Menu
2019-04-04T13:49:09+00:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Empréstimos

Bradesco destrona Caixa e lidera ranking de crédito imobiliário de 2018

Instituição conseguiu tirar Caixa Econômica Federal da liderança com empréstimos de R$ 15,1 bilhões; Itaú é o terceiro no ranking. Dados consideram financiamentos com recursos da poupança. Nas linhas do FGTS, Caixa ainda é líder.

30 de janeiro de 2019
13:10 - atualizado às 13:49
Bradesco
Imagem: shutterstock

O Bradesco liderou as linhas de crédito imobiliário com recursos da poupança em 2018, ocupando uma posição que historicamente foi da Caixa Econômica Federal. O ano passado foi marcado pelo avanço dos bancos privados no financiamento habitacional em um momento em que a Caixa pisou no freio diante de uma crise que chegou a travar a concessão de crédito diante da falta de recursos do banco.

O Bradesco emprestou ao todo R$ 15,1 bilhões em 2018, quase o dobro dos R$ 7,8 bilhões emprestados em 2017. Naquele ano, o Bradesco ficou na terceira posição do ranking das instituições financeiras de crédito imobiliário.

Os dados são da Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança (Abecip) e foram divulgados nesta quarta-feira (30).

A Caixa Econômica Federal aparece em segundo lugar, atingindo R$ 13,2 bilhões em financiamentos. No ano anterior, a estatal liderou o ranking, com R$ 16,4 bilhões em empréstimos na categoria.

Na série histórica, o Bradesco e a Caixa vêm competindo pela liderança no ranking. De agosto de 2016, quando a Abecip passou a compilar os números por instituição, a dezembro de 2017, o banco estatal liderou os desembolsos de aquisição e construção. Desde então, o Bradesco virou o jogo passou a liderar o ranking.

Ao todo, os financiamentos para compra e construção de imóveis totalizaram R$ 117 bilhões em 2018, o que representa alta de 15%. É mais um sinal da recuperação do setor imobiliário, que inicia um novo ciclo após um período de crise.

Os empréstimos com recursos da poupança (SBPE) alcançaram 57,4 bilhões em 2018, o que representa alta de 33% enquanto o crédito com o recursos do FGTS bateu em R$ 60 bilhões em 2018, crescimento de 2%.

Concorrência acirrada

Itaú, Santander e Banco do Brasil também não ficaram parados e foram para cima da Caixa. O Itaú veio em terceiro lugar, somando empréstimos de R$ 12,1 bilhões, mais do que os R$ 8,5 bilhões emprestados em 2017.

O Santander Brasil é o quarto da lista, com R$ 10,2 bilhões, ante R$ 6,2 bilhões. E o Banco do Brasil também manteve sua quinta colocação no ranking, com R$ 5,1 bilhões, ante R$ 2,7 bilhões.

O que vai restar para os bancos públicos?

A dinâmica do mercado neste ano não deve passar por mudanças significativas. Os bancos públicos, principalmente a Caixa, devem continuar focando no mercado imobiliário destinado às pessoas de média e baixa renda. Essas linhas de crédito se enquadram no Minha Casa, Minha Vida e são subsidiadas por recursos do FGTS, que não são operados pelos bancos privados.

" Os bancos púbicos não precisam de subsídios para competir. Eles têm capacidade e competência para isso", avaliou o presidente da Abecip, Gilberto Duarte, o cenário deve continuar assim.

*Com Estadão Conteúdo 

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

De olho nos valores

Preço médio dos imóveis residenciais sobe 0,36% em junho em dez capitais

A pesquisa mostrou que, no mês, todas as dez capitais pesquisadas tiveram alta nos preços médios: Brasília (0,04%), Fortaleza (0,06%), Salvador (0,08%), Porto Alegre (0,16%), Rio de Janeiro (0,18%), Belo Horizonte (0,19%), Curitiba (0,19%), Goiânia (0,22%), Recife (0,38%) e São Paulo (0,68%)

DE OLHO NO GRÁFICO

Bitcoin em nova alta e S&P no sinal amarelo

Fausto Botelho está estupidamente otimista com o bitcoin, que pode ter uma nova onda de valorização. Já o S&P, principal índice americano, pode trazer um terremoto para o resto do mundo

De olho nos próximos recebidos

Preparação de atendimento pela Caixa contribuiu para adiamento de saque do FGTS

Em 2017, para que 25,9 milhões de trabalhadores retirassem R$ 44 bilhões das contas inativas (de contratos anteriores) do FGTS, a Caixa preparou um esquema de atendimento que previu a abertura das agências mais cedo e nos fins de semana no período, que foi de 10 de março a 31 de julho

Entenda o caso

Depois de fixar o preço dos papéis em R$ 1,10 no follow-on, ações da Tecnisa despencam mais de 9%

O mais provável é que a queda vertiginosa esteja associada ao fato de que o papel esteja se ajustando ao preço estipulado na oferta de ações

A hora é agora

Como consultar o seu saldo do FGTS

Medida que injeta até R$ 30 bilhões na economia deve ser anunciada na próxima semana. Saiba como consultar o seu saldo do FGTS

Novidades na prateleira

RCI Brasil, das montadoras Renault e Nissan, passa a oferecer CDB com liquidez diária e rentabilidade de 102% do CDI

A desvantagem é que o valor inicial de aplicação do investimento é um pouco alto. No caso do Banco Sofisa, por exemplo, o valor inicial de aplicação é de R$ 1. Já no Inter e no C6 Bank, a aplicação inicial é de R$ 100

Aos números

Economia com reforma da Previdência após 1º turno fica em R$ 914,3 bilhões

Impacto fiscal ao longo de 10 anos sobe a R$ 933,5 bilhões, considerando aumento CSLL sobre os bancos. MP de fraudes pode render outros R$ 200 bilhões

alteração na agenda

Anúncio sobre FGTS fica para a próxima semana, diz Onyx

Segundo o ministro, as equipes técnicas do Ministério da Economia ainda trabalham em cima dos ajustes necessários

dinheiro na mão

Economistas recomendam sacar recursos do fundo

Aprovada a medida do governo para o saque das contas do FGTS, a orientação dos especialistas é para que os trabalhadores quitem débitos ou invistam

controvérsia

Setor de construção critica liberação de saques do FGTS

Recursos para o trabalhador devem diminuir o total disponível para a construção, o que pode aumentar o déficit habitacional do País, diz vice-presidente de sindicato

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements