Menu
2018-12-05T17:13:28+00:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA. Trabalhou por 18 anos nas principais redações do país, como Agência Estado/Broadcast, Gazeta Mercantil e Valor Econômico. É coautor do ensaio “Plínio Marcos, a crônica dos que não têm voz" (Boitempo) e escreveu os romances “O Roteirista” (Rocco), “Abandonado” (Geração) e "Os Jogadores" (Planeta).
Transição

Acha que o governo Bolsonaro tem dado declarações desencontradas? O Secretário do Tesouro concorda

Mansueto Almeida garantiu, porém, que há um claro compromisso com a agenda de ajuste fiscal, privatizações e abertura comercial da gestão que toma posse no dia 1º de janeiro

5 de dezembro de 2018
12:12 - atualizado às 17:13
111
Imagem: Divulgação/Western

Você acha que a equipe do presidente eleito Jair Bolsonaro tem dado declarações desencontradas? Pois você não está sozinho. O secretário do Tesouro Nacional, Mansueto Almeida, reconheceu que há de fato uma certa confusão nos anúncios do novo governo.

Ele garantiu, porém, que há um claro compromisso com a agenda de ajuste fiscal, privatizações e abertura comercial da gestão que toma posse no dia 1º de janeiro.

O secretário do Tesouro, que permanecerá no cargo no novo governo, falou com os jornalistas depois de participar de um evento promovido pela gestora Western Asset hoje em São Paulo. E disse que a proposta de reforma da Previdência deve ser apresentada pelo futuro ministro da Economia, Paulo Guedes, entre fevereiro e março do ano que vem.

"Não tem muito mistério, qualquer proposta de reforma deve ter o estabelecimento de idade mínima e regra de transição e algumas coisas que já estavam na reforma do [governo] Temer", disse Mansueto Almeida.

Para o secretário, as arestas na comunicação da equipe de Bolsonaro devem ser aparadas assim que o governo efetivamente começar, em janeiro.

"Apesar de algumas declarações desencontradas, o cenário do governo que começa é muito claro. É um cenário de privatização e concessão, maior abertura comercial e ajuste fiscal."

Mansueto afirmou que o governo está "preso" legalmente ao ajuste fiscal, já que qualquer mudança que comprometa a trajetória de acerto das contas públicas demandaria mudança na Constituição.

"Fazer ajuste fiscal é sempre muito difícil, mas o governo tem apoio popular e, se tiver boa base no Congresso, pode aprovar as reformas."

O secretário destacou ainda que algumas mudanças, como a abertura comercial, não necessitam de aprovação do Legislativo para serem implementadas.

Cessão onerosa

A aprovação do projeto de lei da cessão onerosa deve mesmo ficar para o ano que vem, segundo Mansueto Almeida. Uma das dificuldades na negociação da divisão com Estados e municípios dos recursos arrecadados é que ainda não se sabe quais os valores envolvidos.

Mas ele disse que o leilão das áreas da cessão onerosa poderá acontecer no ano que vem mesmo que o projeto de Lei não seja aprovado neste ano.

"É difícil fazer esse debate em três semanas, mas não existe restrição para a aprovação do projeto no ano que vem", afirmou Mansueto.

E você, concorda com o Mansueto Almeida? Dê sua opinião nos comentários abaixo.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

MAIS UMA

Bolsonaro afirma que governadores do Nordeste tentam manipular eleitor

O uso de um termo pejorativo para se referir aos nordestinos provocou a reação de governadores da região, que manifestaram “espanto e profunda indignação”

BNDES

Com BNDES menor, pode faltar crédito para investimento

O patamar de desembolsos em torno de R$ 70 bilhões por ano, sinalizado pelo novo presidente, equivale a 1% do Produto Interno Bruto, menor nível em 20 anos.

Boa notícia

Risco volta ao nível de quando país tinha selo de bom pagador

Além do avanço na reforma previdenciária, contribuiu para a redução do risco país o cenário de um mercado internacional mais calmo

Bandeira eleitoral

Tema “corrupção” perde espaço no Twitter de Bolsonaro

Depois de assumir o poder, o assunto perdeu espaço em sua timeline e, segundo levantamento no perfil do presidente, apareceu em apenas 1,4% das postagens.

Uma dose de realismo

Bilionários garantem: este é o melhor momento para se estar vivo

Bill Gates, Warren Buffett, Elon Musk e Barack Obama são categóricos: se você pudesse escolher qualquer momento na história para nascer, seria este.

Promessa é dívida

MAIS LIDAS: Oi e FGTS foram as grandes promessas da semana

São elas: a liberação do saque do FGTS pelo governo Bolsonaro e o plano da diretoria da Oi de tirar a empresa do buraco. Confira

Dá para se arrepender?

Opção do saque do FGTS será reversível

A ideia é que a nova opção de saque permita ao trabalhador resgatar uma parcela em troca de abrir mão da retirada de todo o fundo caso seja demitido sem justa causa

o novo sempre vem

Novo Mercado, nível 1 ou 2: Diga-me a governança da ação e eu te digo quais são os direitos do investidor

Segmento da B3 estabeleceu maior nível de governança entre as empresas e amenizou conflitos entre minoritários e controladores; são hoje 142 empresas no Novo Mercado

De olhos bem abertos

Dez bancos serão investigados por supostos abusos na oferta de consignado a idoso

As empresas têm dez dias para apresentar defesa e, posteriormente, se confirmados os indícios de infração, poderão ser multadas em até R$ 9,7 milhões. As notificações estão formalizadas no Diário Oficial da União (DOU) em despachos do DPDC, órgão da Secretaria Nacional do Consumidor do Ministério da Justiça e Segurança Pública

Seu Dinheiro na sua noite

E o Oscar vai para…

As histórias que mexeram com seus investimentos hoje

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements