Menu
2019-06-11T13:03:21+00:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
monopólio não é bom para ninguém

Castello Branco: Não há desmonte da Petrobras, há gestão de portfólio

Presidente da estatal disse que a empresa pretende investir US$ 105 bilhões e desinvestir entre US$ 30 bilhões a US$ 35 bilhões. Ele também contou que em dez anos a Petrobras perdeu R$ 180 bilhões tentando controlar preço dos combustíveis

11 de junho de 2019
11:26 - atualizado às 13:03
Roberto Castello Branco
Presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, em audiência na Câmara dos Deputados - Imagem: Will Shutter/Câmara dos Deputados

O presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, disse que a estatal passou por duas grandes crises. Uma moral e outra de dívida que felizmente foram superadas, mas a empresa ainda inspira cuidados.

Em audiência na Comissão de Minas e Energia da Câmara, Castello Branco reforçou os pilares de atuação da empresa e rebateu as afirmações de que há um desmonte da estatal.

Segundo Castello Branco, não há desmonte nenhum, pois estão previstos investimentos de US$ 105 bilhões ao longo dos próximos anos, contra desinvestimentos de US$ 30 bilhões a US$ 35 bilhões.

“É necessário tirar ativos que em nossas mãos não são tão rentáveis e investir naqueles que trazem maior retorno. Não há desmonte, há simplesmente gestão de portfólio”, disse.

Depois de perguntas de deputados, Castello Branco disse que é um equívoco pensar que se entregam os ativos da empresa, pois "um vende e outro paga".

“Não existe entreguismo. Entreguismo é criar uma operação de gás no Uruguai que necessitou de 15 aportes de capital porque dá prejuízo. É transferência de renda do Brasil para o Uruguai. Isso é entreguismo”, disse, sendo aplaudido.

Ele destacou bom tempo de sua fala inicial a explicar como o elevado endividamento da empresa tira competitividade e reduz a produção de riqueza para o país.

A dívida da empresa é de US$ 106 bilhões, o dobro da média das 10 principais empresas do setor. O que representa três vezes a geração de caixa da empresa, contra a média de 1 vezes do setor. “Pagamos juros elevados que consomem 25% da geração de caixa”, disse.

Segundo o presidente, a dívida alta e pagamento de juros elevados deixam a companha exposta à riscos de recessão global ou nova crise financeira.

A empresa paga US$ 7 bilhões em juro, recursos que segundo o presidente poderiam ser investidos em sistemas de produção com 150 mil barris diários, podendo gerar até US$ 3,3 bilhões em receita, o que resultaria em US$ 1,4 bilhão em tributos.

O retorno sobre o capital do setor é de cerca de 10,5% ao ano, contra 4% ao ano da Petrobras. “Para quem tem custo de capital de 11%, foi prejuízo. É como tomar dinheiro no banco a juro alto para aplicar na poupança”, explicou.

Assim, a Petrobras está fazendo a gestão de portfólio para focar recursos em petróleo e gás. “Entendemos que existem muito valor a ser gerado no petróleo e gás.”

Ainda de acordo com Castello Branco, a produção está estagnada há 10 anos. “Não saímos de 2 milhões de barris diários. Por isso é preciso reservar recursos para investir e “sair dessa armadilha da estagnação”.

Como exemplo de melhor uso do capital, ele falou da venda da TAG. Segundo o presidente, o retorno desse ativo era de 7%. “Podemos ter muito mais retorno usando recursos para financiar outros projetos no pré-sal”, disse.

“Precisamos focar recursos financeiros para ativos em que a empresa é a dona natural. Isso significa ser dono daquilo que conseguimos fazer melhor, que é exploração em águas profundas e ultra profundas”, afirmou.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Preço de combustíveis

Castello Branco disse ser totalmente impotente na determinação dos preços dos combustíveis. Ele lembrou que a empresa é responsável por cerca de um terço do preço da gasolina no país e que a carga tributária aqui é maior que em outros países.

Ele defendeu a política de paridade de preços com o mercado internacional, como sendo a atitude racional a se tomar.

Fazendo uma recapitulação de 2008 a 2018, o presidente disse que a tentativa de compensar preços externos no negócio de diesel gerou prejuízo nominal de R$ 120 bilhões. No mercado de gasolina, foram R$ 60 bilhões em prejuízo.  “O que significa que em 10 anos a Petrobras perdeu R$ 180 bilhões”, disse.

Segundo o Presidente, citando dados internacionais de 160 países, no período recente o preço do diesel tem ficado abaixo da média global. Aqui o diesel é mais barato que em 100 países. Alguns deliberadamente subsidiam, mas a diferença principal é a tributação. Gasolina tem panorama semelhante.

Caminhoneiros

Castello Branco explicou que a Petrobras “pouco pode fazer” pelo setor de transporte de carga. Segundo o presidente, houve um crescimento muito forte da frota entre 2008 e 2015, em comparação com o crescimento do PIB. Isso gerou um descompasso entre oferta e demanda.

Agravando a situação, o tabelamento de frete levou as grandes empresas e o agronegócios à verticalização, comprando frotas próprias.

Para exemplificar, ele citou que o licenciamento de veículos pesados e semipesados nos 12 meses encerrados em abril cresceu 86,7% contra 6,6% de leves e semi-leves, que são os mais utilizados pelos caminhoneiros autônomos.

Castello Branco lembrou que a empresa abandonou os reajustes diários do diesel e que está instituindo o cartão caminhoneiro, que garante preço do diesel por 30 dias. Se o preço cair, o caminhoneiro pode trocar os litros de diesel por dinheiro, para não ter eventual prejuízo.

Corrupção

Segundo Castello Branco, em resposta a pergunta de deputado, a corrupção na empresa apresentou um custo de R$ 6 bilhões, mas “acredito que foi muito mais do que isso”, pois o custo da corrupção vai além do que alguém extrair em benefício próprio.

A corrupção, segundo o presidente, retira recursos do Estado e das empresas estatais, prejudicando setores onde é sua obrigação atuar, como saúde, educação e infraestrutura. Além de criar um ambiente que desestimula o investimento, pois o sucesso nos negócios não depende de produtividade, mas sim “o que vale para triunfar são as conexões políticas”. A corrupção também coroe a crença na democracia.

Segundo Castello Branco, a Petrobras queimou dinheiro ao partir para compra de refinarias no mercado externo e construção de unidades por aqui ao invés de investir na produção do pré-sal. O que se gastou, disse o presidente, daria para comprar a maior empresa de refino do mundo e ainda sobraria US$ 20 bilhões “para outras coisas”.

Ainda sobre o desperdício de recursos feitos pela empresa, ele disse que seria melhor ter jogado o dinheiro de helicóptero sobre comunidades carentes. Ele comentava os gastos com a construção da refinaria Abreu e Lima.

A melhor forma de ressarcir a sociedade, segundo Castello Branco, é fazer investimento, gerando empregos e maior arrecadação de impostos.

Ao voltar ao assunto, ele disse que: "a Petrobras foi vítima de uma quadrilha de criminosos que quase nos leva à falência".

Não gosto de solidão

Segundo Castello Branco, monopólio não é bom para ninguém, por isso a empresa vai abrir caminho para que investidores privados "se juntem a nós".

"Não gosto de solidão nos mercados, gosto de companhia. Ter competidores que não são inimigos. Capitalismo é um negócio de cooperação, não de confrontação. Com mais competição, vamos ter mais valor e teremos preços mais baixos para os consumidores brasileiros", afirmou.

 

 

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Seu dinheiro no domingo

O mercado sempre oscila entre o cenário perfeito e o desesperador. Saber onde estamos é o segredo para ganhar dinheiro

Se a percepção prevalente no mercado é de que as coisas só podem melhorar, o investidor deve encarar isso com cautela

DIÁLOGO CORDIAL

Presidente do BNDES conversou com ministro da Economia sobre demissão

Levy entregou seu pedido de demissão do cargo ao ministro após ser alvo de críticas do presidente Jair Bolsonaro neste sábado (15)

TCHAU

Presidente do BNDES confirma pedido de demissão após declarações de Bolsonaro

Levy foi alvo de críticas do presidente Jair Bolsonaro no sábado (15), em função da nomeação do advogado Marcos Barbosa Pinto para o cargo de diretor

REDUÇÃO DE DANOS

Nada impede que a capitalização seja aprovada no 2º semestre, diz Maia no Twitter

O presidente da Câmara defendeu que a questão pode até ficar de fora do primeiro texto da reforma, mas destacou propostas já em andamento na área

CABEÇA A PRÊMIO

Gustavo Franco e Salim Mattar são cotados para substituir Levy

A avaliação é a de que a permanência do atual presidente do BNDES tornou-se insustentável depois da bronca em público do presidente

OS 10 MAIS RICOS DO MUNDO

Larry Page, o bilionário que criou o Google, ama carros voadores e tem o salário de US$ 1

O Seu Dinheiro estreia hoje (16) um série com a história dos 10 homens mais ricos do mundo. Quem são? Como vivem? Como ficaram bilionários? E que lições você pode aprender com eles? Começamos a contagem regressiva de fortunas (haja dedo) com Larry Page, o décimo homem mais rico do mundo, e todo domingo traremos uma história nova.

O CLIMA ESQUENTOU

Bolsonaro ameaça demitir Levy por nomeação de diretor que trabalhou no governo PT

Na sexta-feira, 14, durante café da manhã com jornalista, Bolsonaro demitiu o presidente dos Correios, general Juarez Cunha

RALI

Nada de Bitcoin: criptomoeda que valorizou 330% em 2019 tem outro nome

Segundo analistas, há pelo menos duas razões claras para o movimento de alta do Litecoin. Entenda o que está causando esse fenômeno

ENTREVISTA

“Não vou impor uma solução e destruir a reforma”, diz Samuel Moreira

Relator da proposta conta ter abdicado inclusive de convicções próprias em favor da construção de um texto com apoio suficiente das lideranças

NOS TRILHOS

Rumo avaliará participar de Fiol e Ferrogrão

Ferrovias estão entre os mais importantes projetos ferroviários para o escoamento de commodities, como grãos e minério de ferro, do Brasil

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements