Menu
2019-10-14T14:14:57+00:00
Após duas décadas de negociação...

Acordo Mercosul/União Europeia tem grandes chances de ser fechado nesta sexta, diz porta-voz

Em contato com representantes do Brasil que estão na Europa, um porta-voz da Presidência disse que recebeu como informação a avaliação de que o acordo estava “muito avançado”

28 de junho de 2019
9:56 - atualizado às 14:14
União Europeia e Mercosul
União Europeia e Mercosul - Imagem: Shutterstock

Há grandes chances de o acordo entre Mercosul e União Europeia ser fechado nesta sexta-feira, 28, de acordo com o porta-voz da Presidência, general Otávio Rêgo Barros. Questionado em Osaka, no Japão, durante encontro do G20, sobre se as chances estariam em torno de 80%, ele respondeu: "Eu diria mais".

De Bruxelas, uma fonte comunicou ao Broadcast/Estadão, no entanto, que as negociações avançam e que os dois lados estão muito perto de encerrar um processo que se arrasta há 20 anos, mas que ainda há "desafios a superar".

A grande expectativa, segundo o porta-voz, é que as duas partes cheguem a um consenso suficiente para que o anúncio seja feito, mas vai depender "do que acontecer lá (em Bruxelas)" nas próximas horas. O Japão está sete horas à frente de Bruxelas e 12 horas à frente do Brasil.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Em contato com representantes do Brasil que estão na Europa, o general disse que recebeu como informação a avaliação de que o acordo estava "muito avançado". "Não sei o que está faltando", afirmou. Um dos pontos que tratavam as negociações há um mês envolvia a questão dos vinhos.

O governo aposta todas as suas fichas para finalmente destravar esta questão que dura duas décadas. Por causa da mudança na composição da Comissão Europeia, há um interesse em fechar logo o acordo antes que novos empecilhos possam surgir com a próxima equipe. Há pouco mais de um mês, um integrante do governo brasileiro avaliou, em relação ao fechamento do acordo Mercosul-União Europeia, que era "now or never" (agora ou nunca).

Entrada na OCDE

O Brasil está muito bem posicionado em seleção de países para entrar na Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE). A avaliação foi reforçada ao governo brasileiro, após encontro do presidente Jair Bolsonaro com o secretário-geral da entidade, José Ángel Gurría, e também após a reunião bilateral com o presidente americano Donald Trump, segundo o porta-voz da Presidência, Otavio Rêgo Barros.

Um dos motivos que levam a crer nessa "vantagem" do Brasil diz respeito ao adiantamento da adesão do País aos requisitos exigidos pela instituição que tem sede em Paris. Mesmo sem ter a sua candidatura ainda confirmada, o governo vem trabalhando para se adequar aos 248 instrumentos e normas exigidos por ela. Em maio, o secretário-executivo do Ministério da Economia, Marcelo Guaranys, afirmou que cerca de 200 deles teriam o aval da Organização.

O porta-voz lembrou nesta sexta, no entanto, que há uma questão cronológica para que novos membros passem a disputar uma vaga na entidade. Além de Brasil, também estão na corrida Argentina, Romênia, Peru, Bulgária e Croácia. Há um impasse, no entanto, sobre como esses novos participantes devem entrar na OCDE na visão europeia e na americana. Gurría apresentou a proposta de uma entrada sequencial, que ainda não foi definida. O Brasil estaria na terceira posição, após Argentina e Romênia, mas ainda não há uma definição fechada.

Em março, Donald Trump prometeu a Bolsonaro que passaria a apoiar o ingresso brasileiro na instituição, o que foi feito em maio. "Avançou numa expectativa positiva na inserção do Brasil", disse o porta-voz sobre os encontros de hoje. "Houve um alinhamento entre o que ocorreu com a reunião da OCDE e na de Trump e Bolsonaro", acrescentou.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

De olho na economia

Armínio Fraga vê ‘obscurantismo’ e ambiente ‘envenenado’ como entraves à economia

Fraga destacou que o Brasil nunca investiu tão pouco na sua história e que para destravar o investimento será preciso dar mais clareza em áreas que vão além da econômica, como “temas de natureza distributiva”

Novidades à vista?

Petrobras negocia potencial consórcio para leilão de pré-sal, diz presidente

Muitas das maiores petroleiras do mundo, entre elas ExxonMobil, Royal Dutch Shell e BP, além da própria Petrobras, estão registradas para participar da disputa, marcada para 6 de novembro

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

As duas faces do dólar

No filme “As duas faces de um crime”, o eterno canastrão Richard Gere faz o advogado oportunista que defende um jovem acusado de assassinato. A coisa complica quando ele descobre que o garoto interpretado por Edward Norton sofre de múltiplas personalidades. Eu me lembro do filme toda vez que tento encontrar alguma explicação para o […]

Na gringa

Campos Neto: O que foi prometido está sendo entregue

Em encontros no exterior, presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, passa a mensagem de que existe um plano de reinvenção do país com dinheiro privado

OUÇA O QUE BOMBOU NA SEMANA

Podcast Touros e Ursos: O cabo de guerra no PSL

Repórteres do Seu Dinheiro trazem em podcast semanal um panorama sobre tudo o que movimentou os seus investimentos nesta semana

Situação delicada

Papéis da Boeing caem 7% em NY com notícia de que companhia pode ter “enganado” FAA

De acordo com o periódico, o piloto Mark Forkner teria reclamado que o sistema conhecido como MCAS, na sigla em inglês, o teria deixado em apuros dois anos antes dos acidentes que tiraram a vida de várias pessoas

Boas novas

Ações da Eletrobras sobem após MME dizer que pode encaminhar PL sobre privatização da empresa até início de novembro

De , a proposta do governo federal para a privatização da Eletrobras ainda é a capitalização, com a diluição da participação da União na holding elétrica

nos eua

Reservas são vistas como seguro e não se fala em mudar isso, diz presidente do BC

Campos Neto mencionou que o que se lê sobre os altos custos para se manter as reservas internacionais no Brasil “não é a realidade” e que nos últimos 15 anos, os custos se igualaram às receitas

no velho continente

Há ‘sinais leves’ de supervalorização dos mercados, diz presidente do Banco Central Europeu

Draghi destaca ainda que o setor financeiro não bancário da zona do euro continua tomando risco, mas pontua que a resiliência do setor bancário permanece “sólida”

entrevista

‘Huck vai deixar de ser celebridade e ser líder?’, questiona FHC

Ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB) assiste com ceticismo as articulações do apresentador global

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements