Menu
2019-12-11T15:44:37-03:00
Jasmine Olga
Jasmine Olga
Cursando jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e o setor de comunicação da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo

BTG inicia cobertura da C&A com recomendação de compra e otimismo para os papéis

Desde o IPO realizado em 28 de outubro, quando as ações foram vendidas no piso da faixa pretendida, os papéis tiveram uma valorização de 0,11%, mas o BTG vê espaço para mais

3 de dezembro de 2019
11:44 - atualizado às 15:44
Loja da C&A
Loja da C&A - Imagem: Divulgação

Em relatório divulgado nesta terça-feira (03), o BTG informou o início da cobertura da varejista C&A (CEAB3), que estreou na bolsa no dia 28 de outubro. E a primeira análise do banco é extremamente positiva.

Além da recomendação de compra, o banco também traz um preço-alvo de R$ 23 para os próximos 12 meses. Um espaço de valorização de cerca 34% com base na cotação de ontem, que era de R$ 17,15.

No IPO feito em outubro, a C&A captou R$ 1,6 bilhão dos investidores. Na época, a varejista vendeu as suas ações no preço mínimo da faixa indicativa (que variava de R$ 16,50 a R$ 20). E, desde a sua estreia na bolsa, as ações, no geral, não saíram do 0 a 0 e tiveram uma valorização de 0,11%.

Vale lembrar que o BTG Pactual foi um coordenadores da oferta da varejista, então não chega a ser uma surpresa que os analistas iniciem sua cobertura de forma positiva.

Questão de estratégia

De origem holandesa, a companhia chegou ao Brasil em 1976, foi uma das pioneiras no setor de fast-fashion e obteve muito sucesso sabendo se ajustar ao cenário brasileiro onde muitas empresas estrangeiras acabam encontrando entraves burocráticos e regulatórios não tão comuns fora do país.

A C&A é uma das exceções na lista de estrangeiras que se deram bem em terras tupiniquins. Com 283 unidades no país e três centros de distribuição, a C&A é a segunda maior loja de departamentos do Brasil e possui 5% do total do mercado, quase empatada com a Riachuelo.

Mas, nos últimos anos, principalmente motivada pelos problemas econômicos do país a partir de 2015, a sua controladora, Cofra, decidiu focar em atrair uma maior lucratividade. Assim, a companhia desacelerou o seu processo de abertura de novas lojas e procurou renovar a experiência do consumidor e expandir a sua presença on-line. Tudo isso liderado por um time de diretores experientes e que se provou ser um sucesso.

Nesse período, 11 lojas foram fechadas, e a empresa aumentou a sua margem de contribuição e receita de suas lojas. Agora, neste cenário pós-otimização, o foco é outro.

"A companhia quer voltar (e acelerar) sua expansão de novas lojas enquanto investe na implementação do modelo Push&Pull e apresenta um crescimento de suas vendas no e-commerce", cita o relatório assinado por Luiz Guanais e Gabriel Savi. Atualmente, as vendas on-line representam 2% do total da companhia.

Os analistas do BTG lembram que, embora o cenário do e-commerce brasileiro seja dominado por B2W e Maganize Luiza, ainda há muito espaço para companhias de nicho como a C&A.

Já o modelo Push&Pull proposto pela empresa não é uma tarefa fácil de ser concluída. Neste modelo, a companhia busca implementar com menor tempo para design, produção e distribuição.

Os designs modernos a preços acessíveis são uma combinação potente, já que evitariam possíveis remarcações e manteriam os estoques cheios. Se bem sucedido, o plano pode aumentar a margem bruta da companhia e acelerar o seu crescimento orgânico perante o resto do mercado.

Seguindo os líderes

O plano da C&A é investir cerca de R$ 300 milhões até 2024 e implementar sua base de tecnologia on-line e offline. Mas para que tudo isso ocorra, é preciso um DNA inovador, coisa que a companhia já se provou capaz de oferecer.

O relatório destaca alguns projetos da companhia de construir uma plataforma multicanais para impulsionar a experiência, com canais simplificados para compras, integração com lojas físicas e programas de fidelidade.

O BTG vê oportunidades reais para que a companhia se aproxime de outros players líderes do setor ao focar em seu projeto de expansão. A C&A espera abrir 165 novas lojas até 2025: 11 ainda em 2019 e outras 115 outras unidades já mapeadas pela companhia.

"Sim, ainda é preciso se aproximar dos concorrentes, e existem alguns riscos de execução que não podem ser ignorados, mas na avaliação atual, onde os papéis são negociados com grande desconto frente aos concorrentes, a companhia oferece uma vantagem atraente aos investidores", concluem os analistas.

De olho nos números

Embora a visão do BTG seja positiva para a companhia, o primeiro balanço pós-abertura de capital não agradou muito os investidores. Após a divulgação, as ações chegaram a cair 10,71% e ficaram cotadas na faixa dos R$ 15.

Um dos pontos que chamaram a atenção foi a queda de 40,5% no lucro líquido do terceiro trimestre ante o mesmo período do ano anterior, totalizando R$ 19,1 milhões. Se excluído o efeito da norma IFRS16 e equalizada a taxa efetiva de imposto de renda, a queda no lucro líquido no terceiro trimestre teria sido de 2,7%.

A companhia também sofreu uma queda da eficiência, com a diminuição de 1,1 ponto percentual na margem líquida. O Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) ajustado também teve contração de 3,8% e terminou o trimestre em R$ 116,7 milhões.

A receita líquida da companhia teve um crescimento de 2,6% no período e fechou o trimestre em R$ 1,252 bilhão.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

Injeção de otimismo

Ibovespa abre em alta e dólar cai; mercados reagem bem ao Copom e à S&P

O Ibovespa sobe e recupera os 111 mil pontos, impulsionado pelos sinais do BC em relação à Selic e à visão positiva da S&P Global quanto ao Brasil

Mercado de capitais

IPO de empresas brasileiras no exterior deixa gosto amargo, diz presidente da B3

Com o avanço da tecnologia, o Brasil precisa ter uma regulação flexível senão corre o risco de perder o bonde, segundo Gilson Finkelsztain

sem negócio fechado?

Venda de ativos de dona da Ambev na Austrália é questionada por regulador

Órgão avaliou de maneira preliminar que a venda vai reduzir a concorrência no mercado de cidra e, possivelmente, no de cerveja

Títulos públicos

Veja os preços e as taxas do Tesouro Direto nesta quinta-feira

Confira os preços e taxas de todos os títulos públicos disponíveis para compra e resgate

em busca de recursos

Eneva emite R$ 650 milhões em debêntures

Os recursos obtidos pela empresa vão ser usados para investimento, pagamento futuro ou reembolso relacionados ao projeto Parque dos Gaviões

arrumando as contas

País paga dívida com ONU e banco do Brics

Não pagamento à ONU poderia fazer com que o Brasil, pela primeira vez, perdesse o direito a voto no órgão a partir de 1.º de janeiro

Tudo que vai mexer com seu dinheiro hoje

Selic a 4,5%: como ficam seus investimentos?

O Banco Central derrubou a taxa básica de juros brasileira para 4,5% ao ano, a nova mínima histórica. Isso mexe com a rentabilidade de aplicações da renda fixa e favorece os investimentos em ações, imóveis e fundos imobiliários. O que você precisa saber hoje: Mercados • A taxa básica de juro brasileiro renovou sua mínima histórica […]

fim do impasse?

Câmara aprova MP que transfere Coaf para o BC; texto segue para Senado

Outra mudança foi a retirada, com a aprovação de um destaque, da atribuição do Coaf de produzir informação para combate ao financiamento do terrorismo

Dinheiro no bolso do acionista

CVC paga R$ 62 milhões em juros sobre capital próprio aos acionistas

Para o pagamento, que será realizado no dia 8 de janeiro, será considerada a posição acionária em 23 de dezembro de 2019, respeitando a negociação realizada no dia

novos ventos

Estrangeiros injetam R$ 161 bilhões em aquisições no Brasil

Depois de um 2018 permeado por incertezas provocadas pela corrida eleitoral, o ambiente voltou a ficar mais favorável para fechar operações de fusões e aquisições no Brasil

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements