Menu
2019-07-08T11:20:58-03:00
entrevista Paulo Colaferro

‘A partir de agora, é preciso correr mais risco para ter maior retorno’

Mudança de patamar na taxa básica de juros provoca migração de ativos, diz Paulo Colaferro, vice-presidente da Planejar

8 de julho de 2019
11:20
bols
Imagem: Shutterstock

Analistas do mercado financeiro preveem que a Selic, taxa básica de juros do País, vai terminar 2019 abaixo dos 6% ao ano - há três anos, estava em 14,25%. Uma mudança desse tipo, não importa em qual país, provoca uma migração de ativos, diz Paulo Colaferro, vice-presidente da Associação Brasileira de Planejadores Financeiros (Planejar).

A partir de agora, para ver o patrimônio crescer sem correr risco, só gastando menos do que ganha, afirma. "Daqui para a frente, se exige mais inteligência e mais especialização para ter retornos interessantes." Leia os principais trechos da entrevista.

O que muda no planejamento do investimento com juros básicos menores?

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Quanto menor a taxa de juros, mais se vai exigir técnicas para montar uma alocação. É preciso sofisticar, no sentido de cada vez mais ir para a economia real: ter mais renda variável, ir a fundos com autonomia maior, como os multimercados, olhar para private equity (investimento em empresas fechadas), crédito privado. Isso acontece em qualquer economia. No Japão, se você colocar um juro real bom e sem volatilidade, com o risco do Tesouro japonês, todo mundo tira o dinheiro da Bolsa e vai investir nele. Nos EUA, se você pegar os períodos em que a taxa de juros era de 7%, a maioria dos portfólios estava pouco diversificada. Daqui para a frente se exige mais inteligência, mais qualificação, mais especialização para ter retornos interessantes. O mais importante para o investidor é segurar a ansiedade e entender qual a classe de ativos em que ele vai investir, como funciona, qual a volatilidade histórica. É importante que se perceba que risco e retorno são proporcionais: se posso ganhar muito, também posso perder muito. A grande dificuldade, uma vez que se monta uma estratégia, é se manter nela nos momentos de volatilidade.

É possível fazer o planejamento por conta própria?

Se não contar com um gestor profissional, é melhor ficar o mais conservador possível. A pessoa pode ser muito conservadora e ter sucesso financeiro e patrimonial. Se gastar muito menos do que ganha, pode ter sucesso. E isso depende de três pilares: quanto consumo da renda gerada - se sou consumidor de renda ou gerador de poupança; quanto pago de imposto; e quanto o investimento rende. Se quer fazer uma coisa simples, não quer pensar nem contratar ninguém, tudo bem, não consuma seu rendimento nunca e tenha muito tempo para formar poupança. A maioria das pessoas passa a maior parte do tempo olhando quanto o dinheiro rende, algum tempo quanto paga de imposto e nenhum tempo para quanto está guardando ou consumindo do patrimônio.

Quais são os obstáculos na migração para ativos mais voláteis?

O caminho mais seguro seria buscar uma formação para entender economia e os canais de investimento. Hoje há inúmeros cursos online gratuitos, mas o problema é que as pessoas têm muita ansiedade, vão pegar um tutorial do tipo 'Fique rico em 24h'. Querer colher os resultados muito depressa não se sustenta no longo prazo.

Ainda é preciso se proteger de uma possível volta da inflação?

É sempre importante, a conta do ganho real tem sempre de ser feita. Parece que devemos ter um longo período de inflação baixa. Mas quanto menor a inflação, menor é a taxa de juros, por isso, é importante acompanhar qual o juro real das aplicações.

É possível fazer um bom planejamento sem renda variável?

É pouco provável que você tenha retornos satisfatórios sem renda variável no portfólio. As pessoas me perguntam há 30 anos onde podem colocar o dinheiro sem precisar se preocupar. Sempre respondo: 'Não sei, se você descobrir me fala que quero colocar meu dinheiro lá também'. Isso não existe, no Brasil, nos EUA, na Suíça, seja onde for.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

A terceira onda. Um novo milagre econômico vem por aí?

Tudo indica que um novo bull market das commodities esteja começando. E, como das outras vezes, isso será extremamente benéfico para o Brasil

Oxford Economics eleva previsão de crescimento do PIB do Brasil em 2020 para 2%

Casa avalia que as recentes tarifas sobre o aço e alumínio brasileiro não devem atrapalhar a recuperação da atividade, que vem ganhando fôlego

Marfrig confirma oferta subsequente de ações que pode somar R$ 3,3 bi

A oferta será primária e inclui um lote secundário, para a venda de ações detidas pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Social (BNDES)

BLACK WEEK

MAIS LIDAS: Quem bombou na Black Friday?

Meus vizinhos se empolgaram na Black Friday. E não foram só eles: os números do varejo mostram um crescimento considerável na edição deste ano

Ex-presidente da Bayer no Brasil cria startup de cannabis

Em voo solo, há quase um ano e meio, empresário prepara-se para voltar ao setor, desta vez em um segmento em franco crescimento

Calças curtas

Por que o bilionário Elon Musk tem “pouco” dinheiro

A maior parte do patrimônio do bilionário sul-africano está colocada nos mesmos cavalos. Entenda

E o ano nem acabou!

Fundos imobiliários e ações já têm captação recorde em 2019

Volumes captados por fundos imobiliários e ofertas de ações até novembro deste ano já são os maiores das suas séries históricas, segundo dados da Anbima

DE OLHO NA CARNE

Ministério da Agricultura diz que preço da carne caiu 9% desde início do mês

A ministra Tereza Cristina ressaltou que o preço da proteína está se ajustando e que deve se estabilizar

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

A segunda vida da bolsa

Entre as muitas histórias geniais de Machado de Assis, uma das minhas favoritas é um conto chamado “A Segunda Vida”, sobre um homem que diz ter morrido e voltado para uma nova existência aqui na Terra. O escritor se vale de uma premissa que parece sobrenatural para tratar de um tema bem próximo de todos […]

MARCO DO SANEAMENTO

Para BNDES, não faltam recursos para o Brasil investir no setor de saneamento

Montezano afirmou que o novo marco regulatório do saneamento, que está tramitando no Congresso, vai abrir uma nova fase no banco

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements