Menu
2019-10-24T16:05:51+00:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
situação difícil

Brasil cai para 124º em ranking de facilidade para fazer negócios

No Fórum Econômico Mundial deste ano, em Davos, o presidente Bolsonaro afirmou ter como meta levar o País para o grupo dos 50 primeiros colocados até o fim de 2022

24 de outubro de 2019
15:49 - atualizado às 16:05
Bandeira do Brasil em meio a tempestade
Brasil - Imagem: Shutterstock

O Brasil recuou para a 124.ª posição no ranking Doing Business, que mede a facilidade de fazer negócios, depois de ter ocupado o 109.º lugar na lista do ano passado, mesmo tendo registrado ligeira melhora em sua nota geral, segundo relatório divulgado pelo Banco Mundial.

  • Quem é  premium ganha também uma edição exclusiva do ebook "1929 - A Quebra da Bolsa de Nova York". Seja Premium

No Fórum Econômico Mundial deste ano, em Davos, o presidente Jair Bolsonaro afirmou ter como meta levar o País para o grupo dos 50 primeiros colocados até o fim de 2022. "O resultado não foi nada bom para o Brasil. É algo para se lamentar e trabalhar para reverter", afirmou o secretário especial de Produtividade, Emprego e Competitividade, Carlos da Costa, nesta quinta-feira, 24.

Ele disse que a pesquisa foi feita entre fevereiro e março e ainda não reflete medidas do governo Jair Bolsonaro. "O indicador reflete a devastação no ambiente de negócios nos últimos anos. Os governos anteriores não colocaram o ambiente de negócio como prioridade", avaliou. "Se o Doing Business fosse feito hoje, já teríamos mudança significativa no ranking."

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Relatório

O relatório do Banco Mundial avalia dez indicadores, nos quais o Brasil melhorou de posição em três: obtenção de alvará de construção, registro de propriedade e abertura de empresas. O país ficou estável nos itens que medem a capacidade de resolução de insolvência e de pagamento de impostos.

Já nos indicadores de facilidade do comércio internacional, obtenção de crédito, execução de contratos, proteção de investidores minoritários e obtenção de eletricidade houve piora na posição brasileira.

No relatório divulgado no ano passado, a nota geral brasileira era de 60,1 pontos. Houve revisão na nota do ano passado para 58,6 pontos. Em 2019, a nota foi de 59,1 pontos, ou seja, houve melhora na pontuação, mas piora na posição do ranking. "Não adianta melhorar nota e não subir no ranking. Queremos melhorar mais do que os outros, isso chama competitividade. O Brasil tem tudo para isso", completou.

Mudanças

Segundo Da Costa, houve mudanças na metodologia, no indicador de proteção a interesse de minoritários, e o relatório de 2018 foi revisado, mudando a posição do Brasil no ano passado para o 120º lugar. "Estávamos pior do que imaginávamos no ano passado, o que só retrata a urgência de melhorarmos o ambiente de negócio", afirmou.

Apesar do resultado, Da Costa disse que o governo mantém o objetivo de chegar aos 50 primeiros do ranking até o fim do governo. "Não é impossível, a Índia avançou 60 posições nos últimos três anos. Precisamos de trabalho duro e vontade política", completou.

Ele citou medidas como revisão da lei de falências, novo marco para recuperação judicial de pequenas empresas, mudanças para acelerar o processo de importação e abertura de empresas entre as medidas para melhorar essa colocação. "A reforma tributária terá impacto bastante significativo para a melhoria da colocação do Brasil", completou.

*Com Estadão Conteúdo 

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

SUGESTÃO DE LEITURA

Estou interessada nesta criptomoeda…

Da lista de 12 criptomoedas citadas pela Helana Margarido, uma delas deve entrar em um ótimo ponto de compra nos próximos dias

Acusações de corrupção

Ex-presidente da Braskem é preso em Nova York

José Carlos Grubisich foi acusado de conspiração por violar uma lei de corrupção estrangeira dos EUA e por conspiração para lavagem de dinheiro

Próxima fase

CCJ da Câmara aprova PEC da 2ª instância

Por 50 votos a 12, comissão admitiu a proposta que abre caminho para prender condenados após a segunda instância

Ricos e famosos

Saiba como 5 celebridades entraram no clube dos bilionários

Nos últimos anos o grupo dos bilionários passou a contar com nomes bem conhecidos do público. Dois deles passaram a fazer parte da lista em 2019

Dinheiro entrando

Carlos Slim Domit anuncia plano de investimento de R$ 30 bilhões no Brasil em 3 anos

Aporte de recursos será feito para ampliar a infraestrutura necessária para o desenvolvimento de novos serviços e de armazenamento em nuvem

De cara nova

BNDES elege dois conselheiros e informa que poderá devolver até R$ 200 bilhões ao Tesouro até 2022

Marcelo Serfaty e Marcelo Sampaio foram eleitos para o Conselho de Administração do banco de fomento em Assembleia Geral Extraordinária

Esclarecendo

Campos Neto: Se câmbio contaminar inflação, atuação será via taxa de juros

Presidente do BC, Roberto Campos Neto, diz que foi mal interpretado e faz esclarecimento sobre relação do dólar com inflação e resposta do BC

Juros bancários

BC vai divulgar novo plano para mudar cheque especial ainda neste ano

Em audiência na Câmara dos Deputados, o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, disse que é preciso fazer uma “reengenharia” do cheque especial

É dólar que sai

Fluxo cambial total em novembro até dia 14 é negativo em US$ 1,1 bilhão

Banco Central também informou que, no ano, o fluxo cambial até 14 de novembro ficou negativo em US$ 22,628 bilhões

Impeachment de Trump

Embaixador dos EUA na UE confirma que Trump pressionou Ucrânia a investigar democratas

O diplomata Gordon Sondland implicou ainda outros membros da alta administração do governo em audiência sobre o processo de impeachment do presidente

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements