Menu
EXPECTATIVAS DO VAREJO

Black Friday deve movimentar R$ 3,27 bilhões

Se a previsão se confirmar, o aumento será de 2,2% em relação às vendas da mesma data no ano passado, já descontada a inflação.

20 de novembro de 2018
10:03
Black Friday - Imagem: Shutterstock

O comércio varejista deve movimentar R$ 3,27 bilhões em vendas durante as promoções da Black Friday deste ano, segundo dados da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC). Se a previsão se confirmar, o aumento será de 2,2% em relação às vendas da mesma data no ano passado, já descontada a inflação.

O mês de novembro para o varejo brasileiro, até 2010, era considerado fraco pelos varejistas. A partir da difusão da Black Friday, o mês que antecede o Natal passou a apresentar todos os anos, desde então, um pico de vendas, consolidando o "evento", que neste ano se dará na próxima sexta-feira, dia 23.

As promoções da data passaram a fazer diferença no varejo principalmente nos segmentos de eletroeletrônicos, utilidades domésticas, móveis, eletrodomésticos, livrarias e papelarias. Em 2010, o varejo movimentou R$ 1,88 bilhão na data. Nos anos seguintes, mais setores passaram a aderir a às promoções, ampliando as opções de desconto para os consumidores.

De acordo com o chefe da Divisão Econômica da CNC, Fabio Bentes, ainda falta engajamento das lojas de roupa. "A Black Friday vem ganhando volume ano a ano, porque alguns setores do varejo demoraram um pouco para embarcar nas promoções da data. As vendas cresceram mais naqueles segmentos em que o varejo eletrônico é um pouco mais forte. O varejo de vestuário até está online, mas é muito pulverizado", explicou.

Para Túlio Saraval, sócio diretor da Sorocred, empresa de cartões de crédito, o aumento no faturamento e nas vendas também se deve, em parte, à recuperação da confiança do consumidor. "O cliente precisa estar confiante de que não vai perder seu emprego, que sua situação está estabilizada ou melhorando. Em outubro, o Índice de Confiança do Consumidor (ICC) da Fundação Getulio Vargas avançou 4,0 pontos, o que aponta que o consumidor está mais confiante e esperançoso quanto aos próximos meses. Isso tem um impacto direto nas vendas", afirma Saraval.

Fique de olho

Para quem está querendo aproveitar as promoções, Ione Amorim, economista do Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec), diz que novembro já não é o melhor mês para garimpar preços. Segundo ela, a pesquisa feita hoje já está muito comprometida, pois nessa época os preços podem ter sido artificialmente elevados para simular descontos.

De acordo com a economista, para quem se planeja com antecedência de pelo menos três meses, a Black Friday pode ser uma boa oportunidade de negócios. Sem o monitoramento de preços prévios, no entanto, é difícil fazer bons negócios.

Ione Amorim acrescenta, ainda, que o efeito manada na hora das compras pode levar o consumidor ao sentimento de "estar perdendo alguma coisa", o que resulta em compras por impulso: "Muitas vezes a pessoa está comprando algo que ela não tem nenhuma necessidade, mas ela foi psicologicamente estimulada." As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
dia 51

Reconhecendo o erro

Bolsonaro entregou PEC da Previdência ao Congresso e disse que errou ao se contrário à reforma quando era deputado

Limite saudável

Para Arminio Fraga, qualquer economia menor do que a proposta por Bolsonaro sobre a Previdência é preocupante

Em declarações sobre o projeto apresentado hoje, o ex-presidente do BC destacou como positiva a economia prevista para os cofres públicos

Tem que manter isso aí

Guedes defende que negociações envolvendo a reforma respeitem a marca de R$ 1 trilhão de economia para o governo

Ministro alertou que, caso a Previdência seja desidratada a ponto de trazer uma economia menor que essa, o Brasil não conseguirá “escapar da armadilha”

Previdência

Com reforma apresentada, grande questão é qual será a diluição

Executivo enviou proposta abrangente com previsão de economia de R$ 1,1 trilhão. Mas quanto disso sobreviverá às negociações no Congresso?

Balanço

Acabou a faxina? Veja como os analistas reagiram a (mais um) prejuízo da Via Varejo

Ações da rede dona das Casas Bahia e Ponto Frio reagem em queda moderada ao prejuízo de R$ 279 milhões no quarto trimestre do ano passado. Projeções da empresa para este ano ajudam a sustentar algum otimismo

DE OLHO NO GRÁFICO

Aprenda a usar os gráficos

Coluna traz vídeos sobre análise gráfica e dicas de investimentos. Terças e quartas o tema é o mercado de ações. Quinta-feira é a vez das criptomoedas

Repercussão do projeto

Como a classe política reagiu à proposta de reforma da Previdência entregue por Bolsonaro

Enquanto a oposição fez barulho e emplacou uma hashtag no Twitter contra a reforma, líderes do Congresso já citam pequenas mudanças no projeto

O escolhido de Bolsonaro

Novo líder do governo no Senado é alvo de 5 inquéritos judiciais

Entre as acusações, Fernando Bezerra é suspeito de ter de recebido R$ 2 milhões de empreiteiras por obras no Porto de Suape, em Pernambuco

Reforma da Previdência

Líder do MDB diz que reforma será aprovada até 15 de julho

Proposta da reforma da Previdência foi entregue nesta quarta-feira (20/2) aos deputados. O texto precisa de 308 votos para ser aprovado

Fluxo cambial

Dólares continuam entrando no mercado brasileiro

Dados do Banco Central mostram que, depois dos US$ 55 milhões em entradas líquidas em janeiro, o País registra fluxo positivo de US$ 6,626 bilhões até 15 de fevereiro

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu