Menu
2019-04-04T14:00:23+00:00
Otimismo comprometido?

Cenário externo acende sinal amarelo para investidores na bolsa em 2019

No foco das preocupações está o cenário de aumento das taxas de juros pelos bancos centrais nas principais economias do mundo (que deve continuar)

3 de dezembro de 2018
17:07 - atualizado às 14:00
b3-bovespa-bolsa
No exterior, os investidores não têm se mostrado tão otimistas com o mercado acionário brasileiro - Imagem: Shutterstock

Embalada por forte expectativa após a eleição de Jair Bolsonaro, a Bolsa de Valores chegou a atingir o patamar de 90 mil pontos na sexta-feira, em máxima histórica. No entanto, apesar da aposta de especialistas de que a valorização do mercado acionário brasileiro deva ocorrer com força em 2019, um cenário externo mais hostil a ativos de risco pode frustrar as previsões de analistas e investidores que decidiram se aventurar na Bolsa.

Um dos principais motivos é que, em 2019, o cenário de aumento das taxas de juros pelos bancos centrais nas principais economias do mundo deve continuar. Com isso, ativos em países emergentes podem ser penalizados, com um fluxo global de dinheiro migrando para os Estados Unidos.

Diante desse enxugamento de liquidez, o analista Nicolas Takeo, da Socopa, acredita ser prematuro considerar que o Brasil terá potencial para se destacar ante outros emergentes. "É difícil mensurar algumas questões que ainda estão em aberto, como a guerra comercial, o Brexit e os juros nos EUA. A política monetária americana ainda não é tão clara e depende de alguns fatores, como inflação e efeitos dos estímulos fiscais", afirma.

No exterior, os investidores não têm se mostrado tão otimistas com o mercado acionário brasileiro. No ano, até 27 de novembro, o saldo líquido dos recursos aplicados por estrangeiros na B3 era negativo em R$ 9,7 bilhões - maior volume de saídas registrado desde a crise financeira de 2008.

O estrategista responsável por mercados emergentes do Deutsche Bank Securities, Drausio Giacomelli, afirma que os estrangeiros não comprarão mais promessas do Brasil, que já falhou anteriormente e precisará de medidas concretas para atrair capital de fora.

Outras preocupações dos especialistas incluem uma possível crise imobiliária na China, o agravamento das tensões comerciais entre o gigante asiático e os EUA, a desaceleração da economia global e o possível fim de um longo ciclo de alta na bolsa americana.

O Índice S&P 500, que reúne as 500 principais empresas listadas na Bolsa dos EUA, passa por longo ciclo de alta, com crescimento ininterrupto desde 2008. Importantes gestores de fundos americanos têm anunciado cautela maior com o fim deste ciclo, que pode chegar no próximo ano. O S&P, que chegou a se valorizar 9,58% na sua máxima neste ano, teve perdas expressivas e chegou a zerar os ganhos no início do mês.

Entre muitos gestores no País prevalece a expectativa de que o governo cumpra com medidas de ajuste fiscal, o que abriria espaço para valorização dos papéis locais. "O Brasil está em uma situação confortável e pode se beneficiar disso. O País passou os últimos anos desarrumados e agora está se arrumando", avalia o gestor de fundos e sócio-fundador da Versa, Luiz Fernando Alves.

Risco

Bruno Marques, gestor de multimercados da XP Asset Management, avalia que é a sensação de risco internacional que provoca fuga dos investidores estrangeiros. No entanto, calcula que os fatores internos pesam mais para traçar um cenário otimista para a Bolsa. "O que está ocorrendo na nossa visão é que os investidores estrangeiros saíram por não estarem comprando o benefício da dúvida", diz.

Ele acredita que o cumprimento das reformas e ajustes trará de volta esses investidores. As apostas, diz Alves, estão voltadas ao mercado interno, especialmente em setores que não têm tanta relação com o preço de commodities. "Setor como construção e varejo devem ser o nosso foco."

Ele aposta na migração de capital externo para a bolsa brasileira à medida que o futuro governo entregar o que prometeu no que diz respeito a reformas e redução de ministérios. "Quando você olha o fluxo da bolsa, os investidores estrangeiros estão saindo daqui, saíram durante as eleições. O gringo está esperando passar as reformas."

*Com o jornal O Estado de S. Paulo.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

avanços no diálogo

G-7: EUA e Japão fecham acordo; Japão vai comprar excedente de milho americano

No entanto, segundo Trump, tarifas de automóveis dos EUA, que as autoridades japonesas queriam ver reduzidas, permanecerão onde estão

libra

Projeto de criptomoeda do Facebook pode sofrer baixa com parceiros

Segundo o Financial Times, são dois os parceiros da empreitada de criptomoeda que disseram ao jornal estar considerando abandonar a moeda digital

crise do clima

G7 quer ajudar o mais rápido possível nos incêndios da Amazônia, diz Macron

Segundo o presidente da França, “tudo depende dos países da Amazônia”, que compreensivelmente defendem sua soberania

roupa remendada

Tasso terá de dar parecer para 130 emendas à reforma

Cabe ao senador, que deve entregar seu relatório na semana que vem, decidir se acata ou não as sugestões de alterações

economia que patina

País deve andar em passo lento, mesmo com reformas

Destruição provocada pela recessão, com empresas indo à falência e milhões de trabalhadores saindo do mercado, forma cenário adverso para o Brasil

seu dinheiro no domingo

Rota do Bilhão: 9 semelhanças dos 10 mais ricos do mundo

Apesar de histórias de vida e negócios diferentes, há pontos em comum entre os maiores bilionários do mundo – são pistas do que pode ter feito a diferença

clima tenso

Europeus se dividem sobre risco ao Mercosul

Decisão do presidente francês, Emmanuel Macron, de obstruir um acordo comercial entre a União Europeia e o grupo Mercosul divide opiniões entre líderes mundiais

no g7

Acordo comercial com os EUA não será fácil, diz primeiro-ministro britânico

Boris Johnson citou carnes bovina e de cordeiro, travesseiros e fitas métricas como alguns dos produtos britânicos que têm entrada dificultada nos mercados dos EUA

um unicórnio entre os jovens

Tiktok: o app que faz sucesso entre a geração Z e fez da sua dona a startup mais valiosa do mundo

ByteDance é considerada a startup com o maior valor de mercado do mundo – são US$ 75 bilhões; estratégia se divide em diversas frentes, incluindo um app que ganha cada vez mais força entre jovens nascidos em meados dos anos 90 para cá

guerra comercial não para

Trump ameaça usar autoridade de emergência contra a China

Anúncio chinês de elevar as tarifas sobre US$ 75 bilhões em importações norte-americanas deixou o presidente dos EUA enfurecido

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements