Menu
2019-08-12T17:24:24+00:00
Bruna Furlani
Bruna Furlani
Jornalista formada pela Universidade de Brasília (UnB). Fez curso de jornalismo econômico oferecido pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). Tem passagem pelas editorias de economia, política e negócios de veículos como O Estado de S.Paulo, SBT e Correio Braziliense.
Zero atrás de zero

Uma cifra impressionante: fortuna dos Waltons, clã por trás do Walmart, cresce cerca de US$ 100 milhões por dia

A família detém o topo do pódio no ranking das famílias mais ricas do mundo. Segundo números fornecidos pela agência de notícias Bloomberg, a família alcançou a cifra de US$ 191 bilhões neste ano

10 de agosto de 2019
15:15 - atualizado às 17:24
Walmart
Walmart - Imagem: Shutterstock

À primeira vista, quem olha fica impressionado. A fortuna dos Waltons, o clã que está por trás da marca Walmart Inc, vem crescendo cerca de US$ 70 mil por minuto, US$ 4 milhões por hora e US$ 100 milhões por dia.

Os dados são surpreendentes e foram fornecidos pela Bloomberg neste sábado (10). Os cálculos foram feitos pela agência de notícias com base no valor que a família detinha desde junho do ano passado até hoje.

E não é para qualquer um. Hoje, a família detém o topo do pódio no ranking das famílias mais ricas do mundo. Segundo números fornecidos pela agência de notícias, o clã alcançou a cifra de US$ 191 bilhões em 2019.

Conforme o último ranking apresentado pela Bloomberg com as famílias mais ricas do mundo em junho de 2018, os Waltons foram capazes de aumentar a sua fortuna em US$ 39 bilhões em apenas um ano, que antes era de US$ 152 bilhões.

A fortuna agregada do clã é maior que a de empreendedores como Jeff Bezos, da Amazon, e Bill Gates, da Microsoft, e que o PIB de países como Costa Rica e Panamá, por exemplo.

Alice Walton, filha do fundador do império, é atualmente a segunda mulher mais rica do mundo, com US$ 50,2 bilhões (R$ 197,8 bilhões), segundo a revista Forbes.

De uma geração para outra

A holding da família chamada de Walton Enterprise possui metade do Walmart. Mesmo assim, no ano passado, a parte societária que o clã detém da varejista garantiu cerca de US$ 3 bilhões em dividendos.

Ao todo, são três gerações de Waltons. Tudo começou com o avô, Sam Walton em 1945. Na época, ele montou uma pequena loja de varejo no Arkansas, no início dos anos 40.

Passados alguns anos, em 1962, ele decidiu investir 95% do seu capital para inaugurar a primeira unidade da rede Walmart. Daí em diante, a rede não parou mais de crescer.

Em seguida, em 1992, com a morte do antecessor, o filho mais velho Rob assumiu a presidência do grupo. Até que, em 2016, Steuart Walton entrou no lugar de seu pai no conselho da empresa.

Hoje, a rede Walmart é uma das maiores varejistas em termos de receita, com vendas de cerca de US$ 514 bilhões nas mais de 11 mil lojas que a companhia possui ao redor do mundo. E toda a estratégia revolucionária do negócio começou com Sam.

Assim como ele dizia, o mercado faz o preço e a indústria acompanha. Com preços melhores, o Walmart é capaz de atrair multidões de consumidores, forçando os fornecedores a estar em suas prateleiras e seduzindo investidores. Preço baixo é a essência da companhia.

Mas talvez as operações no Brasil sejam encerradas em breve. De acordo com informações veiculadas pelo jornal "O Estado de S.Paulo", no último dia 7 deste mês, um ano após adquirir a operação de 400 lojas e faturamento de R$ 28 bilhões, o fundo americano Advent enfrenta uma corrida para colocar nos eixos a complicada operação do Walmart Brasil.

Para facilitar o trabalho, o Advent chegou a tentar a comprar o Grupo Pão de Açúcar no País, mas o negócio não foi adiante, segundo apurou o jornal Estadão. Agora, o fundo se debruça na redução do complexo portfólio de marcas. A tendência, nesse processo, é que o nome Walmart perca força e possa até ser descartado em breve.

As mais ricas

Mas o clã das famílias mais ricas não é formado apenas pelos Waltons. Na segunda colocação está a família Mars. De acordo com dados da Bloomberg, a fortuna deles está em US$ 126,5 bilhões.

A dinastia empresarial começou com Frank Mars vendendo doces em Washington, em 1911, enquanto estava na escola. A empresa é conhecida pelos chocolates e doces, com produtos como M&M.

No entanto, produtos de cuidado animal das marcas Pedigree e Whiskas são responsáveis por quase metade da receita da empresa, que é de propriedade inteira da família Mars.

Uma das herdeiras é a neta do fundador, Jacqueline Mars. Formada em Antropologia, ela é divorciada e tem três filhos. Trabalhou durante 20 anos na empresa e participou da diretoria até 2016.

Hoje, ela é considerada a terceira mulher rica do mundo com uma fortuna de US$ 27,7 bilhões, segundo a Forbes.

Já em terceiro lugar está a família Koch, com uma fortuna de US$ 124,5 bilhões, segundo a Bloomberg.

Os irmãos Frederick, Charles, David e William herdaram do pai a empresa de fabricação, refino e distribuição de petróleo, produtos químicos e energia, fundada em 1940, chamada Koch Industries.

No início da década de 1980, em meio a uma briga familiar pelo negócio, Frederick e William deixaram a empresa, que na época era um conglomerado com receita anual de US$ 100 bilhões.

Em junho do ano passado, David Koch deixou a liderança da empresa por problemas de saúde. Ainda assim, o empresário possui grande influência na política norte-americana.

Atualmente, a Koch Industries é uma das maiores empresas de capital fechado dos EUA.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

dinheiro que entra

Arrecadação em julho soma R$ 137,735 bilhões, diz Receita

Valor arrecadado foi o melhor desempenho para meses de julho desde 2011; resultado veio dentro do intervalo de expectativas de especialistas

olho nos números

Prévia da inflação de agosto tem menor taxa para o mês desde 2010

IPCA-15 variou 0,08%; no ano, o índice acumula alta de 2,51% e, em 12 meses, de 3,22%, informa o IBGE

atenção

Confiança do consumidor sobe em agosto, mas ainda há cautela, diz FGV

Índice de Confiança do Consumidor subiu 1,1 ponto no mês em comparação a julho, chegando a 89,2 pontos

segue a tensão

China promete novamente contramedidas em reação a tarifas dos EUA

Segundo o porta-voz, apesar da decisão do presidente americano, Donald Trump, de adiar algumas das cobranças, as tarifas violaram um consenso entre as potências

Títulos públicos

Veja os preços e as taxas do Tesouro Direto nesta quinta-feira

Confira os preços e taxas de todos os títulos públicos disponíveis para compra e resgate

Prudência

Cautela no exterior faz Ibovespa operar em queda; dólar sobe a R$ 4,05

O Ibovespa aparece no campo negativo e volta ao patamar dos 100 mil pontos, pressionado pelo tom de maior precaução que toma conta dos ativos globais

Câmbio

BC vende US$ 550 milhões em leilão à vista de dólar

Com venda integral do lote ofertado, não teremos, hoje, o leilão de swap tradicional. Mercado trocou swap por dólar de verdade

no documento

BCE discutiu pacote de estímulos monetários em reunião de julho, mostra ata

Banco Central Europeu também considerou examinar formas de fortalecer sua orientação futura (“forward guidance”) paras os juros

tudo que vai mexer com seu dinheiro hoje

Bienvenido ao paraíso dos especuladores

Enquanto (quase todos) os bancos centrais do mundo reduzem os juros, há uma taxa em escalada aqui do lado. A Argentina subiu seu juro para 74% ao ano diante do pânico dos investidores com a vitória da esquerda nas eleições primárias no início do mês. Poxa, 74% ao ano na renda fixa é uma bolada, […]

será que vai?

Guedes não mostrou proposta de privatização da Petrobras, diz Bolsonaro

Ontem, reportagem disse que o governo quer concluir a venda da estatal até 2022; as ações da Petrobras dispararam

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements