Menu
2019-08-14T15:04:06+00:00
diretor do BNP Paribas

‘Brasileiro quer ampliar escopo de investimentos’

Opções como o COE dão acesso a ativos no exterior, mas estrutura complexa pode elevar custos de aplicações

10 de junho de 2019
10:35 - atualizado às 15:04
Investimentos
Investimentos - Imagem: Mind and I/Shutterstock

Produto similar às notas estruturadas, populares nos Estados Unidos e na Europa, o Certificado de Operações Estruturadas (COE) ganhou no Brasil a pecha de ser um produto caro por causa dos custos que embute. Trata-se de um ativo estruturado com base em cenários selecionados conforme o perfil do investidor: combina características de renda fixa e variável, podendo ser atrelado a câmbio, inflação, ações e ativos internacionais. "Você tem uma fórmula que diz o que ganhará", explica Benjamin Kieffer, diretor do BNP Paribas, banco que é um dos principais emissores globais desses ativos.

O executivo francês, que hoje trabalha na criação de um investimento com desempenho atrelado a empresas de capital fechado no Vale do Silício, destaca que os custos dos COEs vêm da própria confecção do produto. "Há mais custos do que apenas comprar uma ação. Usamos derivativos complexos." Leia os principais trechos da entrevista.

O brasileiro está mais interessado em investir lá fora?

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Os investidores tentam aplicar globalmente para ter novas fontes de retorno e de diversificação. No Brasil, há investidores tentando ampliar o escopo de seus investimentos. Nossa colaboração com a Forge, especializada em acesso a companhias privadas do setor de tecnologia, é para permitir que nossos clientes cheguem a um novo mercado. Ele é fácil de acessar se você mora em São Francisco e tem conexões com o Vale do Silício. Mas, se você não mora nos Estados Unidos, é mais difícil. Muitas companhias não abrem mais o capital.

Por que elas preferem continuar privadas?

Primeiro porque hoje há muito capital que pode ser levantado sem ir a público. Segundo, por causa da regulação. Em vários países, a legislação permitiu que empresas tivessem mais acionistas sem serem públicas. E alguns fundadores sentem que a necessidade constante de lucrar pode não estar alinhada à estratégia de crescimento, que o momento de lucrar pode ter de esperar. Em 2018, houve três vezes mais dólares levantados nos EUA em operações privadas do que com IPOs (aberturas de capital). Quando falamos dos unicórnios (companhias de mais de US$ 1 bilhão) no mercado fechado, elas somam US$ 1,2 trilhão.

Como o investidor pode acessar essas empresas?

Há o investidor sofisticado, que conhece as companhias e pode investir diretamente nelas. Estamos construindo um produto que daria acesso a uma cesta com essas companhias de maneira diversificada, a qualquer investidor.

O tamanho do mercado de derivativos daqui ajuda?

O que é importante para fabricar o produto é a liquidez. É verdade que o mercado futuro de ações é mais líquido aqui e isso ajuda. Pelo fato de criarmos produtos personalizados, às vezes o que precisamos transacionar não existe. Era difícil negociar, por exemplo, opções de longo prazo no Brasil. Como há demanda, um banco começa a tomar risco para ajudar o cliente e outros seguem, criando liquidez. Estivemos nessa liderança. Já criamos produtos difíceis de proteger, tomamos algum risco para depois ir ao mercado para compensá-lo.

Como o COE compete com opções mais baratas?

Não diria que tem taxas mais altas, mas a estrutura é diferente. Se você pegar um fundo, terá de pagar taxa de administração. Para criar esse produto, juntamos algumas peças e na fórmula em si não há taxas. No modelo das corretoras, elas ganham comissões. Diria que talvez haja mais custos para criar o produto, porque usamos derivativos complexos. Então há mais custos do que apenas comprar uma ação. Mas você ganha o que vê no início do investimento.

Há perspectiva de baixar os custos?

Quanto mais líquido for o mercado em que o produto está baseado, menor será o custo. Fabricantes de produtos financeiros, como o BNP, têm de ter cuidado para escolher as peças mais eficientes e compatíveis. Nosso trabalho é entregar ao investidor o que ele procura. O investidor ou distribuidor pode escolher as condições que preferir. Por exemplo, mais e mais investidores querem ter um investimento com responsabilidade social. Tipicamente pode haver menos liquidez em índices desse tipo.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

Trilhando caminhos

Jovens precisam ter resiliência e iniciativa, dizem executivos sobre ser um novo empresário

Executivos falam sobre os comportamentos que um jovem ingressante numa grande empresa deve ter para trilhar um caminho profissional de sucesso

Crise partidária

Pedro Simon, ex-governador do RS: ‘existe o risco de o MDB desaparecer’

Em entrevista ao Estadão, o filiado ao MDB desde 1965 diz que seu partido precisa fazer uma “profunda reflexão”

Barrado na embaixada?

Consultoria do Senado diz que indicação de Eduardo Bolsonaro configura nepotismo e senadores se articulam para rejeitar seu nome

Parecer foi embasado no entendimento da Súmula Vinculante nº 13, do Supremo Tribunal Federal, que trata sobre nepotismo

Analisando a situação dos hermanos

Crise Argentina, feitiço do tempo

Os grandes desafios econômicos de Maurício Macri também parecem reimpressões de velhos e bem conhecidos problemas argentinos

O HOMEM MAIS RICO

Jeff Bezos: paciência para esperar o lucro da Amazon fez o maior bilionário do mundo

Como o empresário transformou uma pequena livraria online em uma das maiores varejistas do mundo e desbancou Bill Gates da lista da Forbes com uma fortuna estimada em US$ 148 bilhões.

Bandeira branca no radar?

EUA devem estender licença da chinesa Huawei para atender clientes do país

Movimento dos EUA pode ser visto como positivo para o fim da guerra comercial com a China já que a companhia foi um dos focos de tensões entre os gigantes

Governador de Minas

‘Governo entra em pautas minúsculas’, avalia Romeu Zema

Em entrevista, governador de MG nega que esteja sendo “tutelado” pelo partido Novo e avaliou que o presidente Jair Bolsonaro deveria “focar em coisas maiores, grandiosas”

Corrida contra o tempo

Tarifa de importação do Mercosul pode cair já em 2020

Com receio de que o grupo político da ex-presidente da Argentina Cristina Kirchner volte ao poder, o governo brasileiro tem pressa

Agora vai?

Governo enviará ao Congresso na próxima semana projeto para destravar privatização da Eletrobras

Proposta deve conter os mesmos itens que estavam na Medida Provisória 879, que não foi votada pela Câmara

Olha quem apareceu

Rede de varejo Le Biscuit, da Vinci Partners, estreia no comércio online

Entrada da empresa no mundo online ocorrerá em etapas e segue uma tendência mundial

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements