Menu
2019-05-17T06:58:58+00:00
quem vai ficar com o coaf?

Bolsonaro diz esperar que Coaf continue com Moro, mas que ‘Congresso é soberano’

Na semana passada, a Câmara impôs uma derrota ao governo ao aprovar a retirada do Coaf da Justiça, devolvendo-o ao Ministério da Economia

17 de maio de 2019
6:58
16/05/2019 Almoço em Homenagem ao Senhor Presidente da Repúbli
O presidente afirmou esperar que o Congresso aprove a medida provisória da reforma administrativa sem alterações - Imagem: Marcos Corrêa/PR

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta quinta-feira, 16, esperar que o Congresso aprove a medida provisória da reforma administrativa sem alterações, inclusive, mantendo o Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) sob a tutela do ministério da Justiça. Ele disse, no entanto, respeitar a decisão do Parlamento caso os deputados decidam por manter as alterações que já foram impostas à medida.

"Se tiver (alterações), não só responsabilidade, como é um direito do Parlamento fazer isso aí. A gente espera que o Coaf continue na Justiça, a gente espera que nenhum novo ministério seja criado para evitar aumento de despesa. Agora, deixo bem claro que o Parlamento é soberano e o que foi feito lá nós respeitaremos", disse.

Na semana passada, a Câmara impôs uma derrota ao governo ao aprovar, na comissão mista que analisou a MP, a retirada do Coaf da Justiça, devolvendo-o ao Ministério da Economia. O Planalto também queria que os deputados votassem rapidamente a medida no plenário da Câmara, mas, sem conseguir articular direito, o governo viu a Casa adiar a votação.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Há um movimento entre os parlamentares para deixar que esta e outras medidas percam seu prazo de validade. A MP em questão tem vigência até 3 de junho. Se não for aprovada até lá, todas as fusões de pastas feitas até agora serão desmanchadas.

Bolsonaro também destacou que o governo depende "muito" da aprovação da reforma da Previdência, em tramitação na Câmara. "É uma oportunidade de ouro. Com ela, queremos mostrar para o mundo que temos responsabilidade", disse. O governo prevê que a proposta possa ter sua tramitação concluída no Congresso até o fim de julho. Bolsonaro fez o apelo durante a transmissão de uma live pela sua página no Facebook.

Bolsonaro volta a criticar manifestações contra cortes na Educação

Durante a gravação, ele voltou a criticar manifestantes que foram às ruas e disse que "não foi uma manifestação pela educação" e sim um ato "patrocinado por uma minoria de espertalhões usando a boa fé de alunos que querem uma educação melhor também para fazer um ato 'Lula livre'", afirmou.

Ele ainda ironizou a situação do ex-ministro José Dirceu, que teve nesta quinta-feira recurso rejeitado pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4). "Inclusive parabéns, José Dirceu, vai curtir umas férias em algum presídio federal por aí", disse.

Bolsonaro disse que as viagens ao exterior são para buscar "maneiras de mostrar para os investidores que podem ter confiança no Brasil". "Aquele fantasma que estava o tempo todo na nossa frente de uma possível Venezuela tendo em vista a questão ideológica vai deixar de existir", disse Bolsonaro.

Nesta quinta-feira, no Texas, o presidente teve encontros com empresários como o presidente da Exxon Mobil, Darren Woods. Participando também da live, o ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, afirmou que Woods "manifestou o interesse que a empresa tem de realizar grandes investimentos no Brasil" após mais de 8 anos e "tem perspectivas com os leilões que serão realizados".

Bolsonaro visitou Dallas em uma agenda articulada às pressas pelo governo brasileiro depois de o presidente cancelar a ida a Nova York, diante de críticas do prefeito da cidade. O presidente afirmou que o prefeito, Bill de Blasio, se comportou como um "garoto de centro acadêmico" e que ele visitou "o estado certo", que é o Texas. "Fomos muito bem recebidos em Dallas", disse. De Blasio disse que Bolsonaro era perigoso e preconceituoso. Bolsonaro disse que De Blasio afirmou que ele é "racista, homofóbico e fascista". "É pra dar risada, né?", completou Bolsonaro.

Decretos de armas

Bolsonaro voltou a defender a edição de dois decretos sobre armas, um que tratou de posse e outro que liberou o porte para algumas categorias. O presidente disse ainda que a quebra de monopólio possibilitará que as pessoas possam ter "armas decentes" e que gostaria que profissionais da área de segurança tivessem isenção do imposto de importação sobre armas de fogo.

"Estou aqui nos Estados Unidos e esta parte vai levar 30 dias para entrarem vigor. Caso fosse possível, eu ia comprar uma arma aqui nos Estados Unidos, pô. Talvez alguém da equipe também comprasse de forma legal, sem problema nenhum. Na próxima viagem vamos comprar uma arma. Inclusive para facilitar nossos homens e mulheres da leia ter uma arma decente junto consigo", disse.

Caixa vai devolver prédios em Brasília

O presidente da Caixa, Pedro Guimarães, também participou da transmissão do presidente. Ele anunciou que a Caixa irá devolver parte dos prédios que ocupa. Em Brasília, segundo ele, serão devolvidos dez prédios, dos 15 atuais, até o final do ano. Ele também disse que o programa Minha Casa Minha Vida continua. "Inclusive estamos terminando obras, começando outras", disse.

Bolsonaro também disse que, no passado, seu sentimento em relação ao banco "não era bom pela politização da cúpula da Caixa". Em resposta, Guimarães afirmou que substituiu cerca de 20% da cúpula do banco e disse que, "os que ficaram foi por merecimento".

O presidente também falou rapidamente, sem dar detalhes, que o governo pretende diminuir o prazo para o licenciamento das PCHs, sigla para Pequenas Centrais Hidrelétricas. Para ele, atualmente, demora-se quase dez anos para obter a autorização para a produção de energia com este tipo de geração.

Ao final da live, Bolsonaro conversou com a intérprete de libras que acompanhou a gravação. A brasileira Joice Porto, que mora em Dallas. O presidente a questionou sobre se ela voltaria para o Brasil, caso o País melhorasse. Joice respondeu positivamente.

Bolsonaro também a questionou sobre suas condições de trabalho no Estados Unidos. Joice afirmou que trabalha no campus de sua universidade e recebe por hora trabalhada. "Lá (no Brasil), se fala muito em direitos trabalhistas, aqui tem direito trabalhista? Muito, pouco ou alguns?", questionou. A intérprete, então, respondeu que existem "alguns". "Não vamos entrar em detalhe para evitar até que a imprensa, que está nos ouvindo, escreva coisas que não condizem com a realidade. É um país maravilhoso, tem muita coisa aqui que, se for possível, temos que copiar no Brasil", completou. O presidente disse ainda que alguns brasileiros cometem crimes no Brasil, mas não cometem nos Estados Unidos.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

Não está sendo fácil

Deu ruim pra Cielo! Empresa retira projeção de lucro e corta dividendos dos acionistas

Projeções de lucro entre R$ 2,3 bilhões e R$ 2,6 bilhões foram extintas, enquanto o percentual de distribuição de dividendos caiu para 30%

Só assim resolve!

Se não aprovar a Previdência, só chamando um ministro da Alquimia, diz Bolsonaro

Segundo presidente, mídia tenta criar atrito, mas casamento com Paulo Guedes segue mais forte que nunca. Ministério da Economia solta nota oficial

Seu Dinheiro na sua noite

Paisagem na janela

O mercado financeiro tem todo um linguajar próprio, com uma penca de termos em inglês. Alguns deles já foram “tropicalizados”, por assim dizer, e fazem parte do dia a dia de quem acompanha as negociações. É o caso do IPO, que é a sigla para oferta pública inicial (ou initial public offering), como é chamada […]

Tudo pelo teto de gastos

FMI diz que ajuste fiscal depende de idade mínima e redução de benefícios de servidores

Fundo afirma que uma reforma robusta e medidas adicionais na área fiscal são necessárias para colocar a dívida pública em trajetória sustentável

OUÇA O QUE BOMBOU NA SEMANA

Podcast: Natura e Avon no mesmo pote e o dia depois do ‘tsunami’

Semana foi marcada por negócio bilionário no segmento de beleza, briga pela Netshoes e novidades no front político.

Conquistando aliados

Entidades assinam manifesto pró-reforma da Previdência

Empresários alegam ter confiança na aprovação do texto e dizem que as mudanças são um primeiro passo para a retomada da confiança

Cenário de emprego misto

Caged aponta criação de 129 mil empregos formais em abril; serviços lideram vagas

Resultado divulgado pelo governo, em linha com as expectativas de mercado, foi o melhor para o mês desde 2013

Se quiser ir, vai

Ninguém é obrigado a ficar como ministro, diz Bolsonaro sobre fala de Guedes

Na linha defendida por seu ministro da Economia, presidente voltou a dizer que sem a reforma previdenciária “será o caos na economia”

Privatizações

“Brasil é locomotiva atolada no brejo, precisamos colocá-la sobre os trilhos”, diz Salim Mattar

O secretário responsável pelas privatizações do governo Bolsonaro afirmou mais uma vez que não conhece nenhuma estatal eficiente. “Se alguém encontrar me manda um WhatsApp.”

Mais casos de corrupção

Líder do governo Bolsonaro no Senado está entre os alvos da Lava Jato com bens bloqueados

Senador Fernando Bezerra Coelho é acusar de cometer desvios em negócios relacionados ao esquema de corrupção na Petrobras

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements