Menu
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Mercados

B3 fecha acordo milionário com o Cade para fugir de investigação

Empresa terá que pagar R$ 9,4 milhões para encerrar um processo que teve início em 2016

3 de outubro de 2018
20:06 - atualizado às 20:20
Proposta de acordo foi apresentada pela própria B3 em fevereiro deste ano - Imagem: Shutterstock

A onda de acordos com o Cade para evitar investigações está virando moda no mundo corporativo. Depois de Bradesco, Cielo e Banco do Brasil aceitarem o pagamento de R$ 33,8 milhões pelo fim de um processo na semana passada, agora foi a vez da B3 selar um acordo com o conselho.

A empresa terá que pagar R$ 9,4 milhões para encerrar uma investigação que teve início em 2016 e apurava se ela estaria fechando o mercado e impedindo a entrada de concorrentes em operações de compensação, liquidação e depósito de títulos mobiliários.

Na prática, a B3 teria se negado a oferecer serviços para possíveis concorrentes e praticava uma espécie de "subsídio cruzado", cobrando valores artificialmente baixos em mercados em que existiam concorrentes e outros mais altos onde não havia competição.

A proposta de acordo foi apresentada pela própria B3 em fevereiro deste ano e foi aprovada nesta quarta-feira, 3, pelo plenário do Cade. Dois conselheiros foram contra o acordo por entenderem que o valor pago é baixo, mas outros cinco foram favoráveis.

Entenda o caso

A denúncia contra a B3 foi feita pela ATS, que tenta entrar no mercado de bolsa de valores do Brasil desde 2013, mas vem encontrando barreiras. Além dos preços, a empresa alegou que a bolsa impedia o acesso às fontes de equipamentos ou tecnologia e canais de distribuição e recusava permitir que a ATS contratasse serviços oferecidos pela B3.

O pedido de abertura de inquérito ocorreu um dia antes de os conselhos da bolsa e Cetip aprovarem a fusão das empresas, que foi aprovada pelo Cade em março deste ano com restrições, entre elas a obrigação de não discriminar possíveis concorrentes, Depois disso, a ATS iniciou uma nova negociação com a B3. As empresas não entraram em consenso e a ATS abriu uma ação arbitral contra a B3, que ainda está em curso.

Ao Cade, a ATS acusou a B3 de adotar "comportamentos típicos de agente monopolista que visa a preservar ou manter seu portfólio". "As efetivas tentativas para obtenção de acesso aos serviços de depósito centralizado junto à BM&FBovespa se iniciaram em dezembro de 2014 e se prolongaram por dez meses, restando, contudo, infrutíferas", afirmou a companhia.

Em comunicado ao mercado, a B3 informou que assumiu compromissos relacionados às condições de acesso de outras "Infraestruturas de Mercado Financeiro" a serviços prestados pela bolsa e que a aprovação do acordo pelo Cade não implica "qualquer reconhecimento de culpa ou ilicitude relacionadas às supostas condutas investigadas".

*Com Estadão Conteúdo.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também

Quem é a Pi

Somos uma plataforma aberta de investimentos formada por um time com pessoas de diferentes perfis, unidos por um único propósito: ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente. #Simples, porque temos uma loja de investimentos 100% digital a sua disposição mesmo antes de você abrir a conta; #Seguro […]

Tem que mudar isso aí!

Líderes de 13 partidos divulgam documento de apoio à Previdência, mas sem BPC e aposentadoria rural

Partidos que, juntos, somam 291 deputados também querem barrar proposta que retira da Constituição algumas regras para concessão e cálculo de benefícios

Olha a bomba!

Líderes de partidos na Câmara concordam em votar PEC que aumenta o poder do Congresso sobre o Orçamento

Projeto de 2015 foi ressuscitado pelos deputados em meio à crise política com o governo e pode ir a plenário já nesta terça-feira

Turma preocupada

Governadores alertam Guedes sobre a condução da reforma da Previdência

Líderes estaduais afirmam que a reforma da Previdência é uma condição de sobrevivência para União, Estados e municípios

Foi por pouco!

Ausente da CCJ, Guedes apanha, mas não será convocado

Ministro da Economia cancelou participação em audiência pública e virou alvo da oposição, mas deputados fecharam acordo para que Guedes compareça à comissão na quarta-feira da próxima semana como convidado

Agora vai?

Empresário deve assumir a comunicação do governo Bolsonaro

Mudança ocorre em meio ás críticas de que a comunicação do Planalto não “desenrolou” e que “já é abril e nada avançou”

DE OLHO NO GRÁFICO

Bull trap no ibovespa e S&P – Proteja-se

Coluna traz vídeos sobre análise gráfica e dicas de investimentos. Terças e quartas o tema é o mercado de ações. Quinta-feira é a vez das criptomoedas

Negócio de gigante

Uber compra Careem, sua rival no Oriente Médio, por US$ 3,1 bilhões

Negócio vai permitir que a Uber amplie sua influência na grande região que vai do Marrocos ao Paquistão

Tá feia a coisa

Avianca faz audiência para devolver aeronaves após eliminar rotas e fechar bases operacionais

Empresa justifica que as mudanças fazem parte de um processo de readequação das operações e redução da frota

De bem com o governo?

Maia volta ao time defensor da Previdência e se diz “preocupado com o Brasil sem reforma”

Presidente da Câmara defendeu o ministro Paulo Guedes após ele ter cancelado a participação na Comissão de Constituição e Justiça

Debate da reforma da Previdência

Oposição começa a recolher assinaturas para obrigar Paulo Guedes a comparecer à CCJ da Câmara

Iniciativa para convocar o ministro da Economia acontece após ele ter dar um “bolo” na comissão nesta terça-feira

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu