Menu
Rendimentos

Apenas 4 em cada 10 fundos de ações renderam acima do Ibovespa em 2018

Entre os fundos que se propõem a replicar índices (indexados), apenas 35,9% conseguiram bater o Ibovespa; entre os índices ativos, 58,9% tiveram obtiveram sucesso

4 de fevereiro de 2019
7:44 - atualizado às 8:55
Painel de ações negociadas na bolsa de valores - Imagem: Shutterstock

A Bolsa subiu 15% em 2018, mas essa trajetória ficou bem longe de ser uma linha reta. Greve dos caminhoneiros, cenário externo e sobretudo as eleições transformaram o mercado acionário numa verdadeira montanha-russa. Tamanha volatilidade deixou o trabalho dos gestores mais difícil: no ano passado, apenas 43% dos fundos de ações renderam acima do Ibovespa - principal índice de ações do mercado brasileiro.

Levantamento feito pelo Estado com dados da Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima) analisou o desempenho de 1,5 mil fundos de ações em 2018. A pesquisa excluiu fundos fechados, que investem no exterior, mútuos de privatização ou especializados em investir em uma só empresa.

Entre os fundos que se propõem a replicar índices (indexados), apenas 35,9% conseguiram bater o Ibovespa. Já entre os que pretendem superar o índice (ativos), 58,9% obtiveram sucesso. Entre os que selecionam ações que pagam mais dividendos, metade (50,9%) teve valorização acima da referência.

“Foi um ano de muita volatilidade. Por isso, alguns gestores preferiram um caminho mais conservador e não fizeram grandes apostas - esperaram o desfecho das eleições para balancear as carteiras”, afirma Sandra Blanco, consultora de investimentos da Órama.

Especialistas ponderam que é comum que fundos que se balizam por uma referência rendam menos que o índice em si, por causa dos custos para montar a carteira e da taxa de administração - que, no levantamento, variou de zero a 6% ao ano. Além disso, os gestores utilizam diferentes estratégias, uma vez que o mercado de ações mira o longo prazo - o que permite que haja percalços no curto prazo.

“Tiveram bom desempenho ano passado os fundos fortemente posicionados em estatais, que registraram alta valorização com o cenário eleitoral, e em papéis ligados ao consumo interno, que subiram depois do resultado, que agradou o mercado”, observa Erick Scott Hood, analista de fundos da Guide Investimentos, que está otimista com a Bolsa, mirando os 120 mil pontos ao fim de 2019.

Analistas indicam o fundo como uma opção para quem deseja investir em empresas, mas não tem experiência ou disponibilidade para estudar o mercado. Além disso, o custo é mais barato do que montar uma carteira diversificada. “Fazer uma alocação em fundos mais especializados faz mais sentido do que comprar papéis à revelia”, diz Ronaldo Guimarães, sócio-diretor do banco digital Modal.

Na avaliação de Guimarães, é mais vantajoso optar por fundos ativos. “É muito importante, porém, pesquisar sobre o gestor e olhar o histórico de retorno do fundo, além da taxa de administração”, recomenda.

Informações como a taxa de administração e a estratégia do fundo podem ser encontradas na “lâmina” do fundo - documento disponível no ambiente de negociação das corretoras e também no site da CVM. Além dos ativos e indexados (passivos), há também outras alternativas, como fundos que investem em small caps (empresas de menor porte), em companhias que pagam bons dividendos ou naquelas que têm boas práticas de sustentabilidade e governança (veja desempenho acima).

ETFs

Uma outra opção para acompanhar o comportamento de um índice são os ETFs (Exchange Traded Funds). Com um custo médio de 0,5% sobre o valor aplicado, eles são fundos com cotas negociadas em Bolsa cuja carteira tem o número de empresas equivalente ao peso de cada papel no índice. O Bova11, por exemplo, tem as mesmas ações que compõem o Ibovespa. A cota custa menos de R$ 100.

“Entre um fundo passivo e um ETF, o ETF é mais vantajoso, porque tem um custo mais baixo do que a taxa de administração dos fundos”, diz Myrian Lund, pesquisadora do Ibre/FGV. “Além disso, o ETF tem mais liquidez - você pode comprar e vender a qualquer momento. Já os fundos normalmente são D+4 (o resgate leva quatro dias).”

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
"Acordo muito bom"

Trump sinaliza otimismo com a China ao dizer que Estados Unidos estão “muito próximos” de um acordo comercial

Em pronunciamento presidente norte-americano voltou a dizer que gosta de tarifas e que os EUA ganharam bilhões de dólares da China por causa delas

Caso Coaf

Investigação sobre Queiroz vai para grupo de combate à corrupção do Ministério Público

Na prática, a mudança na condução do processo indica um aprofundamento nas apurações

Para colocar fim à crise

Bolsonaro decide que vai manter Bebianno em seu governo

Ministro foi pivô de uma crise política depois de ter sido chamado publicamente de mentiroso pelo presidente e seu filho Carlos Bolsonaro

Mudanças no radar

Governo está revendo o Rota 2030, mas não há proposta alternativa, diz secretário

Projeto começou a ser discutido pelo governo Temer com representantes do setor automotivo em 2017 e foi aprovado no fim do ano passado

Bilhões e mais bilhões

Lucro dos grandes bancos passa dos R$ 73 bilhões em 2018 e supera gasto com calotes

No ano passado, o lucro líquido consolidado de Banco do Brasil, Itaú Unibanco, Bradesco e Santander Brasil subiu 12,77% em relação a 2017

Caso Bebianno volta a assombrar

Para Alcolumbre, tensão política no governo não deve atrapalhar o andamento da reforma da Previdência

Crise entre Bolsonaro e Gustavo Bebianno ocorre no momento em que o Planalto tenta manter coesão para as negociações da reforma no Congresso

Depois do pente fino

Impacto fiscal da reforma da Previdência deve recuar em até R$ 600 bilhões no Congresso

Previsão é de Christopher Garman, diretor da consultoria de risco político Eurasia. Para ele, negociações devem limitar o projeto

Nova gestão

Grupo Heineken no Brasil terá, pela primeira vez, um brasileiro no comando

Mauricio Giamellaro começou na empresa há cerca de sete anos, e desde então havia atuado como vice-presidente de vendas e distribuição.

medidas antidumping

China confirma tarifas de até 32,4% ao frango brasileiro, mas isenta 14 empresas

De acordo com anúncio do Ministério do Comércio local, os importadores do frango brasileiro deverão pagar tarifas de 17,8% a 32,4% a partir do próximo domingo, 17

Por valor não reconhecido

Usiminas diz que continuará com trâmites judiciais sobre dívida da Eletrobras

Empresa conseguiu reverter a inclusão do ICMS na base de cálculo do PIS e da Cofins, cobranças que foram questionadas pela empresa na Justiça

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu