

O presidente da Câmara também não descartou a ideia de criação de uma comissão mista (com senadores e deputados) para tratar da reforma tributária

O futuro da energia

Shell diz que seu plano é investir US$ 3 bilhões por ano em renováveis no mundo

Presidente da petroleira no Brasil afirmou que não há um prazo para definir os investimentos e que o importante é que os projetos “façam sentido”

De olho nas contas públicas

Governo deve descontingenciar entre R$ 12 bilhões e R$ 13 bilhões, diz secretário

Com a arrecadação maior nos últimos meses, a ideia é liberar parte do orçamento, que foi contingenciado nos meses anteriores

Será que cai mais?

Na contramão do mercado, Itaú mantém projeção para Selic em 5,0% no fim do ano

Segundo relatório da instituição, o banco seguirá observando os dados para a inflação e a taxa de câmbio do Banco Central para decidir por uma nova reavaliação

'impacto nulo'

Relator da reforma da Previdência apresenta novo parecer e acata apenas uma das 77 emendas

Emenda acatada retira do texto ponto que obrigava os servidores que entraram antes de 2003 a contribuírem por 35 anos, no caso dos homens, e 30 das mulheres, para ter direito à totalidade de gratificação por desempenho

Startup

Airbnb quer se hospedar na bolsa e anuncia planos para oferta de ações em 2020

Empresa que conecta usuários interessados em alugar apartamentos ou quartos por temporada com os proprietários foi avaliada em mais de US$ 30 bilhões

Negócio fechado

Superintendência do Cade aprova operação entre Allianz e Sul América Seguros

De acordo com informações do parecer, para a realização da operação, o negócio-alvo da Salic será transferido para a Sapi, que será adquirida pela Allianz Seguros e a Sasp será adquirida pela Allianz do Brasil Participações Ltda

Títulos públicos

Veja os preços e as taxas do Tesouro Direto nesta quinta-feira

Confira os preços e taxas de todos os títulos públicos disponíveis para compra e resgate

Giro dos BCs

Banco da Inglaterra decide manter taxa básica de juros em 0,75% ao ano

Inflação medida pelo índice de preços ao consumidor (CPI), que desacelerou para 1,7% anual em agosto, deve permanecer ligeiramente abaixo da meta de 2% no curto prazo, espera o BoE

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements