Menu
2019-10-14T16:23:56-03:00
Está longe de ser o fim

Após ‘efeito Amazon’, ações de varejo podem se recuperar, dizem analistas

Efeito nos papéis das líderes brasileiras do e-commerce não foi desprezível. Em dois dias, o Magazine Luiza somou desvalorização de 11%; a B2W caiu, 10% e a Via Varejo, 8%

16 de setembro de 2019
11:52 - atualizado às 16:23
Amazon Prime
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

As ações brasileiras do setor de varejo sofreram um abalo na semana passada, na esteira da chegada da Amazon Prime - que combina oferta de frete grátis em compras com acesso a serviços de streaming, por R$ 9,90 -, mas analistas dizem que, no longo prazo, as empresas têm como se defender das investidas da gigante americana no mercado nacional.

O efeito nos papéis das líderes brasileiras do e-commerce não foi desprezível. Em dois dias, o Magazine Luiza somou desvalorização de 11%; a B2W caiu, 10% e a Via Varejo, 8%.

No decorrer da semana, porém, houve alguma recuperação. O Magazine Luiza conseguiu, até sexta-feira, restituir cerca de 45% do valor de mercado perdido, enquanto a Via Varejo reconquistou cerca de 21% de suas perdas e a B2W, 6,7%, de acordo com dados da consultoria Economática.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

O professor de finanças da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo (FEA-USP) Keyler Carvalho Rocha chama a atenção do investidor para o comportamento dos papéis nesses movimentos.

Para ele, no longo prazo, dependendo da performance da Amazon, as coisas podem piorar para as outras varejistas, mas elas não vão ficar paradas e devem reagir à concorrente.

Reação

Analistas de mercado dizem acreditar que há sinais que devem impulsionar as empresas brasileiras, como os números recentes do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), que mostram alta de 4,3% das vendas do varejo em julho, ante o mesmo mês do ano passado, e o início da liberação de novos saques de até R$ 500 do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS).

O Mercado Livre, concorrente latino-americano no e-commerce que tem o Brasil como principal mercado - e que também sofreu perdas de 3,85% no valor de suas ações na Bolsa Nasdaq na última semana -, minimiza os efeitos da entrada da Amazon Prime no Brasil.

"Não nos faz acordar mais cedo nem dormir mais tarde. Nossa estratégia sempre foi no longo prazo", afirmou Leandro Bassoi, vice-presidente de Mercado Envios para a América Latina da empresa.

O gestor de fundos multimercados da Versa, Luiz Fernando Alves, salienta que a Amazon não é à prova de falhas. Segundo ele, o lançamento da semana passada foi um movimento de "um novo competidor em um mercado competitivo".

"Olhando para as empreitadas ao redor do mundo, a Amazon não é um sucesso garantido. No longo prazo, isso deve ser apenas um ruído", diz. Ele cita a saída da empresa da China, em maio, por não conseguir vencer a concorrência local.

Já Henrique Bredda, gestor da Alaska, conhecido pelas apostas no Magazine Luiza, defendeu no Twitter as vantagens de logística da varejista nacional que já oferece entrega em 48 horas em 200 cidades do Brasil, sem taxa mensal.

Volatilidade

Isso não quer dizer que os anúncios da Amazon ainda não possam trazer instabilidade às ações das gigantes nacionais do setor - até porque a americana tem muito poder de investimento. Considerado o mercado global, segundo a Economática, a Amazon tem o dobro de valor de mercado da sua maior rival, a chinesa Alibaba.

Para o analista-chefe da Necton, Glauco Legat, a força da empresa americana deve ser sempre levada em conta pelo investidor. "Há fatores que diminuem o impacto dessa entrada. E um deles é a perspectiva de crescimento do consumo brasileiro baseado nos últimos índices com pequenas melhoras e ações (de governo), como a liberação do FGTS."

Ele lembra, por outro lado, que não é possível ignorar o tamanho da concorrente que chegou ao mercado brasileiro. "As varejistas brasileiras, como Magazine Luiza, têm boa estrutura logística para competir, mas no nível global esse jogo fica complicado", completa Legat.

O analista da Guide Investimentos, Rafael Passos, alerta que a volatilidade vista nos papéis das empresas brasileiras durante a semana passada pode se repetir no curto prazo. "A princípio, as ações ficam pressionadas para baixo. A cada anúncio da Amazon, haverá esse movimento."

Por essa razão, durante o ano, apesar da curva de alta, as ações das varejistas já tinham sofrido oscilações. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

Otimismo na bolsa

Firme e forte: Ibovespa engata a quarta alta seguida e chega a mais um recorde

O Ibovespa aproveitou-se da ausência de fatores negativos e do bom desempenho das ações da Petrobras para fechar em alta e cravar mais um recorde

DE OLHO NO GRÁFICO

Bitcoin indica alta e 12 criptomoedas alternativas para ficar de olho

Fausto Botelho fala sobre a alta recente do S&P, que está em sinal amarelo, sobre a tendência de alta do bitcoin e outras 12 altcoins para ficar de olho

Ganhando tração

Conversas sobre potencial venda da rede móvel da Oi estão acelerando, diz presidente da Tim

Segundo Labriola, uma eventual avaliação da compra da Oi só vai ocorrer caso o ativo seja formalmente colocado à venda, o que ainda não ocorreu

Novo recorde

O maior IPO da história: a Saudi Aramco vai levantar US$ 25,6 bilhões com sua abertura de capital

A petroleira Saudi Aramco, considerada uma das companhias mais rentáveis do mundo, divulgou há pouco os detalhes finais de sua oferta pública inicial de ações. E, pelos números reportados pela estatal saudita, não estamos falando de um IPO qualquer: trata-se da maior operação do tipo já feita na história. As ações da Aramco foram precificadas […]

Oferta da XP

CVM diz que fundo brasileiro pode captar recursos para investir em IPO nos EUA

A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) informou hoje que fundos de investimento podem captar recursos de investidores brasileiros para investir em ofertas de ações fora do país. “Em tese, não há restrição para que um ‘fundo brasileiro capte recursos de investidores brasileiros para investir em ofertas públicas no exterior’”, disse a CVM, em nota. Eu […]

OLHO NA CONSTRUÇÃO

PIB da construção deve crescer 2% em 2019 e 3% em 2020, dizem Sinduscon-SP e FGV

O avanço do PIB da construção neste ano está sendo puxado, essencialmente, pelo consumo das famílias, enquanto as atividades empresariais ficaram em segundo plano

Fundos de investimento

Fundos de small caps são os mais rentáveis do ano; saiba quanto rendeu cada tipo de fundo até o fim de novembro

Fundos de ações tiveram o melhor desempenho do ano até agora; fundos que investem em títulos públicos de longo prazo também têm se saído bem

Gestoras

Dólar a R$ 4 ou R$ 4,50 pode impedir um rali na Bovespa?

Para gestora Persevera não haverá mais o “kit Brasil”, ou seja, os ativos brasileiros não necessariamente andarão todos na mesma direção

OLHA O RECORDE

Captação em mercado das empresas atinge recorde de R$440 bilhões, diz Anbima

A renda variável foi destaque, com R$ 78,3 bilhões em captações realizadas por meio de follow on e IPOs, de janeiro a novembro, contra R$ 11,3 bilhões no mesmo período de 2018

uma bolada

Indústria de fundos levanta R$ 228,1 bilhões até novembro e encosta no recorde de 2017

Fundos de ações chegaram a uma captação líquida de R$ 67,5 bilhões, quase três vezes ante o mesmo intervalo de 2018 e se destacaram como a classe que mais atraiu recursos até novembro

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements