Menu
2018-10-08T22:52:22+00:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Eleições 2018

Bolsonaro e Haddad acham um ponto em comum

Discursos se amansam em busca do eleitor de centro e daqueles que não foram ou não pretendem votar. Será que dura?

9 de outubro de 2018
6:01 - atualizado às 22:52
Jair Bolsonaro e Fernando Haddad, candidatos às eleições presidenciais de 2018
Jair Bolsonaro e Fernando Haddad, candidatos às eleições presidenciais de 2018 - Imagem: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil e Sérgio Silva/Wikimedia Commons

Não seria um exagero dizer que o segundo turno da eleição presidencial teve sua largada oficial, por assim dizer, no “Jornal Nacional” desta segunda-feira. Fernando Haddad e Jair Bolsonaro, quase sempre antagônicos, fizeram um discurso convergente e mais manso em termos políticos. Eles acenaram para o que seria o eleitor de centro.

Esse ente da teoria política voltou a ser cortejado em rede nacional depois de ter desaparecido em meio à disputa entre o ódio a tudo que está aí e a revanche petista do primeiro turno. Haddad pediu compreensão e Bolsonaro se disse um escravo da Constituição.

Candidatos que tentaram olhar exclusivamente para esse eleitorado foram engolidos no primeiro turno. As próximas pesquisas podem dar uma ideia se essa convergência ao centro ou retorno ao eleitor médio vão render alguma coisa em termos de voto, com a consequente resposta dos indicadores de mercados. Os debates previstos também serão interessantes para ver até que ponto durará essa pretendida “cordialidade” ou se é só um esquenta para uma luta de fazer inveja ao famoso MMA.

Sacrifício de Haddad

Por sair em desvantagem na contenda, Fernando Haddad, parece ter feito o maior sacrifício para tentar acenar que apesar de PT não é tão PT assim, ou que é um PT diferente dos outros. Desautorizou publicamente umas das lendas do partido, o ex-ministro José Dirceu, dizendo que ele “não participa da minha campanha e não participará do meu governo”.

Haddad respondia a questionamento levantado tendo como base entrevista em que Dirceu falou que seria “questão de tempo pra gente tomar o poder. Tomar o poder, que é diferente de ganhar uma eleição”.

Respondendo sobre o tema que foi comum aos dois, o respeito à Constituição, Haddad disse “democracia em primeiro lugar”. Nas considerações finais disse que a democracia e os direitos estão em jogo e pediu “compreensão” à população. Esse pedido por “compreensão” soou quase como um pedido de perdão pelos “malfeitos” do passado, eufemismo do partido para corrupção.

Haddad também rasgou mais um pedaço do plano de governo oficial que ajudou a escrever. Abandonou a ideia de promover uma “Assembleia Nacional Constituinte, livre, democrática, soberana e unicameral, eleita para este fim nos moldes da reforma política apresentada” no plano de governo do partido. O ordenamento legal não permite convocação de constituintes.

Falou de reformas, mas não da Previdência. Falou em reforma tributária e reafirmou proposta de isentar de Imposto de Renda (IR) quem ganha até cinco salários mínimos. Falou em reduzir impostos da classe média. Voltou à carga contra os bancos, falando em reduzir e baratear juros, como forma de estimular empresas e também o mercado de trabalho. E voltou a atacar o teto de gastos, que na sua avaliação impede os investimentos.

A vez do capitão e das caneladas do vice

Bolsonaro falou depois de Haddad, em ordem determinada por sorteio. Agradeceu os votos que recebeu, especialmente dos eleitores do Nordeste, região do país onde não foi vencedor. Disse que apesar de ter perdido nunca teve tamanha votação dissidente por lá e partiu para o ataque dizendo que não teve mais votos por culpa das “fake news”. “Não vamos acabar com o Bolsa Família”, disse.

Também voltou a negar que vai elevar a cobrança de impostos. Disse que proposta de Paulo Guedes, seu assessor econômico, é de isentar quem ganha até cinco salários mínimos e quem ganha acima disso pagará 20%. E que não pretende recriar a CPMF.

Disse que vai jogar pesado contra a insegurança pública para que as mulheres se sintam protegidas. Ainda nessa área defendeu a redução da maioridade penal.

Depois foi a vez de Bolsonaro responder às perguntas do tema da noite. Ele foi questionado sobre as declarações do seu vice, general Hamilton Mourão, sobre a realização de uma nova Constituição, feita por notáveis, sem participação popular. E sobre outra afirmação dele sobre a possibilidade de “autogolpe” presidencial.

Bolsonaro disse que apesar de Mourão ser general e ele capitão, ele, como presidente, desautorizou Mourão nesses dois momentos. “Não poderei, jamais, ir além da Constituição”, disse. Complementou afirmando crença no voto popular e se dizendo “escravo” da Constituição, afirmações que repetiu mais de uma vez.

Segundo Bolsonaro, o que se busca é “ter um governo com autoridade e sem autoritarismo”. Para ele, o que falta a seu vice é “tato”, convivência com a política, mas que ele vai se adequar à realidade. “Ele foi infeliz, deu canelada. Presidente não autoriza qualquer coisa nesse sentido”, completou.

Para encerrar, voltou o foco para o seu eleitorado dizendo que busca reunir o povo sob a bandeira verde e amarela e o hino nacional, “unindo todos que foram divididos pela esquerda”. Que não aceita “toma lá, dá cá” e que seus ministros, esses sim, serão notáveis.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

Luz no fim do túnel?

Trump: ‘estamos indo muito bem com a China, e conversando’

Membros da equipe econômica norte-americana afirmam que negociadores das duas maiores economias do mundo irão conversar na próxima semana

Tem que adiar isso daí

Vitorioso nas prévias eleitorais argentinas, Fernández defende renegociação de acordo com o FMI

Alberto Fernández afirmou que o acordo para o pagamento de dívidas junto ao Fundo Monetário Internacional é “impossível de cumprir”

Opinião polêmica

Senadora Simone Tebet: ‘Bolsonaro ainda não vestiu o terno de presidente’

Referindo-se ao presidente, senadora do MDB afirmou “jamais imaginei que pudéssemos chegar onde chegamos”

Na hora de prestar contas

Presidente do Senado briga na Justiça para manter sigilo de gastos parlamentares

Destinadas a cobrir despesas relativas ao exercício do mandato, as cotas variam entre R$ 30 mil e R$ 45 mil, a depender do Estado do congressista

Nem tão hermanos assim

Bolsonaro volta a falar sobre Argentina e diz que país está cada vez mais próximo da Venezuela

Presidente usou sua conta no Twitter para fazer novos comentários sobre o processo sucessório na Argentina

Seu Dinheiro no domingo

Liberais não fazem pacotes

Dentro de mais alguns dias conheceremos o Produto Interno Bruto (PIB) do segundo trimestre. O resultado será magro e há quem fale em recessão técnica. Na sequência veremos uma nova onda de críticas e demandas na linha: “o governo tem quem fazer alguma coisa! Tem que impulsionar a demanda! Esse BC está errado!”. Sinto desapontar […]

Trilhando caminhos

Jovens precisam ter resiliência e iniciativa, dizem executivos sobre ser um novo empresário

Executivos falam sobre os comportamentos que um jovem ingressante numa grande empresa deve ter para trilhar um caminho profissional de sucesso

Crise partidária

Pedro Simon, ex-governador do RS: ‘existe o risco de o MDB desaparecer’

Em entrevista ao Estadão, o filiado ao MDB desde 1965 diz que seu partido precisa fazer uma “profunda reflexão”

Barrado na embaixada?

Consultoria do Senado diz que indicação de Eduardo Bolsonaro configura nepotismo e senadores se articulam para rejeitar seu nome

Parecer foi embasado no entendimento da Súmula Vinculante nº 13, do Supremo Tribunal Federal, que trata sobre nepotismo

Analisando a situação dos hermanos

Crise Argentina, feitiço do tempo

Os grandes desafios econômicos de Maurício Macri também parecem reimpressões de velhos e bem conhecidos problemas argentinos

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements