Menu
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Banco Central

Atividade surpreende novamente e sugere terceiro trimestre positivo

Indicador do Banco Central (BC) sobe 0,47% em agosto e acumula alta de 1,5% em 12 meses

17 de outubro de 2018
9:39
Fachada do Banco Central do Brasil - Imagem: Arnaldo Jr./Shutterstock

Pelo segundo mês consecutivo a atividade surpreende para cima na métrica do Banco Central (BC). O Índice de Atividade Econômica (IBC-Br) apresentou alta de 0,47% em agosto, vindo de variação positiva de 0,65% em julho (dado revisado de 0,57%).

A leitura mensal ficou acima da mediana de 0,25% da “Broadcast Projeções”, que oscilava entre queda de 0,10% e avanço de 0,90%. No ano, o indicador acumula alta de 1,28%. E medido em 12 meses, que capta melhor a tendência em função das revisões constantes, a variação é positiva em 1,50%.

Fazendo um breve exercício de projeção, a economia caminha para um terceiro trimestre com crescimento na casa de 2% sobre o trimestre anterior, quando teve queda de 0,84%, considerando aqui estabilidade do IBC-Br para o mês de setembro.

Essa surpresa positiva, no entanto, não tem força para mudar a visão do Banco Central (BC) com relação ao nível de ociosidade da economia, que faz parte do balanço de riscos para a inflação.

Por ora, a avaliação é de que o Comitê de Política Monetária (Copom) tem condições de manter a Selic estável na reunião de 31 de outubro em 6,5% ao ano em função da recente desvalorização do dólar, que reduz a pressão sobre as projeções e expectativas de inflação em 2019.

Por outro lado, uma confirmação dessa reação da atividade pode vir a pesar na tomada de decisão do Copom nas demais reuniões. Por isso não se descarta que o BC possa começar a retirar estímulo monetário em 2019.

Há uma diferença entre reduzir a quantidade de estímulo e mudar a instância da política monetária, que segue e deverá continuar estimulativa, ou seja, com taxa abaixo da considerada neutra (taxa neutra é aquela que não tira nem dá estímulo).

A questão envolvendo o “nível de ociosidade” tem pelos menos dois impactos sobre a tomada de decisão do BC. Primeiro, atividade fraca não representa ameaça para a inflação. Segundo, atividade fraca reduz a capacidade de transmissão da alta do dólar para o restante dos preços da economia.

Mas a queda do dólar, que saiu de R$ 4,20 para linha de R$ 3,70, ainda não chegou aos índices de inflação. Sinal claro disso veio nesta manhã com a divulgação do Índice Geral de Preços – 10 (IGP-10). O indicador subiu 1,43% em outubro após aumento de 1,2% em setembro, segundo a Fundação Getulio Vargas (FGV). A mediana da “Broadcast Projeções” era de 1,46%, com intervalo de 0,99% a 1,83%.

Para 2018, o BC trabalha com um crescimento do PIB de 1,4%. A mediana do Focus aponta variação positiva de 1,34%. Para 2019 a previsão do BC é de 2,4% e a do mercado está em 2,5%.

Não é o PIB do BC

Mesmo conhecido como PIB do BC, o IBC-Br tem metodologia de cálculo diferente das contas nacionais calculadas pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Em box no Relatório de Inflação (RI), o BC explicou que IBC-Br e PIB são indicadores agregados de atividade econômica com trajetórias similares no médio prazo. Mas há características que os diferenciam tanto do ponto de vista conceitual quanto metodológico.

O IBC-Br, de frequência mensal, permite acompanhamento mais tempestivo do comportamento da atividade econômica, enquanto o PIB, de frequência trimestral, descreve quadro mais abrangente da economia. Além disso, o BC alerta que o processo de dessazonalização pode ampliar diferenças pontuais entre os dois indicadores, o que demanda cautela em comparações nos horizontes mais curtos. No entanto, essas diferenças tendem a se compensar ao longo do tempo, favorecendo as comparações em horizontes mais longos, como o anual.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
Conteúdo patrocinado por Startse

Milionária sem sair da cama

O caso da inglesa que ficou milionária trabalhando de pijama no quarto – e o número de brasileiros que querem enriquecer da mesma forma.

Tretas à vista?

Maia diz que Guedes tenta intervir na escolha do relator da Previdência

O ataque a Guedes tinha outro alvo, o presidente da República, Jair Bolsonaro

Em viagem a São Paulo

Maia se encontra com Doria e diz que nova Previdência permitirá melhor ambiente fiscal nos Estados

Segundo Maia, seu diálogo com os governadores acontece desde que foi reeleito, mas no caso específico de São Paulo, “Doria se mostra preocupado com a reforma da Previdência”, reforçou.

Hora de receber o dinheiro de volta

Em rede social, Bolsonaro diz que quer endurecer cobrança de dívidas e recuperar R$ 4 bilhões ao ano

Ontem, a Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PGFN) detalhou as medidas previstas no referido projeto de Lei 1.646/2019

Clima está tenso

“O governo é um deserto de ideias”, afirma Maia

Na avaliação do presidente da Câmara, o ministro da Economia, Paulo Guedes, é “uma ilha” dentro do Executivo

Um toma lá da cá

Em discurso, Bolsonaro diz que responsabilidade sobre a previdência está com o Parlamento

“Não é uma questão de governo, e sim de estado, para que nós do Brasil não experimentemos situações que outros países enfrentaram, como na Europa”, disse o presidente

Aliados

Partidos saem em defesa de Maia após crise com governo

Em um gesto de apoio a Maia, o PPS recebeu o presidente da Câmara em sua convenção nacional realizada hoje em Brasília

Águas passadas?

Maia diz que atrito com governo em relação à Previdência é “página virada”

Ele falou com jornalistas antes de uma breve participação em congresso do PPS, em Brasília

Bon Vivant

Saiba quais são as maratonas preferidas de quem trabalha no mercado financeiro

Boston, Chicago, Nova York e Berlim estão entre as competições preferidas, mas a lista inclui também provas exóticas

Tempos ruins para a empresa

Dívida da Avianca dá “salto” e agora é de R$ 2,7 bilhões

A alteração no valor da dívida ocorreu em dois momentos. Em janeiro, a companhia atualizou a primeira lista para R$ 1,3 bilhão por conta própria. Protocolada ontem na Justiça, a segunda modificação, para R$ 2,7 bilhões, veio depois de pedido dos credores

Será que vem chumbo quente por aí?

Caminhoneiros se mobilizam para nova paralisação

Os monitoramentos são feitos pelo Gabinete de Segurança Institucional (GSI), que tem por missão se antecipar aos fatos para evitar problemas para o governo

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu