Menu
2019-06-09T18:10:35+00:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa e UBS Escola de Negócios. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência CMA, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico.
Críticas no Twitter

Bolsonaro critica a oposição por obstruir discussões sobre crédito extra ao governo

O presidente Jair Bolsonaro foi ao Twitter para criticar a atuação da oposição, indicando que o governo não terá como pagar benefícios caso o crédito extra solicitado pelo governo não seja concedido

9 de junho de 2019
18:10
Presidente da República, Jair Bolsonaro
Bolsonaro usou o Twitter para criticar a oposição - Imagem: Marcos Corrêa/PR

O presidente Jair Bolsonaro teve apenas um compromisso oficial em sua agenda neste domingo (9): uma reunião com o ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, ainda durante da manhã. Passado o encontro, o presidente foi ao Twitter — mas não fez menções ao que foi conversado com um dos líderes da articulação política do governo.

Na rede social, Bolsonaro optou por falar novamente de um assunto que trouxe turbulência ao cenário político nesta semana: o pedido de liberação de créditos suplementares ao governo, no valor de R$ 248,9 bilhões — a verba ainda precisa do sinal verde do Congresso.

A Comissão Mista do Orçamento (CMO) do Congresso votaria essa solicitação do governo na última quarta-feira (5), mas a sessão do colegiado foi suspensa após deputados da oposição obstruírem o diálogo. E Bolsonaro não mediu palavras para criticar a atuação da ala contrária a sua gestão nessas discussões.

Sem esse crédito extra, o governo corre o risco de ficar sem dinheiro para pagar benefícios previdenciários e assistenciais, entre outras despesas. O prazo limite para a concessão do crédito termina no próximo sábado (15).

Caso a verba não seja liberada, a gestão Bolsonaro poderá optar por duas direções: ou esses benefícios deixam de ser pagos, ou o governo realiza os desembolsos e quebra a chamada "regra de ouro" das finanças públicas — e, com isso, poderá ficar sujeito a um processo de impeachment por irresponsabilidade fiscal.

Uma nova sessão da CMO para votar a concessão dos créditos solicitados pelo governo está marcada para a próxima terça-feira (11). E o tema pode trazer instabilidade aos mercados financeiros do Brasil.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Na última quarta-feira, os agentes financeiros reagiram mal à suspensão da sessão da CMO — a leitura foi a de que as dificuldades enfrentadas pelo governo para a aprovação dessa verba eram um prenúncio de que a tramitação da reforma da Previdência poderia passar por transtornos semelhantes no Congresso.

Com essa percepção, o Ibovespa terminou o pregão daquele dia em queda de 1,42%, aos 95.998,75 pontos — nas sessões seguintes, contudo, o índice se recuperou, chegando aos 97.821,26 pontos no fechamento de sexta-feira (7).

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

A Bula do Mercado

Sai guerra comercial, entra temporada de balanços

Mercado se prepara para os resultados trimestrais das empresas, enquanto aguarda novidades do acordo entre EUA e China

Posição gerou polêmica

Presidente da CCJ da Câmara diz que vai pautar PEC da regra de ouro na quarta-feira

Decisão atropela um entendimento feito entre Maia e a equipe econômica de esperar a proposta do governo para avançar na discussão no Parlamento

Seu Dinheiro na sua noite

A pergunta que não quer calar

Como jornalista, estou acostumado a fazer perguntas, mas de vez em quando me vejo em uma situação em que sou obrigado a respondê-las. Na sexta-feira à noite fui a Santos fazer uma palestra na faculdade onde estudei sobre a profissão e os livros que escrevi, inclusive o primeiro deles – que surgiu do meu trabalho […]

Paralelo à reforma principal

Presidente da comissão especial na Câmara quer votar reforma da Previdência dos militares nesta semana

Na reunião de terça-feira, marcada para as 14h, deve ser iniciada a discussão que antecede a votação

Amigos, amigos...

OCDE diz que Brasil já é um parceiro-chave da OCDE, que já está perto da organização

Diretor para a América Latina na Organização diz que o Brasil se destaca em pesquisas no sentido de competitividade global

vestuário na bolsa

IPO da C&A: começa hoje a reserva de ações da varejista

Faixa de preço dos papéis — que serão negociados sob o código CEAB3 — ficará entre R$ 16,50 e R$ 20,00; montante mínimo a ser solicitado é de R$ 3 mil

Saiu perdendo

Firjan diz que mudança nos royalties pode trazer perda de R$ 30 bilhões em 4 anos ao Rio de Janeiro

O Estado, maior produtor brasileiro de petróleo e gás natural do Brasil (60% do total), perderia R$ 6,4 bilhões por ano

Me segue!

Ex-ministro da Fazenda, Meirelles diz que grande mérito do atual governo é manter diretrizes econômicas de Temer, mas aponta erros

Secretário da Fazenda paulista afirmou que muitos dos pontos da MP da Liberdade Econômica foram traçados durante sua gestão no Ministério da Fazenda

admirável mundo novo

Economia digital vira gargalo para tributação

Na era dos aplicativos de serviços, impressoras 3D, robôs, moedas virtuais e marketplaces, o sistema tributário ficou obsoleto e tem tirado o sono do Fisco

mudança de cenário

Com queda nos juros, busca por crédito tem o maior crescimento em 9 anos

Desde janeiro, o aumento do número de pessoas que buscaram crédito foi de 10,3%, em relação a igual período do ano passado, segundo a Serasa Experian

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements