Menu
2019-06-27T12:34:22+00:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Olho no Spread

Banco Central cria departamento para ampliar competição no mercado financeiro

Ideia é estimular a concorrência entre os bancos e se preparar para o sistema financeiro do futuro

27 de junho de 2019
10:11 - atualizado às 12:34
Bancos - Itaú - Santander - Bradesco - Banco do Brasil
Imagem: Montagem Andrei Morais / Estadão Conteúdo / Shutterstock

O diretor de Política Monetária do Banco Central, Bruno Serra Fernandes, explicou que embora o estímulo à concorrência no sistema financeiro financeiro já fosse objetivo do BC, a instituição entendeu ser oportuna a criação de um Departamento de Competição e de Estrutura do Mercado Financeiro (Decem).

O BC vem defendendo que mais importante que reduzir a concentração no mercado brasileiro (os cinco bancos e 200 milhões de patos), a queda dos spreads bancários (diferença entre o custo do dinheiro para os bancos e para o tomador final) passa pelo aumento da competição.

O Decem será subordinado ao diretor de Organização do Sistema Financeiro e de Resolução, João Manoel Pinho de Mello. A fala de Bruno Serra aconteceu em evento em São Paulo e seu discurso foi divulgado no site do BC.

Segundo o diretor, em um cenário de crescimento das fintechs, de implementação do open banking e dos pagamentos instantâneos, o BC tem de observar os movimentos do mercado e se preparar para organizar “o sistema financeiro do futuro”.

A ideia é que o novo departamento permita ao BC ter postura mais proativa no tratamento de questões referentes à organização do sistema financeiro e do sistema de pagamentos.

“Não vamos parar por aí. Seguiremos buscando o desenvolvimento de ações de caráter microeconômico, com o objetivo de incentivar o crescimento do mercado de capitais e promover a democratização financeira”, disse.

Segundo o diretor, os projetos de pagamentos instantâneos e open banking apresentam alto potencial de acelerar a dinâmica concorrencial na prestação de serviços financeiros.

“O primeiro entrega ao usuário final o controle da realização de seus pagamentos de forma complementar, e em vários aspectos, mais eficiente que os instrumentos de pagamento atualmente disponíveis. O segundo disponibiliza ao usuário suas próprias informações, para melhor uso em busca das condições mais favoráveis na contratação de serviços financeiros”, explicou.

Mercado de Capitais

Segundo o diretor também é preciso incentivar a concorrência no mercado de capitais. Nesse tema, ele lembrou de iniciativa conjunta com o Ministério da Economia, CVM e Susep, composta de diversas ações.

A ideia é buscar a redução do custo e a desburocratização para abertura de contas de custódia para não-residentes, aumentando a base de investidores internacionais.

Também estão contemplada a evolução do arcabouço legal e operacional para produtos de home equity, que segundo Serra, “tem o potencial de desimobilizar um volume enorme de riqueza da população”.

Por fim, também será estimulada a securitização e o mercado de títulos privados e de operações de crédito.

“Faremos com que avanços observados recentemente nos mercados de capitais atinjam também as pequenas e médias empresas”, disse.

Outro ponto citado pelo diretor é a busca por melhora na eficiência de mercado. Com base em diálogos com os participantes de mercado, e principalmente os dealers do BC, Serra falou que a instituição já começou a adotar uma série de medidas de caráter mais operacional com vistas a aprimorar a efetividade e a reduzir os custos e as fricções, que podem advir das intervenções do BC nos mercados monetário e cambial.

Ainda de acordo com o diretor, o aprimoramento operacional das linhas de assistência financeira de liquidez, usando instrumentos mais modernos e com maior facilidade de acesso por parte dos agentes, “pode ainda colaborar para reduzir a necessidade de manutenção do atual nível de compulsórios como instrumento macroprudencial”.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Cooperativas

Serra também falou que o aperfeiçoamento do sistema cooperativo também permitirá o aumento da concorrência, contribuindo também para a inclusão dos atualmente desatendidos.

Entre os aprimoramentos que estão sendo estudados estão a permissão de empréstimo sindicalizado; a criação de Depósito Interfinanceiro Cooperativo, como funding entre cooperativas; e a modernização do conceito de área de admissão.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

Débito e crédito

Luiz Frias: o empresário da mídia que virou bilionário com as maquininhas

Conheça o herdeiro da Folha de S.Paulo e entusiasta da internet que revolucionou mercado de meios de pagamentos no Brasil com a PagSeguro

Ações para uma vida

Conheça os 5 maiores investimentos da carteira do bilionário Warren Buffett

Em junho deste ano, a holding de Warren Buffett detinha na carteira ações de 47 companhias. Mas cinco delas representavam 69% do total em valor de mercado. Confira quais são as queridinhas do “oráculo de Omaha”

QUER GANHAR DINHEIRO?

5 estratégias para lucrar na bolsa olhando apenas os gráficos

Quem souber interpretar esses movimentos pode ter insights valiosos sobre a tendência de preços.

Impasse sem fim

Hoje não? Hoje sim. Parlamento britânico volta a adiar votação sobre acordo do Brexit

Foi um duro golpe para primeiro-ministro Boris Johnson, que poderá se ver obrigado a pedir à União Europeia o adiamento da saída do Reino Unido

Sócios na bolsa

Banco do Brasil atrai mais de R$ 7 bilhões em recursos de pessoas físicas em oferta de ações

Uma parcela de 30% da emissão do Banco do Brasil foi destinada ao varejo, embora a demanda fosse suficiente para cobrir o total da oferta, de R$ 5,8 bilhões

O melhor do Seu Dinheiro

MAIS LIDAS: Um novo modelo para o concurso público

Durante um bom tempo, se você digitasse “Banco do Brasil” no Google, a primeira palavra sugerida para a busca seria “concurso”. Ainda hoje o termo aparece bem à frente nas pesquisas do site do que “investimentos”, por exemplo. A estabilidade de uma carreira no serviço público continua sendo a aspiração de muita gente, ainda mais […]

Governança corporativa

Após vender Via Varejo, GPA dá novo passo para migrar ações ao Novo Mercado da B3

Pão de Açúcar publicou o primeiro aviso da oferta pública de aquisição (OPA) da Almacenes Éxito, que possui ações listadas na Colômbia, dentro da reestruturação das operações do grupo francês Casino na América Latina

Maquininhas de cartão

Luz verde! UBS inicia cobertura de ações da Stone com recomendação de compra

O preço-alvo para as ações da Stone, que são negociadas na Nasdaq, foi definido em US$ 42, o que representa um potencial de alta da ordem de 23%

Briga política

Bolsonaro quer processar deputado que o chamou de ‘vagabundo’

Em áudio vazado de uma reunião interna da legenda, o líder do PSL na Câmara, Delegado Waldir, também disse que vai “implodir” o presidente Jair Bolsonaro

Smartphone

Com iPhone 11 mais barato, Apple volta a atrair fila de lançamento

Preços do iPhone 11 ainda são salgados e variam entre R$ 5 mil e R$ 9,6 mil, mas estão um pouco abaixo de 2018, quando a Apple lançou o modelo XR por pelo menos R$ 5,2 mil

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements