Menu
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA. Trabalhou por 18 anos nas principais redações do país, como Agência Estado/Broadcast, Gazeta Mercantil e Valor Econômico. É coautor do ensaio “Plínio Marcos, a crônica dos que não têm voz" (Boitempo) e escreveu os romances “O Roteirista” (Rocco) e “Abandonado” (Geração).
Bancos

Bradesco faz mudanças no alto escalão e reduz número de vice-presidentes

Na nova estrutura, a diretoria executiva será composta por três grandes áreas voltadas à negócios (varejo, alta renda e atacado), enquanto uma unidade ficará dedicada à infraestrutura, tecnologia e recursos humanos

14 de janeiro de 2019
10:33 - atualizado às 11:00
Imagem: shutterstock

Na primeira grande mudança no alto escalão desde que Octavio de Lazari assumiu a presidência, em março do ano passado, o Bradesco promoveu uma mudança significativa no alto escalão, que incluiu a redução no número de vice-presidências de seis para quatro.

Na nova estrutura, a diretoria executiva será composta por três grandes áreas voltadas aos clientes, enquanto uma unidade ficará dedicada à infraestrutura, tecnologia e recursos humanos.

Nas áreas de negócios, o vice-presidente Eurico Fabri será responsável por todo o segmento de varejo do banco. O atendimento aos clientes de alta renda ficará com o vice-presidente Cassiano Scarpelli. E as operações no atacado ficarão na alçada de Marcelo Noronha.

A quarta vice-presidência, responsável pelas áreas de apoio do banco, ficará com o vice-presidente André Cano.

Na dança das cadeiras, Josué Augusto Pancini e Mauricio Minas, que acumulavam os cargos de conselheiros e de vice-presidentes, passam a atuar exclusivamente no conselho.

Briga de gigantes

Com a mudança, a estrutura de comando do Bradesco fica mais parecida com a do rival Itaú Unibanco, que conta com duas diretorias gerais, nas áreas de varejo e atacado, e três vice-presidências.

Nos últimos anos, enquanto se concentrou no processo de incorporação do HSBC Brasil, o Bradesco ficou para trás na briga dos grandes bancos pela rentabilidade. Mas os números mais recentes mostraram que o banco voltou com força para a disputa.

No terceiro trimestre, a rentabilidade ficou em 19%, uma alta de 1 ponto percentual em relação ao mesmo período. Embora não tenha sido suficiente para superar o Santander, que teve um retorno de 19,5%, o resultado recolocou o banco na disputa pelo segundo lugar.

De janeiro a setembro, o banco lucrou R$ 15,734 bilhões, alta de 11,1% em relação ao mesmo período do ano passado. O resultado de 2018 será divulgado no próximo dia 31.

Promoções e saídas

Junto com as alterações na estrutura de comando, o Bradesco anunciou as promoções de Bruno D'Ávila Melo Boetger (Corporate/BBI), Guilherme Muller Leal (Alta Renda/Prime), João Carlos Gomes da Silva (Varejo) e Rogério Pedro Câmara (TI) para diretores executivos gerentes.

Para diretores executivos adjuntos, o banco promoveu Leandro Miranda, que estava no Bradesco BBI e passa a ser responsável pelo Departamento de Relações com o Mercado e pelas corretoras do Banco, além de Edson Marcelo Moreto (Crédito), José Sérgio Bordin (Varejo), Roberto de Jesus Paris (Tesouraria) e Antonio José da Barbara (Secretaria Geral).

As mudanças no banco começaram na sexta-feira, com a saída de Denise Pavarina, que ocupava a diretoria de relações com investidores.

E você, o que achou das mudanças no Bradesco? Comente logo abaixo ou me siga lá no Twitter.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
Para reduzir dívida

Casino fecha venda de 26 hipermercados e supermercados

Negócio é avaliado em 501 milhões de euros (US$ 569,2 milhões); pelo acordo assinado com a Fortress, o Casino receberá cerca de 392 milhões de euros no primeiro semestre do ano

Em dezembro

Indústria e varejo da China superam expectativas, mas avanço do PIB é o menor em 28 anos

Produção industrial chinesa subiu 5,7% em dezembro na comparação anual; analistas previam uma desaceleração, com ganho de 5,3%

Caso Queiroz

Flávio Bolsonaro reclama que não teve oportunidade de esclarecer movimentações

Nas entrevistas, o senador eleito afirmou que o pagamento de R$ 1.016.839 milhão de um título da Caixa Econômica Federal, registrado pelo Coaf como movimentação atípica, é referente ao valor da quitação da dívida de um apartamento

Dívida corporativa

Por que as debêntures devem ser as estrelas do investimento em renda fixa em 2019

Esse fenômeno já começou. Em 2018, as captações de recursos pelas empresas brasileiras diretamente de investidores no mercado de capitais atingiram quase R$ 200 bilhões, um crescimento de 19% e praticamente o dobro de 2016. Confira o que faz as perspectivas para este ano serem ainda melhores.

Renda fixa

O que você precisa saber antes de investir em uma emissão de debêntures

Investir em debêntures pode ser uma alternativa para quem busca mais de rentabilidade nas aplicações de renda fixa. Mas como tudo no mundo dos investimentos, o maior retorno vem acompanhado de mais riscos

A Bula do Mercado

Mercado entre China e Davos

PIB da China abre semana marcada por expectativa pela participação do governo Bolsonaro em Davos

Desânimo

Para JP Morgan, aumentou a chance de recessão nos EUA nos próximos 12 meses

Banco projeta uma probabilidade de 42,9% de contração na economia americana, contra uma projeção anterior de 40,8%

Indústria automobilística

Sindicato reage à ameaça de saída da GM do país, e montadora marca reunião com trabalhadores

Presidente da montadora para a América do Sul havia divulgado comunicado dizendo que “investimentos e o futuro” do grupo no país dependiam de volta da lucratividade em 2019

Sufoco

Empresas de alimentos concentram maior débito entre as mais endividadas

BRF, Marfrig e JBS tentam reduzir endividamento; siderúrgicas e outras empresas de infraestrutura também têm dificuldades

Alívio

Dívida das empresas abertas cai 17,7%, mas investimento ainda deve demorar

Movimento de reestruturação e redução das dívidas é puxado por Petrobras e Vale; cautela das empresas e capacidade ociosa, porém, ainda é grande

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu