Menu
2018-10-07T22:16:41+00:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Eleições 2018

Bolsonaro parte em vantagem, diz cientista político Adriano Gianturco

Para especialista, candidato do PSL tem armas fortíssimas para atacar Haddad

7 de outubro de 2018
21:54 - atualizado às 22:16
haddad-bolsonaro
Fernando Haddad e Jair Bolsonaro - Imagem: Flickr/Fotos Públicas

Fazendo uma conta rápida, o coordenador do curso de Relações Internacionais do IBMEC e professor de Ciência Política, Adriano Gianturco, avalia que mesmo que somarmos os votos de Fernando Haddad, Ciro Gomes e Geraldo Alckmin não se chega aos votos obtidos por Bolsonaro.

Uma ponderação é a incerteza com relação às abstenções e como isso vai se refletir no voto. Mas Gianturco afirma que Bolsonaro parte em vantagem. Com relação às alianças, fatia relevante do chamado Centrão já migrou para o candidato do PLS.

O caso do PSDB é um pouco mais complicado, mas para o especialista, o partido deve rachar e partir para o apoio a Bolsonaro usando a agenda econômica liberal como discurso.

Em eventuais debates, Gianturco acredita que Bolsonaro tem duas armas fortíssimas para atacar Haddad. Que o candidato é um fantoche do Lula e que o PT gestou a segunda maior crise econômica da história do país.

“Se houver debates ele vai destruir facilmente o Haddad na percepção da população”, acredita. “Se ele não falar besteira, ele ganha.”

Ainda de acordo com Gianturco, o establishment ainda não entendeu como tratar Bolsonaro. Os ataques chamando o candidato de “nazista”, “fascista” ou “ameaça à democracia” não ecoam na população, que sabe que isso é uma mentira. “Chamar de nazista chega a ser ridículo e gera antipatia em quem faz essa coisa”, explica.

Outro ponto relevante é a conquista do eleitor mediano, pois os extremos já estão definidos. Para o especialista, que é autor do livro “A Ciência da Política”, o candidato que ganha é aquele que converge para o centro, buscando esse eleitor que não necessariamente é um "moderado".

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

Bandeira branca no radar?

EUA devem estender licença da chinesa Huawei para atender clientes do país

Movimento dos EUA pode ser visto como positivo para o fim da guerra comercial com a China já que a companhia foi um dos focos de tensões entre os gigantes

Governador de Minas

‘Governo entra em pautas minúsculas’, avalia Romeu Zema

Em entrevista, governador de MG nega que esteja sendo “tutelado” pelo partido Novo e avaliou que o presidente Jair Bolsonaro deveria “focar em coisas maiores, grandiosas”

Corrida contra o tempo

Tarifa de importação do Mercosul pode cair já em 2020

Com receio de que o grupo político da ex-presidente da Argentina Cristina Kirchner volte ao poder, o governo brasileiro tem pressa

Agora vai?

Governo enviará ao Congresso na próxima semana projeto para destravar privatização da Eletrobras

Proposta deve conter os mesmos itens que estavam na Medida Provisória 879, que não foi votada pela Câmara

Olha quem apareceu

Rede de varejo Le Biscuit, da Vinci Partners, estreia no comércio online

Entrada da empresa no mundo online ocorrerá em etapas e segue uma tendência mundial

Olha a oportunidade aí

Movimentos para ofertas de ações no 2º semestre aceleram

Reuniões com os bancos de investimento se intensificam e companhias começam a fechar acordos para levar as ofertas adiante

Eita!

Chefes da Receita Federal ameaçam entrega de cargos por interferência política

De acordo com apuração, seis subsecretários do órgão estão fechados nessa posição

À beira do abismo

Sob pressão financeira, Oi procura bancos para encontrar saída

Operadora precisa levantar R$ 2,5 bilhões, mas ainda não tem ideia de como fará essa captação de recursos

Batalha contra a desaceleração

China divulga reforma de juros para reduzir custo de financiamento de empresas

Movimento anunciado deve reduzir ainda mais as taxas de juros reais para as companhias do país

Entrevista

Criador da CVM diz que mercado brasileiro não precisa de mais regulação

Para Roberto Teixeira da Costa, momento é de libertar a capacidade criativa das pessoas; em entrevista ao Seu Dinheiro, ele fala sobre mercado de capitais, economia brasileira e a figura do analista de investimentos

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements