Menu
2018-11-28T17:22:20+00:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA. Trabalhou por 18 anos nas principais redações do país, como Agência Estado/Broadcast, Gazeta Mercantil e Valor Econômico. É coautor do ensaio “Plínio Marcos, a crônica dos que não têm voz" (Boitempo) e escreveu os romances “O Roteirista” (Rocco), “Abandonado” (Geração) e "Os Jogadores" (Planeta).
Serviços financeiros

Clientes das fintechs estão (bem) mais satisfeitos que os dos bancos

Uma pesquisa do Google mostra que 71% dos usuários das novas empresas financeiras com foco em tecnologia estão felizes com serviços. Já nos bancos, esse percentual é de apenas 42%

28 de novembro de 2018
16:14 - atualizado às 17:22
Cartão nubank
Cartão de crédito, como o do Nubank, é o produto mais usado pelos clientes das fintechsImagem: shutterstock

Você está satisfeito com o seu banco? Já pensou em testar os serviços de uma fintech? Pois uma pesquisa do Google mostra que os clientes das novas empresas financeiras com foco em tecnologia estão mais felizes.

O índice de satisfação com as fintechs é de 71%, bem acima dos consumidores dos bancos tradicionais, que está em apenas 42%, de acordo com o levantamento.

As novas empresas que passaram a concorrer com os bancos têm atraído uma quantidade cada vez maior de usuários. Entre os atrativos estão as tarifas mais baixas ou mesmo inexistentes.

O produto mais usado pelas pessoas que se tornaram clientes das fintechs é o cartão de crédito, de acordo com a pesquisa. Uma das empresas mais bem sucedidas entre as fintechs brasileiras é justamente a emissora de cartões Nubank.

As buscas no Google também sinalizam o maior interesse dos clientes de serviços financeiros. A procura por "melhor banco digital", por exemplo, cresceu quatro vezes no último ano.

Os resultados da pesquisa, feita com 800 pessoas entre os dias 16 e 20 de novembro, foram apresentados durante um evento sobre fintechs que acontece nesta quarta-feira, na sede do Google em São Paulo.

Marcas pouco amadas

Os bancos têm motivos para se preocupar com o avanço da concorrência. Indústrias com margens altas, marcas pouco amadas e barreiras de entrada supostamente altas são as mais propensas a sofrer a chamada disrupção.

"Esse é exatamente o caso do setor financeiro no Brasil", diz Guilherme Horn, diretor da consultoria Accenture, que participou do evento.

A pesquisa do Google sugere que há um espaço grande para novas empresas como as fintechs ganharem a preferência do consumidor. Dos clientes que se declararam muito insatisfeitos com os serviços financeiros, 52% não sabem para qual empresa mudariam.

E você, já mudou ou está disposto a experimentar algum serviço financeiro fora dos bancões? Deixe seu comentário logo abaixo.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

Reviravolta na trama

Após uma temporada no mundo invertido, a Netflix voltou a brilhar no terceiro trimestre

A Netflix reportou um crescimento surpreendente no lucro líquido e uma recuperação no total de novos assinantes pagos — resultados que agradaram o mercado

Voos mais altos

Azul vai expandir rotas internacionais, mas não anuncia agora por causa do dólar

O executivo frisou, porém, que o foco da Azul está no mercado doméstico – a intenção é “elevar” o nível do Brasil em termos de conectividade aérea

De olho no crédito

BC lança nova página sobre informações do mercado imobiliário

O Banco Central explica que a nova publicação é resultado da compilação de informações recebidas pelo Banco Central através do Sistema de Informações de Créditos (SCR), Sistema de Informações Contábeis (Cosif), Direcionamento dos Depósitos de Poupança (RCO) e dados das entidades de depósito e registro de ativos

Colocando os pingos nos "is"

Não houve pressão para capitalizar companhia, diz presidente da Eletrobras

Ele defendeu que, se o governo efetivamente quisesse os recursos da Eletrobras, seria mais fácil realizar diretamente a capitalização dos cerca de R$ 4 bilhões de Adiantamentos para Futuro Aumento de Capital (AFACs) e com esse recurso pagar os dividendos, alternativa em que a União receberia um volume maior de recursos

Juros

Selic abaixo de 4%? Itaú Asset acredita em 3,75% em 2020

Descontando a inflação esperada dessa projeção para a Selic, temos juro real próximo de zero. Na verdade, um toquinho de 0,14% ao ano

Vai que vai

É hora delas? Bradesco BBI aposta alto nos números de Unidas e Movida

No setor de locação, todos os três papéis (Localiza, Unidas e Movida) estão com recomendações de compra pela casa, mas a Localiza não está na lista das preferidas do analista Victor Mizusaki

Siga o dinheiro

Fuga de dólares bate US$ 40 bilhões em 12 meses. Surpreso? Não deveria…

Saída de recursos é a maior desde que abandonamos o regime de bandas cambiais em 1999. Desde abril, o BC vem alertando para uma mudança estrutural no mercado de câmbio

Boas novas

Juro baixo faz BlackRock ampliar aposta no Brasil

A projeção é que a Selic baixa empurre investidores para ativos de mais risco, incluindo investimentos no exterior, que ainda engatinham por aqui

dinheiro no bolso

36,9 milhões de correntistas da Caixa já sacaram recurso do FGTS

Saque de até R$ 500 por conta ativa ou inativa do fundo tem sido feito de forma escalonada, dependendo da data de aniversário de trabalhador

novas funções

Relator de MP que permite saque do FGTS vai ampliar forma de aplicação do fundo

Hoje, a lei só permite que o dinheiro seja usado para financiar moradias, saneamento e infraestrutura

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements