Menu
2019-11-26T16:23:25-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Palestra

Brasil tem que escolher entre céu do juro baixo ou inferno da crise, diz Tony Volpon

Segundo economista do UBS, Tony Volpon, não há meio termo para a economia, ou terminamos o ajuste fiscal ou cairemos em crise fiscal e financeira

26 de novembro de 2019
16:23
Economista-chefe do UBS para o Brasil, Tony Volpon
Economista-chefe do UBS para o Brasil, Tony Volpon - Imagem: Assessoria

Segundo o economista-chefe do UBS para o Brasil, Tony Volpon, a queda da taxa de juros que estamos vivenciando pode mudar a cara da economia brasileira. A grande questão é que temos de seguir com a agenda de reformas, caso contrário vamos para um cenário de crise fiscal e financeira.

Em palestra durante evento do jornal “Correio Braziliense”, Volpon disse que vivemos entre o céu do juro baixo e o inferno da crise. Não tem mais como voltar ao purgatório no qual vivemos durante muitos anos de aumento do gasto público acima da inflação e juros reais elevados.

Segundo o economista, é difícil dizer o que é cíclico e o que é estrutural nessa queda da taxa de juro real (juro nominal descontada a inflação) para a linha de 2% a 3% ao ano. “O que sabemos é que se não completarmos o ajuste fiscal, com certeza, a taxa de juros não é essa que estamos olhando agora. Ela será mais alta. Voltamos em um filme que é insustentável”, afirmou.

Ainda de acordo com Volpon, olhando o estoque atual de endividamento, uma volta dos juros aos patamares anteriores resultaria em crise financeira, cenário do qual escapamos raspando durante 2015/2016.

“Se retroagirmos no ajuste, não voltamos ao passado, voltamos a uma crise. E nada destrói renda e cria caos social como uma crise financeira, pois seria acompanha de uma recessão. É céu ou inferno, não tem como voltar ao purgatório que tivemos por muitos anos”, explicou.

Para o economista, o grande risco para o ano de 2020 é a complacência. “O risco é a classe política olhar para o mercado e ver esse quadro de ‘final feliz’ e achar que não tem que completar o ajuste fiscal, que não tem urgência.”

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Ganhadores e perdedores

Segundo Volpon, a queda do juro está reduzindo o custo de capital para as empresas, algo que deve impulsionar os investimentos.

O juro baixo também está promovendo uma mudança na postura do investidor brasileiro, que sempre teve duas características típicas. Grande parte do capital em renda fixa de curto prazo e todo seu dinheiro aplicado no Brasil.

Segundo Volpon, pela primeira vez na história, o volume de recursos captados por todos os fundos que não são classificados como renda fixa ultrapassou o volume de CDBs, que “são a pura expressão do rentismo”. Essa é a gasolina que vai movimentar o investimento.

“Se conseguirmos solidificar os níveis de juros, vamos destruir o rentismo no Brasil”, disse.

Só que nem todo mundo ganha nesse cenário. Tem um mercado que perde com a queda da taxa de juros que é a taxa de câmbio.

Segundo Volpon, do lado do investidor que aplicava em Brasil, muito desse investimento estava calcado no juro alto, que não existe mais. Então, algumas estratégias não fazem mais sentido e temos saída de recursos.

No lado das empresas, era mais barato fazer captações externas a se endividar por aqui. Outro paradigma que mudou com a queda do juro. As empresas, agora, recompram dólares, pagam suas dívidas e captam no mercado local.

“O mix ótimo do passivo das empresas tem mudado. Do ponto de vista do país é excelente. Mas com essa mudança de estoque de passivos de investidores e empresas temos um fluxo muito negativo no mercado de câmbio”, explicou.

Estamos passando por esse ajuste. Parte dele é financiado pelo BC, que vem ofertando dólares das reservas, e parte é termos de conviver com dólar mais caro, disse, replicando a avaliação do ministro Paulo Guedes.

Em tom de brincadeira, Volpon disse que quem viaja muito para a Disney não vai gostar do mercado de câmbio nos próximos anos. A brincadeira entre seus amigos de mercado é dizer: cancela a Disney e vai pro Beto Carrero World.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

PRIVATIZAÇÃO

Privatização da Eletrobras será discutida no 1º semestre, diz Ferreira Júnior

“É a primeira vez que o Brasil vai fazer uma operação desse tamanho, temos que ir com calma”, disse durante palestra na Associação Comercial do Rio de Janeiro (ACRJ).

ESTÁ DE SAÍDA

Oi anuncia saída de Eurico Teles da presidência

A saída ocorre no mesmo dia em que a companhia foi alvo da 69ª fase da Operação Lava Jato e que investiga supostos repasses financeiros que teriam sido realizados pela Oi / Telemar em favor de empresas do grupo Gamecorp/Gol

Oferta de ações

XP vende ação acima da faixa indicativa no IPO e estreia na Nasdaq valendo R$ 62 bilhões

Preço por ação da XP na oferta realizada na bolsa americana foi definido em US$ 27, acima do teto da faixa estipulada, que variava de US$ 22 a US$ 25, segundo a Broadcast/Estadão

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Rodada decisiva no jogo das tarifas

Além dos números da economia e das empresas, entender pelo menos um pouco sobre relações internacionais tornou-se fundamental para os investidores desde o início da guerra comercial entre Estados Unidos e China. A disputa, que está mais para um jogo de cartas do que para uma guerra propriamente dita, é acompanhada com tensão pelo mercado porque […]

Jogo tenso

Com as cartas da guerra comercial ainda na mesa, o Ibovespa e as bolsas globais fecharam em queda

O Ibovespa teve a segunda baixa consecutiva, refletindo o clima de cautela que tomou conta dos ativos globais nesta terça-feira. Lá fora, os mercados ficaram de olho nas movimentações da guerra comercial — e, ao menos por enquanto, não há nada definido entre EUA e China

DE OLHO NO GRÁFICO

Sinal amarelo para o S&P 500 e 16 ações para ficar de olho

Neste vídeo, eu analiso o S&P 500, o Ibovespa e outros indicadores americanos e indica 16 ações brasileiras para ficar de olho. A contagem regressiva para o fechamento de minha Última Imersão a preço de Black Friday está terminando. Garanta aqui o seu acesso

BANCO

Presidente do BB diz que não há nenhuma negociação sobre venda do banco para concorrente

Ele destacou que “é mentira” que o Banco do Brasil esteja negociando seu controle com outro grupo econômico. “Isso nunca passou por nossa cabeça”, disse Novaes

NOVIDADES À VISTA

Marfrig lança marca própria de hambúrgueres vegetais

Além dos investimentos na parte de produtos de origem vegetal, a Marfrig quer trazer mais dinheiro para o caixa da empresa. A empresa confirmou no começo deste mês que fará uma oferta subsequente de ações (follow-on)

Altas e baixas

Gol, Azul, Itaú e Banco do Brasil: os destaques do Ibovespa nesta terça-feira

O setor aéreo liderou as perdas do Ibovespa nesta terça-feira, com as ações da Gol e da Azul fechando em queda. Itaú e Banco do Brasil também caíram

AÇO E ALUMÍNIO

‘Já foi sobretaxado aço e alumínio? Então, não tem o que discutir’, diz Bolsonaro

Trump escreveu no Twitter no último dia 2, sobre a intenção de aumentar tarifas sobre aço e alumínio de Brasil e Argentina, como forma de compensar a desvalorização da moeda desses países

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements