Menu
2019-07-31T17:56:16+00:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
De olho no Tio Sam

Bolsonaro diz que comércio com Estados Unidos está fraco e que aproximação será benéfica

Presidente e encontrou com o secretário de Comércio dos Estados Unidos, Wilbur Ross, na tarde desta quarta-feira

31 de julho de 2019
17:56
Jair Bolsonaro e o Secretário de Comércio dos Estados Unidos, Wilbur L. Ross Júnior
Jair Bolsonaro e o Secretário de Comércio dos Estados Unidos, Wilbur L. Ross Júnior - Imagem: Marcos Corrêa/Presidência da República

O presidente da República, Jair Bolsonaro, falou na tarde desta quarta-feira, 31, que o encontro com o secretário de Comércio dos Estados Unidos, Wilbur Ross, foi "excelente" e que conversaram sobre um possível acordo de livre-comércio. Ele também admitiu que há um receio por parte dos EUA sobre supostas "armadilhas" no acordo entre o bloco sul-americano e a Europa, que poderiam inviabilizar as negociações com os americanos.

"Eu acho que todo mundo está preocupado com algumas armadilhas. Todo mundo está preocupado com isso daí. Que talvez no acordo do Mercosul (com a UE) possa ter algum problema assinar algum acordo com os EUA", disse o presidente, após cerimônia de troca da guarda presidencial no Palácio do Planalto.

Bolsonaro comentou que essa é uma questão que envolve a inteligência do governo para identificar se há, de fato, armadilhas no acordo Mercosul-UE. "Parto do princípio que não haja", declarou.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Ele afirmou que Ross falou do "interesse" dos EUA no Brasil e seguiu a linha do que Bolsonaro já discutiu anteriormente com o presidente dos EUA, Donald Trump. Bolsonaro considera que o comércio entre Brasil e EUA "está muito fraco", levando em conta o tamanho dos dois países.

O presidente da República também disse que outros países têm procurado o Brasil para eventuais acordos, entre eles Japão, Coreia do Sul e Bolívia.

Na terça, o presidente dos EUA, Donald Trump, disse que vai trabalhar por um acordo de livre comércio com o Brasil.

O secretário de Comércio Exterior brasileiro, Marcos Troyjo, disse que o Brasil vai buscar o acordo mais "ambicioso e abrangente" possível com os norte-americanos.

Aproximação benéfica

Mais tarde, pelo Twitter, o presidente afirmou que os dois países "estão em enorme sintonia" e que a maior proximidade será benéfica a americanos e brasileiros.

"Recebi hoje (quarta) o Secretário de Comércio dos EUA, Wilbur Ross. Discutimos formas de aumentar a cooperação, o comércio e os investimentos entre nossos países, que estão em enorme sintonia. A aproximação entre Brasil e EUA trará grandes benefícios para nossos povos", escreveu Bolsonaro.

Vale lembrar que, na terça-feira, 30, o presidente americano, Donald Trump, disse que vai trabalhar por um acordo de livre comércio entre EUA e Brasil, tendo dito que "o Brasil é um grande parceiro comercial" que cobra muitas tarifas dos americanos, mas que ele gosta do País. Trump também elogiou o governo Bolsonaro. "O presidente brasileiro é um homem especial", disse Trump.

*Com Estadão Conteúdo.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

crise do clima

G7 quer ajudar o mais rápido possível nos incêndios da Amazônia, diz Macron

Segundo o presidente da França, “tudo depende dos países da Amazônia”, que compreensivelmente defendem sua soberania

roupa remendada

Tasso terá de dar parecer para 130 emendas à reforma

Cabe ao senador, que deve entregar seu relatório na semana que vem, decidir se acata ou não as sugestões de alterações

economia que patina

País deve andar em passo lento, mesmo com reformas

Destruição provocada pela recessão, com empresas indo à falência e milhões de trabalhadores saindo do mercado, forma cenário adverso para o Brasil

seu dinheiro no domingo

Rota do Bilhão: 9 semelhanças dos 10 mais ricos do mundo

Apesar de histórias de vida e negócios diferentes, há pontos em comum entre os maiores bilionários do mundo – são pistas do que pode ter feito a diferença

clima tenso

Europeus se dividem sobre risco ao Mercosul

Decisão do presidente francês, Emmanuel Macron, de obstruir um acordo comercial entre a União Europeia e o grupo Mercosul divide opiniões entre líderes mundiais

no g7

Acordo comercial com os EUA não será fácil, diz primeiro-ministro britânico

Boris Johnson citou carnes bovina e de cordeiro, travesseiros e fitas métricas como alguns dos produtos britânicos que têm entrada dificultada nos mercados dos EUA

um unicórnio entre os jovens

Tiktok: o app que faz sucesso entre a geração Z e fez da sua dona a startup mais valiosa do mundo

ByteDance é considerada a startup com o maior valor de mercado do mundo – são US$ 75 bilhões; estratégia se divide em diversas frentes, incluindo um app que ganha cada vez mais força entre jovens nascidos em meados dos anos 90 para cá

guerra comercial não para

Trump ameaça usar autoridade de emergência contra a China

Anúncio chinês de elevar as tarifas sobre US$ 75 bilhões em importações norte-americanas deixou o presidente dos EUA enfurecido

analisando a conjuntura

Recuperação esperada da economia global não aconteceu, diz presidente do Banco da Inglaterra

Mark Carney falou logo depois que o presidente Trump anunciou que estava endurecendo as tarifas sobre as importações chinesas

vem mais mudanças por aí?

Equipe econômica estuda atrelar remuneração da poupança à inflação

Após criar crédito imobiliário corrigido pelo IPCA, governo quer dissociar a rentabilidade da caderneta da Selic, para que a poupança acompanhe os indicadores usados nos empréstimos para a compra da casa própria

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements