Menu
Marina Gazzoni
Marina Gazzoni
Jornalista formada pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e com MBA em Informação Econômico-Financeira e Mercado de Capitais no Instituto Educacional BM&FBovespa e UBS Escola de Negócios. Foi editora de Economia do G1 e repórter de O Estado de S. Paulo e Folha de S. Paulo e do portal IG.
ALGO TRADING

BTG convoca hackers para te ajudarem a ganhar dinheiro

Banco quer fomentar desenvolvimento de algo trading no Brasil, uma ciência que trata de investimentos automáticos a partir de fórmulas pré-definidas e programação. Segmento movimenta US$ 1 trilhão nos EUA

11 de novembro de 2018
5:50 - atualizado às 10:22
Códigos 0 e 1 de programação - Imagem: Shutterstock

As maratonas de hackers viraram moda no mundo corporativo. As empresas juntam os geeks, lançam um desafio, dão um prazo e oferecem um prêmio para quem encontrar a melhor solução. Até na mansão do Big Brother já rolou um evento desses. O nome da moda para essas competições é hackathon, mas existem variações mais ou menos pop.

Quase sempre o desafio é um problema cuja solução vale muito dinheiro – muito mais do que prêmio oferecido aos gênios da computação. Até aí, não tenho nada com isso. Nem você. Mas e se uma dessas competições tiver impacto no seu bolso?

Neste momento 190 hackers estão participando de uma competição do banco BTG Pactual para criar algoritmos que vão definir a alocação de uma carteira de investimentos. O dono do melhor deles leva R$ 25 mil para casa. O que está em jogo envolve muito mais dinheiro.

Vídeo demonstra sistema da Stratsphera, plataforma do BTG, para programadores - Imagem: Reprodução

O BTG tenta tomar a dianteira no fomento do algo trading no Brasil com um projeto lançado há menos de um ano e batizado de Stratsphera. O algo trading é a ciência por trás de iniciativas como os robôs de investimento. Um programador monta uma “fórmula” para direcionar os investimentos de forma automatizada – e em uma velocidade impossível para os humanos.

No fim do ano passado, a indústria americana tinha US$ 940 bilhões em recursos aplicados nos chamados fundos quantitativos, que operam usando os algoritmos, e o valor pode bater US$ 1 trilhão este ano, de acordo com reportagem no jornal Financial Times. E a onda ainda mal chegou no Brasil.

Passo 1: fomentar a indústria

Conversei com o Gustavo Roxo, CTO do BTG Pactual, e o Jerckns Cruz, head da mesa de Algorithmics do banco para entender como o BTG pretende usar essa tecnologia.

O primeiro passo é fomentar a indústria no Brasil. O Stratsphera é um espaço para troca de ideias sobre o tema na comunidade de programadores. O ambiente é aberto e gratuito. Qualquer programador pode entrar lá e testar seus algoritmos. Se você entender de programação, pode arriscar montar seu próprio algoritmo para rodar seus investimentos.

“Queremos largar na frente nessa tecnologia no Brasil. Vamos fomentar para atrair talentos”, disse Cruz. E Roxo completou: “o profissional do futuro do mercado financeiro vai ter que saber mais de Python do que de Excel”.

A visão deles é que os gestores de recursos vão ter que usar tecnologias para conseguir operar com alta frequência. “Antes o Brasil tinha um juro alto e uma alta volatilidade. Era mais fácil conseguir um bom rendimento. Agora vamos ter que capturar as oportunidades de forma mais eficiente. E isso passa pelos usos dos algoritmos”, diz Roxo.

No varejo, robôs e plataformas de investimentos já fazem aplicações automáticas com base em premissas pré-definidas de acordo com o perfil do usuário – caso do brasileiro Warren. Mas o uso de algoritmos deve ir além. Uma infinidade deles devem nascer e cada gestor pode ter sua métrica para alocar suas posições.

O segredo é conseguir montar a fórmula certa e encontrar as melhores correlações. Além de variáveis bem comuns na análise econômica, dá para misturar dados econômicos, por exemplo, com previsão do tempo e posts no Twitter.

Roxo lembra que o investidor está cada vez mais informado sobre aplicações financeiras e muitos querem operar sozinhos no mercado. Os gestores de fundos de investimentos vão ter que oferecer alguma cereja do bolo para conseguir o aval para aplicar recursos de terceiros. Uma das apostas é uma gestão híbrida, que alie a inteligência de um gestor com uma tecnologia robusta.

Dá para operar no automático?

É fácil enxergar a beleza de colocar um robô para rodar uma fórmula e executar ordem automáticas de investimento, rapidamente, em condições normais de temperatura e pressão dos mercados. Mas como esses modelos vão funcionar em um cenário imprevisível?

Não é preciso voltar muito no tempo para encontrar exemplos de situações completamente atípicas que derrubaram a bolsa brasileira. Que algoritmo poderia prever a greve dos caminhoneiros? Ou fatídico “Joesley Day”?

A explicação de Cruz é que o sistema chega para ajudar e não para substituir os humanos. “Sempre vai ter um humano envolvido e um botão de pânico para interromper as ordens”. Ele lembra que no próprio BTG mais de 10 algoritmos já rodam internamente para subsidiar a equipe na alocação de recursos.

O BTG estuda avançar no algo trading e já avalia investir o dinheiro do próprio banco usando algoritmos. Em um segundo momento, talvez não tão distante, o banco pode colocar no varejo uma solução que use essas equações para alocar o capital do cliente.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
Para reduzir dívida

Casino fecha venda de 26 hipermercados e supermercados

Negócio é avaliado em 501 milhões de euros (US$ 569,2 milhões); pelo acordo assinado com a Fortress, o Casino receberá cerca de 392 milhões de euros no primeiro semestre do ano

Em dezembro

Indústria e varejo da China superam expectativas, mas avanço do PIB é o menor em 28 anos

Produção industrial chinesa subiu 5,7% em dezembro na comparação anual; analistas previam uma desaceleração, com ganho de 5,3%

Caso Queiroz

Flávio Bolsonaro reclama que não teve oportunidade de esclarecer movimentações

Nas entrevistas, o senador eleito afirmou que o pagamento de R$ 1.016.839 milhão de um título da Caixa Econômica Federal, registrado pelo Coaf como movimentação atípica, é referente ao valor da quitação da dívida de um apartamento

Dívida corporativa

Por que as debêntures devem ser as estrelas do investimento em renda fixa em 2019

Esse fenômeno já começou. Em 2018, as captações de recursos pelas empresas brasileiras diretamente de investidores no mercado de capitais atingiram quase R$ 200 bilhões, um crescimento de 19% e praticamente o dobro de 2016. Confira o que faz as perspectivas para este ano serem ainda melhores.

Renda fixa

O que você precisa saber antes de investir em uma emissão de debêntures

Investir em debêntures pode ser uma alternativa para quem busca mais de rentabilidade nas aplicações de renda fixa. Mas como tudo no mundo dos investimentos, o maior retorno vem acompanhado de mais riscos

A Bula do Mercado

Mercado entre China e Davos

PIB da China abre semana marcada por expectativa pela participação do governo Bolsonaro em Davos

Desânimo

Para JP Morgan, aumentou a chance de recessão nos EUA nos próximos 12 meses

Banco projeta uma probabilidade de 42,9% de contração na economia americana, contra uma projeção anterior de 40,8%

Indústria automobilística

Sindicato reage à ameaça de saída da GM do país, e montadora marca reunião com trabalhadores

Presidente da montadora para a América do Sul havia divulgado comunicado dizendo que “investimentos e o futuro” do grupo no país dependiam de volta da lucratividade em 2019

Sufoco

Empresas de alimentos concentram maior débito entre as mais endividadas

BRF, Marfrig e JBS tentam reduzir endividamento; siderúrgicas e outras empresas de infraestrutura também têm dificuldades

Alívio

Dívida das empresas abertas cai 17,7%, mas investimento ainda deve demorar

Movimento de reestruturação e redução das dívidas é puxado por Petrobras e Vale; cautela das empresas e capacidade ociosa, porém, ainda é grande

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu