Menu
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Esquenta dos mercados

Cessão onerosa deve esquentar mercados hoje

Projeto que autoriza a Petrobras a negociar parte da exploração de petróleo no pré-sal com empresas privadas deve ser votado na terça-feira

22 de novembro de 2018
7:41 - atualizado às 10:39
Paulo Guedes, futuro ministro da economia, o presidente do Senado, Eunício Oliveira, e governadores costuraram ontem um acordo - Imagem: Seu Dinheiro

Bom dia, investidor! O feriado de Ação de Graças fecha os mercados em Nova York e rouba a liquidez por aqui, hoje e amanhã (Black Friday). Mas a Bolsa de Valores de São Paulo pode se animar com as expectativas positivas com relação ao projeto da cessão onerosa, que deve ser finalmente votado na próxima semana (terça-feira, dia 27).

Paulo Guedes, futuro ministro da economia, o presidente do Senado, Eunício Oliveira, e governadores costuraram ontem um acordo e tudo indica que está certo para o Senado aprovar o projeto que autoriza a Petrobras a negociar parte da exploração de petróleo no pré-sal com empresas privadas - sem emendas, desencantando essa novela.

Para que o texto não seja alterado (e volte para a Câmara), foi acertada com o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, a aprovação em regime de urgência de outro projeto, o PL 209, que regulamenta o Fundo Social do pré‐sal. Aprovado, o dinheiro para os Estados e municípios poderá transitar por esse Fundo. Isso atenderá aos governadores, que queriam garantia do compromisso de partilha assumido por Paulo Guedes.

Por esse motivo, Eunício decidiu esperar até terça-feira, quando o PL 209 irá ao plenário na Câmara, abrindo caminho para que o projeto de lei 78/2018, da cessão onerosa, seja finalmente votado no Senado, sem emendas.

Assim, esperamos, encerra‐se a história para destravar o acordo com a Petrobras e o leilão do pré‐sal em 2019, que deve
render em torno de R$ 100 bilhões nas estimativas mais conservadoras de técnicos da área econômica.

Ontem, as ações de Petrobras caíram feio, ajustando‐se ao tombo do ADR na véspera, e nem mesmo a alta do petróleo ajudou a recuperar os preços. Além das incertezas externas, que não são poucas, alguns desencontros no novo governo causam apreensão.

Briga na Câmara

A disputa pela Presidência coloca em frentes opostas Onyx Lorenzoni e Rodrigo Maia, que, aparentemente, está sendo fritado em fogo alto pelo futuro ministro da Casa Civil.

A nomeação de três deputados do DEM para o ministério do presidente eleito Jair Bolsonaro seria, na opinião do próprio Maia, uma tentativa de associar o partido ao governo e “enfraquecer sua reeleição à Presidência da Casa”.

Mais nomes

No final da noite, o Broadcast apurou que Pedro Guimarães (banco Brasil Plural) aceitou convite de Paulo Guedes para presidir a Caixa. Há poucos dias, Ana Paula Vescovi estava cotada para o cargo.

Já para o Banco do Brasil, as chances de Ivan Monteiro (atual presidente da Petrobras) estariam esfriando. Para comandar a Secretaria de Privatização, Bolsonaro convidou Wilson Poit, secretário na prefeitura de São Paulo.

Hoje, há expectativa de que seja definido o nome do novo ministro das Minas e Energia. Há dois candidatos em avaliação: Paulo Pedrosa, ex‐secretário executivo do ministerio e Adriano Pires, do Centro Brasileiro de Infraestrutura (CBIE).

Agenda

Em dia sem dados relevantes, destaque é a divulgação do relatório bimestral de receitas e despesas.

O assessor de Segurança Nacional dos EUA, John Bolton, virá ao Brasil na próxima semana para uma reunião com Bolsonaro, em mais um passo para a aproximação com o governo de Donald Trump.

Lá fora

Com Nova York fechada para o feriado de Ação de Graças, o único indicador previsto é a leitura preliminar de novembro da confiança do consumidor da zona do euro (13h), com previsão de ‐3, contra ‐2,7 em outubro.

Às 10h30, o Banco Central Europeu divulga a ata da reunião de política monetária de outubro. Em Roma, o ministro de Economia e Finanças italiano responde a perguntas no Senado, ao meio‐dia, em meio à intransigência sobre o orçamento.

Dólar em fuga

As incertezas externas, combinadas ao quadro fiscal doméstico fragilizado, têm afastado o investidor estrangeiro da bolsa brasileira, roubando as forças do Ibovespa para testar o seu rali de final de ano. A saída do capital externo justifica, em boa parte, a dificuldade para reagir. Na última sexta-feira, (dia 16), houve retirada de mais R$ 254,931 milhões da bolsa. O saldo acumulado neste mês está negativo R$ 3,543 bilhões.

Distrato

As construtoras festejaram a aprovação do texto‐base do projeto do distrato no Senado. Mas já hoje podem devolver os ganhos. Ontem à noite, o Senado acabou aprovando destaques à matéria, que terá de voltar à Câmara, onde poderá ser revisto o porcentual de até 50% de multa para comprador que desistir de comprar imóvel na planta.

Câmbio minado

Tem cada vez mais gente comprada em dólar, diante dos focos de risco que não se limitam à deterioração fiscal das contas públicas domésticas, mas envolvem também a guerra de tarifas e desaceleração nos EUA. Isso levou a moeda americana a encostar nos R$ 3,80 ontem, cotada a R$ 3,7972 no fechamento, em alta de 1,01%.

*Com informações do Bom Dia Mercado, de Rosa Riscala. Para ler o Bom Dia Mercado na íntegra, acesse www.bomdiamercado.com.br

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
Com governo em crise

“Estamos determinados a mudar o rumo do país”, diz Bolsonaro no Twitter

Segundo presidente, o governo está fiscalizando recursos, diminuindo gastos, propondo endurecimento penal e a reforma da Previdência

Crise no governo

Magoado, Bebianno não vai poupar filho de Bolsonaro

A interlocutores, Bebianno tem deixado clara sua mágoa com a atitude do vereador do Rio de Janeiro que tentou lhe cunhar a pecha de mentiroso

No Twitter

Trump diz que fará reuniões e ligações importantes sobre acordo comercial com a China

Na última sexta-feira, Trump comunicou que americanos e chineses estariam “muito próximos” de um “acordo muito bom”

Entrevista

“Sem investimentos será difícil continuar”, diz presidente da GM no Brasil

Segundo Carlos Zarlenga, negociações com funcionários, fornecedores, concessionários e governos para atrair novos projetos estão dando certo

Reformar é preciso

Guedes vence primeira batalha da Previdência, mas guerra será longa

Força da reforma parcialmente apresentada está no tempo de transição de 12 anos, mais curto que o previsto no texto enviado por Michel Temer

Bon Vivant

Hospedagem com tons de realeza: conheça os mimos dos hotéis ‘6 estrelas’ do Brasil

Hotéis mais luxuosos do país apostam em experiências exclusivas, vinhos e charutos raros, além de uma boa dose de romantismo

Caso Coaf

MP teria informação de que advogado de Flávio Bolsonaro atuou no caso Queiroz, diz jornal

Motorista de senador, Victor Alves teria mantido contato direto com o ex-motorista em nome de Flávio nos primeiros dias, quando o caso veio à tona

Small cap

A prova de fogo da Linx para emplacar seu sistema de pagamentos, o Linx Pay

Para esclarecer como será feita a distribuição da nova solução e quais são as perspectivas para o futuro da empresa, conversei com o presidente da companhia, Alberto Menache

Após 'briga' com setor agropecuário

Equipe econômica vai revisar 37 medidas antidumping

De acordo com dados da Secretaria de Comércio Exterior (Secex), estão em revisão 37 medidas antidumping e outras 39 vencem ao longo de 2019

Suspeita de lavagem de dinheiro

Raquel Dodge pede ao STF que mande para o TRE inquérito que envolve Kassab e JBS

No inquérito, a PF identificou pagamentos de R$ 23,1 milhões da JBS a Kassab e disse ver indícios de lavagem de dinheiro

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu