Menu
Felipe Miranda
Exile on Wall Street
Felipe Miranda
É sócio-fundador e CEO da Empiricus
2019-07-22T11:07:59+00:00
exile on Wall Street

Acabou a moleza

Acordo e vou dormir pensando em formas de bater o mercado, de oferecer indicações de investimento capazes de entregar resultados acima da média, enquanto nutro internamente a certeza da impossibilidade de se fazer isso

22 de julho de 2019
11:07
Executivo arregaçando as mangas
Imagem: Shutterstock

“Força, preciso de força; sem força não se consegue nada. E força é preciso conseguir pela própria força, e é isso que eles desconhecem.” Raskolnikov vive atormentado pelas próprias tempestades psíquicas após ter feito o que fez em “Crime e Castigo”. Nesse raro momento de empolgação, ele tenta encontrar dentro de si alguma faísca para voltar a viver com alguma chama. Como já disse Bruce Springsteen: “Can’t start a fire without a spark”.

A força que normalmente pedimos a algo ou a alguém de fora fica, na verdade, dentro da gente mesmo.

Eu me vejo como uma grande contradição. Sou um analista que acredita muito pouco na capacidade dos analistas — e aqui, como sempre, emprego o termo “analista” em seu sentido amplo, não estrito e técnico, em referência a todos aqueles que analisam ou avaliam uma determinada coisa. O Aurélio é um pouco mais abrangente do que a instrução 598 da CVM e suspeito que a culpa não seja dele.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Acordo e vou dormir pensando em formas de bater o mercado, de oferecer indicações de investimento capazes de entregar resultados acima da média, enquanto nutro internamente a certeza da impossibilidade de se fazer isso.

Serve para mim e para os outros. Os mercados são muito eficientes e superá-los, para mim, é mais um ato de sorte e exploração de apostas assimétricas a longo prazo do que propriamente de acertos nesta ou naquela tese. Às vezes, confesso, chego a pensar que somente são capazes de bater os mercados aqueles que têm certeza de não ser possível bater os mercados. Assim, eles recorrem à diversificação e aos benefícios da convexidade, que supera de longe as tentativas de entendimento da realidade e de antevisão do futuro. Depois, descarto também essa hipótese.

Acreditar ou não

Eu gostaria de pensar diferente. Gostaria de habitar este planeta onde moram muitos investidores, gestores e analistas por aí, certos de que gozam de algum superpoder. Seria lindo me achar um ser superior capaz de identificar o rumo subsequente dos mercados. E veja que não se trata apenas de uma convivência harmoniosa, que equilibra forças ambivalentes, com vetores dionisíacos e apolíneos coexistindo numa rica complexidade de atributos. A contradição é diferente da ambivalência. Ou você acredita que pode bater os mercados, ou não acredita. Não dá para ser as duas coisas ao mesmo tempo. Deviam baixar uma lei. Não dá e pronto. Ou será que dá?

Se eu pudesse ao menos prever uma, mas só uma cotação de ação… É, eu sei. Quase posso ouvir a Whitney Houston: “Can’t run from myself, there’s nowhere to hide”. Aquele CD do filme “O Guarda-Costas” tocava inteiro, todo sábado, lá em casa. Ah, que tragédia! Kevin Costner teve o destino típico daqueles que se acham heróis: foi se jogar na frente da mocinha para protegê-la e levou um belo de um tiro no peito. Acho que prefiro “Dança com Lobos” e a proposta de conviver com o diferente. Cada vez mais, a Bolsa vai se tornar um ambiente democrático e nós precisamos nos acostumar com isso.

Voltando ao Bruce Springsteen: “Man I’m just tired and bored with myself. I check my look in the mirror. I wanna change my clothes, my hair, my face”.

Eu queria tirar toda essa armadura e despir-me da roupa desse personagem que vem aqui escrever-lhe coisas como se nós — todos nós da Faria Lima e do Leblon — pertencêssemos a uma espécie de categoria superior, dotada da habilidade especial de ganhar mais dinheiro do que a média.

Grandes geradores de alfa

Sabe o que eu acho? Os analistas e os gestores — esse conjunto de idiotas do qual faço parte (não se ofenda: somos todos um grande escândalo) — se vendem como grandes geradores de alfa. O alfa é basicamente a capacidade de geração sistemática e consistente de retornos anormais, ou seja, acima da média. Deveria medir o quanto o camarada consegue entregar além do benchmark nos mais variados cenários.

Você vai ver discursos do tipo: “Os fundos multimercados são destino atraente para parte dos recursos hoje na poupança ou nos pós-fixados tradicionais, pois o gestor pode operar em vários nichos e vários ativos, sabendo escolher as melhores oportunidades em cada classe”. Outra moda bem típica agora: “Os fundos long biased são alternativa interessante, pois o gestor pode aumentar ou diminuir sua exposição a ações conforme o cenário se apresente mais ou menos propício”.

Claro, nós, os gênios analistas e gestores, saberíamos sempre quais seriam as melhores oportunidades em cada um dos mercados e também a hora certa de entrar e sair de cada uma delas. Ora, não lhes parece ridículo?

Sabe o que é pior? Acho que a coisa vai ficar mais difícil daqui pra frente. Isso porque todo mundo acha que gera alfa, mas, na verdade, apenas gera beta. Aliás, na melhor das hipóteses, somos bons geradores de beta.

Explico.

Hoje, abri a Bloomberg e lá aparecia: “Goldman says stocks likely won’t go up much higher — there’s limited further upside after S&P 500’s 19 per cent climb so far this year, according to the bank”. Basicamente, um alerta da Goldman Sachs para o pequeno potencial de valorização adicional da Bolsa norte-americana neste ano.

Não era propriamente algo novo para mim, mas serviu de catálise para a estruturação de um pensamento anteriormente um pouco difuso e mais intuitivo.

Em outras palavras, o ponto nevrálgico para mim é o seguinte: desde o começo de 2016, os mercados subiram muito em cima do componente beta (sensibilidade às condições sistêmicas). Com o Ibovespa saindo de 40 mil para 105 mil pontos, foi relativamente fácil ganhar dinheiro em Bolsa. Direto e reto, a real é que, quanto mais loucura você fez, mais dinheiro ganhou.

Seletividade

Mas agora talvez entremos numa nova fase, porque o reapreçamento mais geral, do mercado como um todo, possivelmente tenha menos a oferecer. Você precisará ser mais seletivo daqui pra frente.

Podemos ver o argumento de dois lados. Primeiramente, no apreçamento intrínseco dos ativos. O valor de uma determinada ação ou de um determinado título é dado pela soma dos seus fluxos de caixa de hoje até o infinito, trazidos a valor presente por uma taxa de desconto apropriada.

Em linhas gerais, o que aconteceu de 2016 para cá foi uma abrupta queda dessa taxa de desconto. Primeiro, porque evitamos o desastre, interrompemos a caminhada em direção ao precipício que estava em curso com a nova matriz econômica do governo Dilma. Essa foi a primeira reavaliação do nível de risco brasileiro — afastamos o risco de cauda de nos tornarmos uma Argentina ou uma Venezuela (sim, isso esteve no radar, ainda que numa probabilidade pequena). Depois, outros dois fatores conviveram meio juntos. As taxas de juro globais vieram mais para baixo diante das sinalizações de flexibilização monetária adicional pelos principais bancos centrais, e caminhamos destacadamente na direção da consolidação fiscal, por meio da PEC do teto de gastos e da aprovação da reforma da Previdência na Câmara.

O resultado disso foi uma brutal queda nas taxas de desconto, que afetam indiscriminadamente os ativos de risco brasileiros. Uns mais, outros menos, mas todo mundo sente esse efeito, que é brutal para a sensibilidade dos valuations.

Outra forma de perceber a coisa é por meio do apreçamento por arbitragem. Para não haver lucro certo sem risco e sem a necessidade de se colocar dinheiro próprio, o ativo de risco deve pagar o rendimento do ativo livre de risco mais um adicional relativo ao respectivo prêmio de risco.

O que aconteceu nos últimos anos? Tanto a taxa livre de risco caiu (basicamente, queda das taxas de juro de mercado lá fora; há 13 trilhões de dólares em yields negativos) quanto o prêmio de risco específico diminuiu dramaticamente no Brasil, pelos fatores citados acima. Com isso, o retorno dos ativos de risco precisa cair, com seus preços em Bolsa se aproximando de seus valores justos.

O problema é justamente que o espaço para queda adicional das taxas de juro internacionais parece limitado, bem como boa parte do reapreçamento generalizado dos prêmios de risco-Brasil já aconteceu. Agora, acabou a festa. Não há mais “low-hanging fruits” fáceis de se pegar por aí.

Nos próximos meses, enquanto o crescimento macroeconômico ainda não volta (nesse outro estágio, quando o PIB acelerar com força, poderemos de novo nos beneficiar do beta), retornos verdadeiramente anormais exigirão assunção de mais risco e mais seletividade. Os vencedores devem ser aqueles menos ligados ao beta e mais atrelados à seleção de ativos. Transitaremos dos catalisadores macro e sistêmicos para eventos idiossincráticos. Vai ser preciso uma boa dose de força adicional para caminhar acima da média até o final do ano. Contrate um bom guarda-costas. O Rodolfo, meu sócio e companheiro para toda obra, da época em que eu ainda tinha cabelos, apresenta um sólido plano para você atravessar esse grande ciclo a sua frente — se você quer estar totalmente blindado e ainda acelerar seus rendimentos, precisa conhecer a Aposentadora FIRE. Sem milagres ou superpoderes. Vida como ela é, dentro do que é o melhor disponível para seus investimentos. Tudo e só isso.

Mercados

Mercados iniciam a segunda-feira em clima mais positivo depois da realização observada no último pregão, amparados no otimismo no exterior. Agenda é relativamente fraca, contando com atividade na região de Chicago e relatório Focus por aqui. Petróleo sobe diante de tensões entre Reino Unido e Irã. Expectativa por temporada de balanços pauta negociações.

Ibovespa Futuro abre em alta de 0,5 por cento, dólar e juros futuros recuam.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

Luz no fim do túnel?

Trump: ‘estamos indo muito bem com a China, e conversando’

Membros da equipe econômica norte-americana afirmam que negociadores das duas maiores economias do mundo irão conversar na próxima semana

Tem que adiar isso daí

Vitorioso nas prévias eleitorais argentinas, Fernández defende renegociação de acordo com o FMI

Alberto Fernández afirmou que o acordo para o pagamento de dívidas junto ao Fundo Monetário Internacional é “impossível de cumprir”

Opinião polêmica

Senadora Simone Tebet: ‘Bolsonaro ainda não vestiu o terno de presidente’

Referindo-se ao presidente, senadora do MDB afirmou “jamais imaginei que pudéssemos chegar onde chegamos”

Na hora de prestar contas

Presidente do Senado briga na Justiça para manter sigilo de gastos parlamentares

Destinadas a cobrir despesas relativas ao exercício do mandato, as cotas variam entre R$ 30 mil e R$ 45 mil, a depender do Estado do congressista

Nem tão hermanos assim

Bolsonaro volta a falar sobre Argentina e diz que país está cada vez mais próximo da Venezuela

Presidente usou sua conta no Twitter para fazer novos comentários sobre o processo sucessório na Argentina

Seu Dinheiro no domingo

Liberais não fazem pacotes

Dentro de mais alguns dias conheceremos o Produto Interno Bruto (PIB) do segundo trimestre. O resultado será magro e há quem fale em recessão técnica. Na sequência veremos uma nova onda de críticas e demandas na linha: “o governo tem quem fazer alguma coisa! Tem que impulsionar a demanda! Esse BC está errado!”. Sinto desapontar […]

Trilhando caminhos

Jovens precisam ter resiliência e iniciativa, dizem executivos sobre ser um novo empresário

Executivos falam sobre os comportamentos que um jovem ingressante numa grande empresa deve ter para trilhar um caminho profissional de sucesso

Crise partidária

Pedro Simon, ex-governador do RS: ‘existe o risco de o MDB desaparecer’

Em entrevista ao Estadão, o filiado ao MDB desde 1965 diz que seu partido precisa fazer uma “profunda reflexão”

Barrado na embaixada?

Consultoria do Senado diz que indicação de Eduardo Bolsonaro configura nepotismo e senadores se articulam para rejeitar seu nome

Parecer foi embasado no entendimento da Súmula Vinculante nº 13, do Supremo Tribunal Federal, que trata sobre nepotismo

Analisando a situação dos hermanos

Crise Argentina, feitiço do tempo

Os grandes desafios econômicos de Maurício Macri também parecem reimpressões de velhos e bem conhecidos problemas argentinos

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements