Menu
2019-10-14T14:14:59+00:00
Acordo Mercosul/UE

Brasil tenta acerto com Reino Unido antes do Brexit

Com a iminente saída do bloco, adiada para 31 de outubro, o Reino Unido perderá os benefícios do tratado com o Mercosul e de outros acordos que o bloco europeu firmou nos últimos anos, como com o Japão

3 de julho de 2019
9:05 - atualizado às 14:14
Mercosul - União Europeia
Mercosul - União Europeia - Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

O Brasil decidiu se antecipar ao Brexit e abrir uma frente de diálogo com o Reino Unido. Oficialmente, os britânicos estão incluídos no acerto finalizado entre Mercosul e União Europeia na semana passada em Bruxelas. Mas, diante das discussões para a saída do Reino Unido do bloco, o Brasil começou a costurar as bases do que pode ser um futuro novo acordo.

No início do mês, empresários britânicos vieram ao Brasil para conversar com o chanceler Ernesto Araújo, no Itamaraty, e com representantes do Instituto Brasil 200, que recebeu aval do governo para coordenar um grupo de estudos sobre o assunto de maneira informal. Há previsão de um novo encontro entre eles em Londres, ainda sem data definida.

Para o presidente do Brasil 200, Gabriel Kanner, a conclusão do acordo Mercosul-UE foi uma “ótima notícia” porque os termos do acordo com o Reino Unido serão “semelhantes”. “Sem dúvida eles (Reino Unido) estão pressionados para fechar o acordo conosco.”

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Com a iminente saída do bloco, adiada para 31 de outubro, o Reino Unido perderá os benefícios do tratado com o Mercosul e de outros acordos que o bloco europeu firmou nos últimos anos, como com o Japão.

Um dos integrantes da iniciativa, o economista Isaías Coelho afirma que o trabalho do grupo ainda é preliminar. O intuito é fazer um “mapeamento de intenções e boa vontade” para “verificar se há convergência e se o terreno é fértil”.

Qualquer negociação para um acordo de livre-comércio, porém, só avançará com a entrada de Argentina, Paraguai e Uruguai nas discussões. Por causa do acordo com o Mercosul, o Brasil só está autorizado a negociar acordos que envolvam tarifas em conjunto com os outros parceiros do bloco.

Hoje, o Mercosul toca quatro negociações de forma avançada: com o Canadá, com os países europeus do EFTA (formado por Suíça, Noruega, Islândia e Liechtenstein), com Cingapura e com a Coreia do Sul.

A expectativa do governo brasileiro é que seja possível concluir no segundo semestre ao menos duas dessas tratativas, afirmou ontem o Ministro das Relações Exteriores do Brasil, Ernesto Araújo.

Segundo ele, a conclusão do acordo com os europeus, aumentou o interesse ainda do Japão para firmar um tratado com o bloco sul-americano.
Já com a China, Araújo esclareceu que não há intenção de se avançar, por ora, num acordo comercial amplo.

“Cada país do Mercosul tem uma estratégia. Estamos tentando ações pontuais para abrir novos mercados interessantes ao Brasil, sobretudo na parte agrícola, de atração de tecnologia e investimentos”, disse.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

Olho nos números

BMG não agrada mercado em primeiro balanço após IPO e ações caem

Apesar da queda acentuada dos papéis, ao comentar o balanço do BMG, os analistas do BTG Eduardo Rosman e Thomas Peredo se mostraram mais tranquilos com o resultado e destacaram que os números vieram dentro do esperado pela maioria dos investidores com quem conversaram

Gestoras

JGP segue comprada em bolsa enquanto acompanha guerra de narrativas

Gestora discute tese de que a manufatura e o comércio global estão próximos ao fundo do poço e prestes a se recuperar

Mudança de coleção

Dona da Le Lis Blanc e Dudalina, a Restoque tenta pôr ordem na casa. O mercado está cético

Em meio a um processo de mudança de estratégia, a Restoque reportou mais um conjunto de resultados trimestrais desanimadores, o que fez suas ações chegarem às mínimas em mais de três anos

Mudanças à vista

Desoneração da cesta básica vai acabar, diz Tostes Neto

Para compensar o gasto com tributo, o governo deve devolver dinheiro aos mais pobres como adicional aos programas sociais

Briga de gigantes

Softbank planeja criar rival japonesa para competir com gigantes como Google e Amazon

O grupo anunciou acordo para a fusão de uma de suas subsidiárias conhecida como Yahoo Japan com a empresa Line Corp. Com isso, as duas companhias podem criar mais um “super app”

olho na reforma tributária

Governo confirma que quer tributar dividendos

Plano faz parte do projeto de reduzir imposto de empresas e elevar sobre as Pessoas Físicas; deve entrar em fases posteriores da reforma tributária

pacote de medidas

Governo enviará ao Congresso proposta de reforma com imposto sobre consumo

Roteiro traçado pelo ministério prevê o envio da reforma ao Congresso em quatro etapas, que devem começar ainda em novembro e se estender até meados de 2020

com o caixa cheio

Neon recebe investimento de R$ 400 milhões do Banco Votorantim e do fundo General Atlantic

Recursos devem acelerar o crescimento da empresa e aumentar a densidade da marca nas capitais fora do eixo Rio-São Paulo

Bancos

Ação do Banco do Brasil é a preferida do Santander no setor

Em relatório sobre perspectivas para 2020, Santander lista os bancos que devem se beneficiar dentro de um cenário de recuperação da atividade

rumo ao topo?

TikTok chega a 1,5 bilhão de downloads – no ano, é o único entre os 5 mais baixados que não pertence ao Facebook

Rede social fundada pela startup chinesa ByteDance segue firme em sua popularização, impulsionada pelo mercado na Índia

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements