Menu
2019-07-31T09:20:15+00:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
a bula do mercado

Mercados à espera dos ventos de alívio do bancos centrais

Julho termina com decisões do Fed e do Copom sobre rumo das taxas de juro

31 de julho de 2019
6:29 - atualizado às 9:20
selo bula do mercado
Imagem: Seu Dinheiro

O alívio monetário tão cobrado dos bancos centrais pelos agentes do mercado financeiro deve chegar finalmente entre o fim da tarde e o início da noite de hoje, caso o Federal Reserve Bank dos Estados Unidos (Fed) e o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central do Brasil (BCB) atuem da maneira prevista por analistas.

Com apenas algumas horas de diferença entre o Fed e o Copom, as autoridades monetárias anunciarão suas respectivas decisões de juro. E em ambos os casos, a expectativa dos analistas é de que as taxas de referência sejam cortadas.

O Fed divulga sua decisão de política monetária às 15h. O anúncio será seguido de entrevista coletiva concedida pelo presidente da autoridade monetária norte-americana, Jerome Powell. Às 18h, será a vez de o Copom divulgar sua decisão de juro.

Com isso, a expectativa é de que o Ibovespa e os mercados de câmbio e contratos futuros de juros comecem a quarta-feira pautados pela cautela entre os investidores em um cenário de baixa liquidez.

Negociar pra quê?

Além disso, os negócios no Brasil terão início sob forte pressão negativa vinda do exterior. As bolsas de valores asiáticas fecharam em queda generalizada depois de - mais - um balde de água fria jogado pelo presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, nas negociações comerciais com a China. Já há quem questione o motivo de se marcar uma reunião para azedá-la via Twitter antes mesmo de começar.

As bolsas de valores europeias também abriram em queda à espera dos dados do PIB da zona do euro, enquanto os índices futuros de Nova York sinalizavam abertura no azul em Wall Street em reação ao balanço trimestral da Apple.

O que também pode mexer com o Ibovespa hoje é a divulgação do balanço da Vale referente ao segundo trimestre de 2019 em um momento no qual os números da mineradora seguem sob o impacto das consequências financeiras e humanas do trágico rompimento da barragem da Mina do Córrego do Feijão, em Brumadinho (MG).

Negócios devem esquentar no fim da sessão

O comportamento dos investidores nos mercados locais pode mudar a partir do anúncio do Fed e da entrevista de Powell, quando os mercados financeiros em São Paulo e Wall Street ainda estarão abertos.

Os banqueiros centrais têm resistido há meses às pressões por cortes de juros, até pelo entendimento de que qualquer alívio monetário depende de outras medidas para que possa surtir algum efeito e fazer frente aos riscos derivados de uma desaceleração econômica em escala global.

No caso do Fed, a aposta majoritária entre os agentes do mercado financeiro é de que a autoridade monetária norte-americana iniciará seu primeiro ciclo de alívio monetário em uma década com um corte de 0,25 ponto porcentual em um momento no qual a política de guerra comercial de Trump começa a pesar sobre os dados econômicos dos Estados Unidos e nos balanços trimestrais das empresas sediadas no país. Uma eventual e inesperada manutenção da taxa de juro pelo Fed tende a azedar o clima.

Em relação ao Copom, ganhou força nos últimos dias a aposta em um corte de meio ponto porcentual na taxa Selic, dos atuais 6,5% ao ano para 6%. Na visão dos analistas, a fraca atividade econômica e a falta de pressão inflacionária justificariam tal ação. O fato é que um corte de 0,25 ponto porcentual na Selic é dado como favas contadas.

Na manhã de hoje, a divulgação da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad contínua) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE), que trará a taxa de desemprego no Brasil ainda na casa dos 12%, tende a ser vista como um sinal a mais de que uma ação mais agressiva do Copom seria justificável.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

dinheiro que entra

Arrecadação em julho soma R$ 137,735 bilhões, diz Receita

Valor arrecadado foi o melhor desempenho para meses de julho desde 2011; resultado veio dentro do intervalo de expectativas de especialistas

olho nos números

Prévia da inflação de agosto tem menor taxa para o mês desde 2010

IPCA-15 variou 0,08%; no ano, o índice acumula alta de 2,51% e, em 12 meses, de 3,22%, informa o IBGE

atenção

Confiança do consumidor sobe em agosto, mas ainda há cautela, diz FGV

Índice de Confiança do Consumidor subiu 1,1 ponto no mês em comparação a julho, chegando a 89,2 pontos

segue a tensão

China promete novamente contramedidas em reação a tarifas dos EUA

Segundo o porta-voz, apesar da decisão do presidente americano, Donald Trump, de adiar algumas das cobranças, as tarifas violaram um consenso entre as potências

Títulos públicos

Veja os preços e as taxas do Tesouro Direto nesta quinta-feira

Confira os preços e taxas de todos os títulos públicos disponíveis para compra e resgate

Prudência

Cautela no exterior faz Ibovespa operar em queda; dólar sobe a R$ 4,05

O Ibovespa aparece no campo negativo e volta ao patamar dos 100 mil pontos, pressionado pelo tom de maior precaução que toma conta dos ativos globais

Câmbio

BC vende US$ 550 milhões em leilão à vista de dólar

Com venda integral do lote ofertado, não teremos, hoje, o leilão de swap tradicional. Mercado trocou swap por dólar de verdade

no documento

BCE discutiu pacote de estímulos monetários em reunião de julho, mostra ata

Banco Central Europeu também considerou examinar formas de fortalecer sua orientação futura (“forward guidance”) paras os juros

tudo que vai mexer com seu dinheiro hoje

Bienvenido ao paraíso dos especuladores

Enquanto (quase todos) os bancos centrais do mundo reduzem os juros, há uma taxa em escalada aqui do lado. A Argentina subiu seu juro para 74% ao ano diante do pânico dos investidores com a vitória da esquerda nas eleições primárias no início do mês. Poxa, 74% ao ano na renda fixa é uma bolada, […]

será que vai?

Guedes não mostrou proposta de privatização da Petrobras, diz Bolsonaro

Ontem, reportagem disse que o governo quer concluir a venda da estatal até 2022; as ações da Petrobras dispararam

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements