Menu
2019-05-24T16:12:09+00:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Cenário de emprego misto

Caged aponta criação de 129 mil empregos formais em abril; serviços lideram vagas

Resultado divulgado pelo governo, em linha com as expectativas de mercado, foi o melhor para o mês desde 2013

24 de maio de 2019
15:37 - atualizado às 16:12
Carteira de trabalho, desemprego
Imagem: Camila Domingues/ Palácio Piratini/ Fotos Públicas

O mercado de trabalho brasileiro criou 129.601 empregos com carteira assinada em abril, de acordo com dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) divulgados nesta sexta-feira, 24, pelo Ministério da Economia.

O saldo de abril decorre de 1,374 milhão de admissões e 1,245 milhão de demissões.

Esse foi o melhor resultado para o mês desde 2013. Em abril de 2018, a abertura líquida de vagas havia chegado a 115.898, na série sem ajustes.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

O resultado de abril ficou dentro do intervalo das estimativas de analistas do mercado financeiro consultados pelo Projeções Broadcast. As projeções eram de fechamento de 23.000 a abertura de 160.100 vagas, com mediana positiva de 78.000 postos de trabalho.

No acumulado do primeiro quadrimestre de 2019, o saldo do Caged é positivo em 313.835 vagas. Já em 12 meses até abril, o saldo é positivo em 477.896 postos de trabalho.

Serviços puxa o bonde

O resultado do mês foi puxado pelo setor de serviços, que gerou 66.290 postos formais, seguido pela indústria de transformação, que abriu 20.479 vagas de trabalho.

No setor serviços, os segmentos de serviços médicos, odontológicos e veterinários lideraram a criação de empregos, com 20.589 vagas. Os segmentos de comércio e administração de imóveis criaram 13.023 postos de trabalho. "O aumento relacionado a aluguéis e serviços de engenharia mostra que a construção civil tem mostrado recuperação", avaliou Magalhães.

Os segmentos de transportes e comunicações registraram a criação de 11.102 vagas no mês passado. "A maior parte se refere à abertura de empregos no transporte de cargas, sinalizando um maior dinamismo no varejo", acrescentou o coordenador. Já os serviços de educação abriram 9.270 vagas em abril.

Já no setor industrial, o destaque foi o segmento de produtos alimentícios, com 9.884 vagas em abril, puxadas pela fabricação de álcool. Na sequência, a indústria química abriu 7.680 vagas no mês. Já a indústria têxtil criou 1.845 postos de trabalho.

Por outro lado, houve fechamento de 1.136 vagas na indústria de papel e produtos gráficos. "Com a substituição pelos meios digitais, a perda de emprego nesse segmento é estrutural e tende a continuar ao longo do tempo", explicou Magalhães.

Na construção civil, a abertura de 14.067 postos foi impulsionada pela criação de 5.365 vagas na construção de edifícios, seguidos pelos 2.148 empregos na construção de rodovias e ferrovias. Houve ainda a abertura de 1.525 postos de trabalho no segmento de instalações elétricas.

Salário médio volta a cair

O salário médio de admissão nos empregos com carteira assinada teve queda real de 1,32% em abril de 2019 ante o mesmo mês de 2018, para R$ 1.584,51. Na comparação com março, houve alta de 0,45%.

O maior salário médio de admissão em abril ocorreu na atividade extrativa mineral, com R$ 2.432,65, puxado pelos salários da Petrobras. Já o menor salário médio de admissão foi registrado na agropecuária, com R$ 1.327,02.

Contratos intermitentes também criam vagas

Os dados do Caged também mostraram a criação líquida de 5.422 empregos com contrato intermitente em abril.

O resultado é fruto de admissões totais de 9.972 trabalhadores e 4.550 demissões.

Houve ainda a abertura de outras 2.827 vagas pelo sistema de jornada parcial. As duas novas modalidades foram criadas pela Reforma Trabalhista.

O Caged informou também que houve 17.513 desligamentos por acordo no mês de abril.

Governo comemora

Em coletiva de imprensa após a divulgação dos dados, o secretário de Trabalho do Ministério da Economia, Bruno Dalcolmo, avaliou como positivo o comportamento do mercado de trabalho.

"O Caged de abril tradicionalmente é positivo e esse mês não decepcionou. Todas as regiões do País registraram melhora no emprego em abril. E foram 23 Unidades da Federação com abertura de vagas e penas quatro Estados com perda de empregos", afirmou.

*Com Estadão Conteúdo.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

O CLIMA ESQUENTOU

Bolsonaro ameaça demitir Levy por nomeação de diretor que trabalhou no governo PT

Na sexta-feira, 14, durante café da manhã com jornalista, Bolsonaro demitiu o presidente dos Correios, general Juarez Cunha

RALI

Nada de Bitcoin: criptomoeda que valorizou 330% em 2019 tem outro nome

Segundo analistas, há pelo menos duas razões claras para o movimento de alta do Litecoin. Entenda o que está causando esse fenômeno

ENTREVISTA

“Não vou impor uma solução e destruir a reforma”, diz Samuel Moreira

Relator da proposta conta ter abdicado inclusive de convicções próprias em favor da construção de um texto com apoio suficiente das lideranças

NOS TRILHOS

Rumo avaliará participar de Fiol e Ferrogrão

Ferrovias estão entre os mais importantes projetos ferroviários para o escoamento de commodities, como grãos e minério de ferro, do Brasil

BOMBOU NA SEMANA

MAIS LIDAS: Sai da minha aba, Estado

O Estado é aquele gigante metido que mais atrapalha do que ajuda. Os empreendedores precisam tirar ele do seu caminho. Confira as mais lidas da semana no Seu Dinheiro

O FRUTO DA CANNABIS

Cofres cheios de verde: Colorado atinge US$ 1 bilhão em arrecadação com maconha

Pioneiro na legalização do comércio da erva, estado americano comemora cifra e quer atrair empresas para expandir e lucrar ainda mais com o setor

MAIS UM PRA CONTA

Bolsonaro demite terceiro militar em uma semana

Segundo o presidente, Cunha “foi ao Congresso e agiu como sindicalista” ao criticar a privatização da estatal e tirar fotos com parlamentares da oposição

"Cash is king"

O risco “oculto” que deixa até famílias ricas sem dinheiro para pagar as contas

Já pensou ter milhões em imóveis, mas nem um tostão para o dia a dia? A falta de liquidez é um vilão até para os mais ricos. Saiba como fugir dessa armadilha

Olha ele aí

Michael Klein confirma compra de 1,6% de ações da Via Varejo em leilão da B3

Com o movimento, Klein agora se torna o maior acionista de referência da companhia de varejo

De costas para o ministro

Ramos: não nos contaminaremos pela fala de Guedes num momento bom da reforma

Ministro da Economia, Paulo Guedes, fez críticas nesta sexta-feira, 14, aos deputados depois da apresentação do relatório da reforma

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements