Menu
Julia Wiltgen
O melhor do Seu Dinheiro
Julia Wiltgen
2019-08-06T19:20:33-03:00
Seu Dinheiro na sua noite

Atenção, volatilidade à frente

6 de agosto de 2019
19:20
O Melhor do Seu Dinheiro; investimentos
Imagem: Andrei Morais/Seu Dinheiro

O drama da guerra comercial entre Estados Unidos e China não chegou ao fim, longe disso. Nesta terça-feira, o assunto continuou no radar dos mercados que, por aqui, ainda estão muito à mercê do cenário internacional.

Apesar de as discussões acerca da reforma da Previdência estarem retornando nesta semana, o tema ainda não engrenou o suficiente para voltar a centralizar as atenções dos investidores domésticos.

Hoje, por exemplo, a bolsa brasileira novamente seguiu o clima do exterior que, desta vez, foi diametralmente oposto ao de ontem. As ações viram forte alta, num movimento de recuperação depois do tombo de segunda-feira.

Comportamento típico dos mercados. Uma forte reação a algum acontecimento, seguida de uma correção depois que os ânimos se assentam e os investidores são capazes de avaliar melhor o que está se passando. Atira primeiro e pergunta depois.

Ainda não dá para saber se foi apenas uma depressão no caminho do Ibovespa, ou se a estrada adiante está muito esburacada. Mas o mais provável é que a guerra comercial ainda renda umas boas trepidações. Pelo menos é isso que esperam os tubarões do mercado, que veem muita volatilidade adiante com essa história.

O Victor Aguiar, que segura na sua mão nessa viagem pela bolsa, traz os detalhes sobre o pregão de hoje, as novidades no front da guerra comercial e tudo que mexeu com os mercados nesta terça.

Arco-íris por trás da nuvem

O acirramento da guerra comercial entre Estados Unidos e China, porém, não é sinal apenas de tempestade. Pelo menos é nisso que acredita o CEO da Franklin Templeton no Brasil, uma gigante mundial em gestão de investimentos. Para Marcus Gonçalves, toda essa volatilidade gerada pelas disputas tarifárias e os discursos inflamados também está carregada de oportunidades para quem pensa em diversificar a carteira. A Bruna Furlani esteve hoje no segundo dia de um evento fechado para investidores e traz as visões do gestor nesta matéria.

Me dá um prazo aí

Ao ser questionado sobre a inclusão de Estados e municípios na reforma da Previdência, o presidente do Senado, Davi Alcolumbre, resolveu soltar datas. Afirmou que a “PEC paralela” - a saída encontrada para conseguir englobar os entes no projeto - deve ser aprovada no plenário da Casa em até 15 dias . O prazo é bastante otimista, tendo em vista a polêmica que o assunto causou durante as discussões da reforma na Câmara. Enquanto isso, governadores correm para fechar seus pontos dentro de outra importante reforma: a tributária. Saiba todos os detalhes em jogo neste texto.

Tudo na paz

Enquanto a guerra comercial corre solta lá fora, aqui no Brasil o Banco Central parece tranquilo. Quem diz é o presidente da entidade, Roberto Campos Neto. Para ele, o cenário externo está mais conturbado, mas nada que atrapalhe os planos de longo prazo do BC quando o assunto é juros.

Campos Neto também aproveitou sua fala em evento na manhã de hoje para explicar a importância da agenda de reformas microeconômicas da entidade, que não rende muita manchete nem holofote, mas é um “trabalho de formiguinha” de suma importância para botar nossa economia de volta nos trilhos. Quem acompanhou os pormenores da apresentação do presidente do BC foi o Eduardo Campos, e ele conta tudo para você aqui no Seu Dinheiro.

E o parabéns

Quem está de aniversário hoje é a fabricante de ônibus Marcopolo. E o que poderia ser melhor para comemorar seus 70 anos do que um belo balanço trimestral? A empresa mandou bem no segundo período do ano e trouxe resultados acima do esperado, a começar pelo lucro líquido, que deu um salto e atingiu R$ 90,9 milhões na comparação anual. Quem também entrou na festa foi o investidor, que foi às compras e jogou o preço da ação lá em cima. O resultado desse movimento todo o Victor Aguiar te conta nesta matéria.

Eike e o mistério da caixa-preta

Podia ser o título de mais um sucesso cinematográfico, exibido em mais de 200 países em várias línguas. Mas é apenas Eike Batista prestando esclarecimentos sobre empréstimos contraídos pelo seu grupo empresarial, o EBX, junto ao BNDES. Eike soltou o verbo na CPI do banco no Congresso e falou que, por ter muita exposição na mídia, está sendo usado para desviar a atenção das verdadeiras caixas-pretas do BNDES . E ainda deu uma pancada na Odebrecht. O Edu Campos passou a tarde na comissão e traz todos os detalhes do depoimento do empresário.

Este artigo foi publicado primeiramente no "Seu Dinheiro na sua noite", a newsletter diária do Seu Dinheiro. Para receber esse conteúdo no seu e-mail, cadastre-se gratuitamente neste link.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

dinheiro no caixa

Notre Dame Intermédica define ação a R$ 57 em nova oferta e movimenta R$ 5 bilhões

Companhia faz a oferta para levantar recursos para novos investimentos, liquidar debêntures e para pagar a aquisição do grupo Clinipam

guerra comercial

Negociadores de comércios dos EUA e China ‘mantêm contato próximo’, diz Pequim

No domingo (15), vence o prazo para que os EUA adotem tarifas extras a mais US$ 156 bilhões em importações chinesas

em brasília

Senado aprova pacote anticrime de olho em possíveis vetos de Bolsonaro

Projeto foi desidratado em relação ao conteúdo original encaminhado pelo ex-juiz da Lava Jato; Moro já defendeu que os pontos retirados sejam novamente discutidos no Congresso

Recado ao mercado

O BC até pode cortar a Selic em 2020, mas deixou claro que o ciclo está perto do fim

O Copom deixou a porta aberta para mais um corte de 0,25 ponto na Selic em 2020. E, ao não se comprometer com o próximo passo, o BC passou a mensagem de que a onda de reduções nos juros está quase terminando

Seu mentor de investimentos

Caça ao tesouro: as joias descobertas em minha longa carreira no mercado financeiro

Ivan Sant’Anna lembra das grandes tacadas que deu em sua carreira como broker e fala sobre o processo de descobrimento dos tesouros enterrados no mercado

A Bula do Mercado

Copom se prepara para aterrissar e Brasil, para decolar

BC brasileiro indica que fim do ciclo de cortes da Selic está próximo, mas mantém porta aberta para novas quedas, enquanto S&P melhora perspectiva do rating do país

UM DOS IPOs DO ANO

Presidente da XP diz que não descarta listar a companhia na bolsa brasileira

O executivo disse que a ideia sempre foi fazer uma listagem no Brasil, visto que a empresa sempre se posicionou “como disruptora do mercado local, democratizando investimentos”

POLÍTICA

Justiça derruba suspensão de deputados do PSL; Joice pode perder liderança

Nesta quarta-feira, Joice foi confirmada líder do PSL na Câmara e em sua primeira coletiva no cargo afirmou que vai buscar uma pacificação na bancada

Até que enfim!

Agência de risco S&P eleva perspectiva para nota do Brasil para “positiva”

Embora atrasada, a decisão da S&P abre caminho para a recuperação no selo de bom pagador do país, perdido em setembro de 2015

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

A última superquarta do ano

Nesta última superquarta de 2019, o mercado ficou em compasso de espera pelas decisões de política monetária do Federal Reserve (Fed), o banco central americano, e do Banco Central brasileiro. No meio da tarde, o Fed anunciou a manutenção das taxas de juros, interrompendo um ciclo de três reduções consecutivas. Mas como o resultado já […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements