Menu
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Banco Central

Atividade surpreende novamente e sugere terceiro trimestre positivo

Indicador do Banco Central (BC) sobe 0,47% em agosto e acumula alta de 1,5% em 12 meses

17 de outubro de 2018
9:39
Fachada do Banco Central do Brasil - Imagem: Arnaldo Jr./Shutterstock

Pelo segundo mês consecutivo a atividade surpreende para cima na métrica do Banco Central (BC). O Índice de Atividade Econômica (IBC-Br) apresentou alta de 0,47% em agosto, vindo de variação positiva de 0,65% em julho (dado revisado de 0,57%).

A leitura mensal ficou acima da mediana de 0,25% da “Broadcast Projeções”, que oscilava entre queda de 0,10% e avanço de 0,90%. No ano, o indicador acumula alta de 1,28%. E medido em 12 meses, que capta melhor a tendência em função das revisões constantes, a variação é positiva em 1,50%.

Fazendo um breve exercício de projeção, a economia caminha para um terceiro trimestre com crescimento na casa de 2% sobre o trimestre anterior, quando teve queda de 0,84%, considerando aqui estabilidade do IBC-Br para o mês de setembro.

Essa surpresa positiva, no entanto, não tem força para mudar a visão do Banco Central (BC) com relação ao nível de ociosidade da economia, que faz parte do balanço de riscos para a inflação.

Por ora, a avaliação é de que o Comitê de Política Monetária (Copom) tem condições de manter a Selic estável na reunião de 31 de outubro em 6,5% ao ano em função da recente desvalorização do dólar, que reduz a pressão sobre as projeções e expectativas de inflação em 2019.

Por outro lado, uma confirmação dessa reação da atividade pode vir a pesar na tomada de decisão do Copom nas demais reuniões. Por isso não se descarta que o BC possa começar a retirar estímulo monetário em 2019.

Há uma diferença entre reduzir a quantidade de estímulo e mudar a instância da política monetária, que segue e deverá continuar estimulativa, ou seja, com taxa abaixo da considerada neutra (taxa neutra é aquela que não tira nem dá estímulo).

A questão envolvendo o “nível de ociosidade” tem pelos menos dois impactos sobre a tomada de decisão do BC. Primeiro, atividade fraca não representa ameaça para a inflação. Segundo, atividade fraca reduz a capacidade de transmissão da alta do dólar para o restante dos preços da economia.

Mas a queda do dólar, que saiu de R$ 4,20 para linha de R$ 3,70, ainda não chegou aos índices de inflação. Sinal claro disso veio nesta manhã com a divulgação do Índice Geral de Preços – 10 (IGP-10). O indicador subiu 1,43% em outubro após aumento de 1,2% em setembro, segundo a Fundação Getulio Vargas (FGV). A mediana da “Broadcast Projeções” era de 1,46%, com intervalo de 0,99% a 1,83%.

Para 2018, o BC trabalha com um crescimento do PIB de 1,4%. A mediana do Focus aponta variação positiva de 1,34%. Para 2019 a previsão do BC é de 2,4% e a do mercado está em 2,5%.

Não é o PIB do BC

Mesmo conhecido como PIB do BC, o IBC-Br tem metodologia de cálculo diferente das contas nacionais calculadas pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Em box no Relatório de Inflação (RI), o BC explicou que IBC-Br e PIB são indicadores agregados de atividade econômica com trajetórias similares no médio prazo. Mas há características que os diferenciam tanto do ponto de vista conceitual quanto metodológico.

O IBC-Br, de frequência mensal, permite acompanhamento mais tempestivo do comportamento da atividade econômica, enquanto o PIB, de frequência trimestral, descreve quadro mais abrangente da economia. Além disso, o BC alerta que o processo de dessazonalização pode ampliar diferenças pontuais entre os dois indicadores, o que demanda cautela em comparações nos horizontes mais curtos. No entanto, essas diferenças tendem a se compensar ao longo do tempo, favorecendo as comparações em horizontes mais longos, como o anual.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
Dia 17

Buona Sera, Queiroz

Presidente dá entrevista à emissora italiana e STF entra no caso Queiroz

Governo brasileiro no Fórum Econômico Mundial

O que dirá Paulo Guedes em Davos?

Ideia é atualizar as perspectivas com relação ao futuro do Brasil, transmitindo a imagem de uma democracia vibrante e que funciona bem

Estatal vai recorrer

Petrobras tem revés no Carf e pode pagar até R$ 1,5 bilhão em processo

Petroleira informou que aguarda a intimação oficial na via administrativa e que pretende recorrer da decisão

Meios de pagamento

Em negócio bilionário de fintechs, Fiserv compra First Data por US$ 22 bilhões

A união fortalece as companhias na disputa contra os novos competidores nesse mercado. First Data é dona da marca Bin de maquininhas de cartão no Brasil

Longo prazo

Enel vende por R$ 2,9 bilhões usinas renováveis à CGNEI, da China

Valor total da transação entre as companhias foi US$ 700 milhões (cerca de R$ 2,9 bilhões); as três usinas possuem contratos de venda de energia de longo prazo (PPAs) em vigor

Ex-motorista de Flávio Bolsonaro

STF suspende investigação sobre movimentações financeiras de Queiroz

Ex-motorista do senador eleito, Queiroz é investigado por transações atípicas

câmbio

O que o mercado futuro nos diz sobre o dólar?

Cotação da moeda americana, que fez mínimas a R$ 3,68 na semana passada, volta a mirar os R$ 3,80

Passo a passo

10 regras de bolso para quem quer investir sem ter trabalho

Não quer se tornar um ás dos investimentos? Tem preguiça? Não tem tempo para se dedicar? Seus problemas acabaram! Siga essas dicas para investir no modo “easy”

Vídeo

Desaceleração da China: por que o que acontece do outro lado do mundo importa para o investidor

Por que as bolsas ao redor do mundo são afetadas pelas perspectivas para a economia chinesa? E como os investimentos dos brasileiros são afetados pelo que acontece no gigante asiático? Entenda por que você também deveria ficar sempre de olho na China

Exile on Wall Street

Cinco passos para a real educação financeira

O mercado financeiro pertence aos praticantes: as pessoas aprendem e se educam a partir da prática; o conhecimento precisa emanar da prática para a teoria. E não o contrário.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu