Menu
2019-12-04T07:44:46-03:00
Ex-secretário de Política Econômica

‘Brasil não aguenta mais voo de galinha’, diz José Roberto Mendonça de Barros

Para o economista e ex-secretário de Política Econômica do Ministério da Fazenda, o PIB do Brasil vai crescer 1% neste ano.

4 de dezembro de 2019
7:42 - atualizado às 7:44
José Roberto Mendonça de Barros
José Roberto Mendonça de Barros - Imagem: Celso Luís Gallo/ flickr Prefeitura de Araraquara

Com a guerra comercial entre China e Estados Unidos e o restante da América Latina em convulsão, a retomada do crescimento do País este ano vai depender ainda mais da recuperação do mercado interno, avalia o economista José Roberto Mendonça de Barros, da MB Associados.

É justamente por isso, segundo o ex-secretário de Política Econômica do Ministério da Fazenda, que os resultados positivos da construção civil e do consumo das famílias no terceiro trimestre podem ajudar a traçar um cenário de recuperação sustentável da economia, caso sejam mantidas as agendas de reformas. Segundo ele, o País não suporta "um novo voo de galinha".

Para o economista, o PIB do Brasil vai crescer 1% neste ano.

A seguir, trechos da entrevista do economista ao jornal O Estado de S. Paulo.

Como avaliar o resultado de 0,6% no PIB do terceiro trimestre? O País entrou em uma rota de crescimento?
Esse resultado é um sinal de que a economia melhorou um pouco, e o detalhamento dos números mostra tendências bastante positivas. Quando olhamos por setor, é visível como a agropecuária continuou indo bem - e até ajudou na revisão do PIB do ano passado. Isso não é uma surpresa, é um segmento que vem tendo desempenho positivo, embora alguns preços do mercado internacional tenham caído.

Por onde a recuperação está se dando até agora?
Do lado da oferta, é bastante positivo que a construção tenha crescido 1,3%. Há uma melhora mais robusta. E tem uma coisa interessante: quando se olha para a produção e distribuição de cimento, que é um material que vai para toda a cadeia, fica claro que a retomada está se dando pelo segmento residencial. Em São Paulo, por exemplo, é visível a retomada dos lançamentos de empreendimentos imobiliários. Outro ponto positivo que se teve por causa da construção foi o aumento da formação bruta de capital fixo, dos investimentos. Não há retomada sem investimento.

A construção pesada ainda não está reagindo. Quando ela deve começar a melhorar?
A construção pesada avançou muito timidamente, há poucas obras públicas em andamento até agora e foram poucas concessões este ano, basicamente as que sobraram do governo anterior. Acredito que, no ano que vem, a gente possa esperar uma reação mais significativa da construção pesada. Deve ter um conjunto mais robusto com a finalização do novo marco do saneamento no Congresso, por exemplo. O saneamento, com as estradas e as ferrovias, são segmentos em que a necessidade de investimento é maior - e onde os resultados são melhores também.

E a indústria ainda sofre para se recuperar, certo?
O desempenho da indústria de transformação ainda é decepcionante, esse é o patinho feio do crescimento econômico e é uma parte da economia que não consegue andar. O problema da indústria é complicado, que desafia a volta do crescimento. E tem a crise na Argentina que atrapalha. Mas tirando a indústria, o crescimento é interessante.

O consumo das famílias foi fundamental para puxar o resultado do PIB?
Se tem uma coisa que não dá para ter dúvida, com a guerra comercial entre China e EUA e os problemas das economias latino-americanas, é que o crescimento do Brasil vai depender quase exclusivamente do mercado interno. É preciso aumentar consumo e investimento. Uma parte disso se dá pelo maior número de pessoas trabalhando, ainda que na informalidade, e os salários dos novos contratados, em 12 meses, teve um ganho acima da inflação. Mas, no caso do consumo, o fator crédito tem sido o mais relevante para os resultados que o PIB mostrou. O crédito para pessoa física está crescendo a dois dígitos, de forma robusta. Embora os juros reais tenham caído pouco, o volume de concessão de crédito tem ajudado bastante. Olhando para a frente, esse crescimento do consumo é sustentável.

A recuperação da economia é sustentável?
Mais do que crescer, é sempre importante se perguntar se esse crescimento é sustentável, porque o País já está farto de voos de galinha. Acredito que seja, se a agenda de reformas continuar. Mas também é preciso compreender qual será a velocidade de aceleração dessa retomada. Um aumento dos investimentos faria toda a diferença e o maior aumento seria sobre a construção civil, que é um setor que emprega muita gente. Em qualquer lugar do mundo, a construção é um setor definitivo para a volta do crescimento.

Quanto o País deve crescer este ano?
Para este ano, estamos estimando um crescimento de até 1%. É positivo, mas nunca saímos de uma recessão tão lentamente quanto agora, por isso a angústia. O resumo é que houve, sim, uma melhora no crescimento e o Brasil tem condição de continuar andando nessa direção.

As crises políticas têm impedido essa recuperação mais acelerada da economia?
Não atrapalham, se olharmos para a aprovação da reforma da Previdência - muito por mérito do próprio Congresso - e para outras pautas legislativas que estão avançando, como a revisão do marco das telecomunicações. O que complicou nesses últimos 40 dias foi a volta do discurso mais radicalizado. Há uma certa paralisia e um processo político mais tumultuado do que antes. Algumas medidas econômicas importantes precisam ser definidas agora, no fim do ano, ou vão ficar para 2021. Essas medidas de contenção do gasto público vão ser chave para dar certeza de que a questão fiscal não vai travar o crescimento.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

PRIVATIZAÇÃO

Privatização da Eletrobras será discutida no 1º semestre, diz Ferreira Júnior

“É a primeira vez que o Brasil vai fazer uma operação desse tamanho, temos que ir com calma”, disse durante palestra na Associação Comercial do Rio de Janeiro (ACRJ).

ESTÁ DE SAÍDA

Oi anuncia saída de Eurico Teles da presidência

A saída ocorre no mesmo dia em que a companhia foi alvo da 69ª fase da Operação Lava Jato e que investiga supostos repasses financeiros que teriam sido realizados pela Oi / Telemar em favor de empresas do grupo Gamecorp/Gol

Oferta de ações

XP vende ação acima da faixa indicativa no IPO e estreia na Nasdaq valendo R$ 62 bilhões

Preço por ação da XP na oferta realizada na bolsa americana foi definido em US$ 27, acima do teto da faixa estipulada, que variava de US$ 22 a US$ 25, segundo a Broadcast/Estadão

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Rodada decisiva no jogo das tarifas

Além dos números da economia e das empresas, entender pelo menos um pouco sobre relações internacionais tornou-se fundamental para os investidores desde o início da guerra comercial entre Estados Unidos e China. A disputa, que está mais para um jogo de cartas do que para uma guerra propriamente dita, é acompanhada com tensão pelo mercado porque […]

Jogo tenso

Com as cartas da guerra comercial ainda na mesa, o Ibovespa e as bolsas globais fecharam em queda

O Ibovespa teve a segunda baixa consecutiva, refletindo o clima de cautela que tomou conta dos ativos globais nesta terça-feira. Lá fora, os mercados ficaram de olho nas movimentações da guerra comercial — e, ao menos por enquanto, não há nada definido entre EUA e China

DE OLHO NO GRÁFICO

Sinal amarelo para o S&P 500 e 16 ações para ficar de olho

Neste vídeo, eu analiso o S&P 500, o Ibovespa e outros indicadores americanos e indica 16 ações brasileiras para ficar de olho. A contagem regressiva para o fechamento de minha Última Imersão a preço de Black Friday está terminando. Garanta aqui o seu acesso

BANCO

Presidente do BB diz que não há nenhuma negociação sobre venda do banco para concorrente

Ele destacou que “é mentira” que o Banco do Brasil esteja negociando seu controle com outro grupo econômico. “Isso nunca passou por nossa cabeça”, disse Novaes

NOVIDADES À VISTA

Marfrig lança marca própria de hambúrgueres vegetais

Além dos investimentos na parte de produtos de origem vegetal, a Marfrig quer trazer mais dinheiro para o caixa da empresa. A empresa confirmou no começo deste mês que fará uma oferta subsequente de ações (follow-on)

Altas e baixas

Gol, Azul, Itaú e Banco do Brasil: os destaques do Ibovespa nesta terça-feira

O setor aéreo liderou as perdas do Ibovespa nesta terça-feira, com as ações da Gol e da Azul fechando em queda. Itaú e Banco do Brasil também caíram

AÇO E ALUMÍNIO

‘Já foi sobretaxado aço e alumínio? Então, não tem o que discutir’, diz Bolsonaro

Trump escreveu no Twitter no último dia 2, sobre a intenção de aumentar tarifas sobre aço e alumínio de Brasil e Argentina, como forma de compensar a desvalorização da moeda desses países

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements