Menu
2019-08-01T17:43:13+00:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
No positivo, de novo

Balança comercial tem superávit de US$ 2,293 bilhões em julho

Resultado ficou abaixo do intervalo das estimativas do mercado, que iam de superávit de US$ 2,8 bilhões a US$ 5,7 bilhões

1 de agosto de 2019
16:04 - atualizado às 17:43
porto-santos
Imagem: Shutterstock

A balança comercial brasileira registrou superávit de US$ 2,293 bilhões em julho, de acordo com os dados divulgados pelo Ministério da Economia. Esse foi o menor saldo para o mês desde 2014.

O resultado ficou abaixo do intervalo das estimativas coletadas em pesquisa do Projeções Broadcast, que iam de superávit de US$ 2,8 bilhões a US$ 5,7 bilhões. A mediana das 24 projeções era positiva em US$ 3,408 bilhões.

O saldo foi 40,8% menor do que o registrado em julho do ano passado, quando a balança comercial teve saldo positivo de US$ 3,874 bilhões. Na quarta semana de julho (22 a 28), o saldo comercial foi de um superávit de US$ 222 milhões. Na quinta semana do mês (29 a 31), o saldo foi negativo em US$ 5 milhões.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

No mês passado, as exportações somaram US$ 20,054 bilhões, uma queda de 14,8% ante julho de 2018, considerando a média diária de embarques. Já as importações chegaram a US$ 17,761 bilhões, uma baixa de 8,9% na mesma comparação.

Na comparação com julho do ano passado, houve redução nas vendas de produtos básicos (-16,7%), manufaturados (-12,3%) e semimanufaturados (-4,6%).

Pelo lado das importações, houve alta em combustíveis e lubrificantes (+22,0%), bens intermediários (+4,9%) e bens de consumo (+1,0%). Já as compras de bens de capital recuaram 53,0% na comparação com o mesmo mês de 2018.

No acumulado do ano até julho, a balança comercial registra um superávit de US$ 28,369 bilhões, decorrente de US$ 129,896 bilhões em exportações e US$ 101,527 bilhões em importações. No mesmo período de 2018, o superávit comercial brasileiro havia sido US$ 33,891 bilhões.

Nivelando por cima

O subsecretário de inteligência e estatísticas de comércio exterior do Ministério da Economia, Herlon Brandão, comentou que a redução do superávit comercial em julho se deve à base de comparação alta no mesmo mês do ano passado.

"Houve uma exportação de US$ 1,2 bilhão em uma plataforma de petróleo em junho do ano passado. Também houve redução expressiva nos embarques de soja (-24,6%) e petróleo (-61,2%) no mês passado, tanto em volume quanto em preço. No caso do petróleo, devido à desaceleração da economia mundial e, no caso da soja, devido aos problemas da China com a criação de suínos, o que reduz a demanda do grão", explicou.

Brandão também comentou que as exportações de produtos manufaturados brasileiros têm sofrido com a queda da renda externa. Segundo ele, esses produtos são mais sensíveis à desaceleração da economia global do que os bens básicos, como alimentos.

As vendas de aviões, por exemplo, caíram 16,3% no acumulado de janeiro a julho desde ano. Os embarques de automóveis de passageiros caíram 32,3% e as exportações de veículos de carga recuaram 42,4% ante o mesmo período do ano passado. "Temos o efeito da crise Argentina, com queda do PIB pelo segundo ano consecutivo, o que afeta as vendas brasileiras de automóveis", avaliou.

Dentre os produtos semimanufaturados, destaca-se a queda de 20,1% nas vendas de açúcar no acumulado do ano. "Nesse caso, a redução ocorre devido ao grande volume de estoques no mercado internacional", explicou.

*Com Estadão Conteúdo.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

atenção

Confiança do consumidor sobe em agosto, mas ainda há cautela, diz FGV

Índice de Confiança do Consumidor subiu 1,1 ponto no mês em comparação a julho, chegando a 89,2 pontos

segue a tensão

China promete novamente contramedidas em reação a tarifas dos EUA

Segundo o porta-voz, apesar da decisão do presidente americano, Donald Trump, de adiar algumas das cobranças, as tarifas violaram um consenso entre as potências

Títulos públicos

Veja os preços e as taxas do Tesouro Direto nesta quinta-feira

Confira os preços e taxas de todos os títulos públicos disponíveis para compra e resgate

Prudência

Cautela no exterior faz Ibovespa operar em queda; dólar sobe a R$ 4,05

O Ibovespa aparece no campo negativo e volta ao patamar dos 100 mil pontos, pressionado pelo tom de maior precaução que toma conta dos ativos globais

Câmbio

BC vende US$ 550 milhões em leilão à vista de dólar

Com venda integral do lote ofertado, não teremos, hoje, o leilão de swap tradicional. Mercado trocou swap por dólar de verdade

no documento

BCE discutiu pacote de estímulos monetários em reunião de julho, mostra ata

Banco Central Europeu também considerou examinar formas de fortalecer sua orientação futura (“forward guidance”) paras os juros

tudo que vai mexer com seu dinheiro hoje

Bienvenido ao paraíso dos especuladores

Enquanto (quase todos) os bancos centrais do mundo reduzem os juros, há uma taxa em escalada aqui do lado. A Argentina subiu seu juro para 74% ao ano diante do pânico dos investidores com a vitória da esquerda nas eleições primárias no início do mês. Poxa, 74% ao ano na renda fixa é uma bolada, […]

será que vai?

Guedes não mostrou proposta de privatização da Petrobras, diz Bolsonaro

Ontem, reportagem disse que o governo quer concluir a venda da estatal até 2022; as ações da Petrobras dispararam

mais um que passou

Câmara aprova projeto que permite posse de arma em toda a propriedade rural

Projeto segue para Bolsonaro sancionar ou vetar; regra atual diz que posse só é permitida na sede da propriedade

Bolsa

Ação da Telebras dispara com privatização no radar, mas não deveria

Com a alta de mais de 60% ontem na bolsa, o valor de mercado da Telebras na bolsa passou para mais de R$ 1,9 bilhão, mas os resultados da estatal nem de longe justificam toda essa euforia. E os minoritários ainda correm o risco de diluição

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements