Menu
Fernando Pivetti
Fernando Pivetti
Jornalista formado pela Universidade de São Paulo (USP). Foi repórter setorista de Banco Central no Poder360, em Brasília, redator no site EXAME e colaborou com o blog de investimentos Arena do Pavini.
Eleições 2018

A urna eletrônica e a nova polêmica de Bolsonaro

Internado em hospital de São Paulo, candidato do PSL acusou o PT de tentar promover uma fraude nas eleições. A fala gerou respostas

17 de setembro de 2018
16:54 - atualizado às 16:24
Bolsonaro disse duvidar da segurança das urnas eletrônicas e acusou o PT de armar fraude eleitoralImagem: Shutterstock

O candidato do PSL à Presidência da República, Jair Bolsonaro, colecionou uma nova polêmica ao questionar a segurança das urnas eletrônicas. Em vídeo gravado no Hospital Albert Einstein em São Paulo e transmitido pelas redes sociais no domingo, 16, Bolsonaro acusou o PT de tentar promover uma "fraude" nas eleições de outubro.

Segundo o presidenciável, sem o voto impresso não é possível ter total segurança no processo eleitoral.

A fala gerou respostas de outros candidatos. Geraldo Alckmin (PSDB) saiu provocando o deputado ao dizer que o receio demonstrado por Bolsonaro é justificativa para uma derrota antecipada. "Eu disputei dez eleições. Ganhei, perdi. Não teve fraude nenhuma. Aliás, o Brasil é um exemplo no mundo de avanço tecnológico, de avanço eleitoral que tem até uma justiça eleitoral", disse Alckmin.

Já Fernando Haddad (PT) cobrou que o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) se manifeste em relação às declarações. "Espero que o TSE se manifeste em elação a essas acusações que estão sendo feitas porque, na verdade, quem garante a lisura do processo é o TSE", disse Haddad, durante sabatina realizada nesta segunda-feira.

STF responde a jato

Não demorou muito para que o próprio presidente do STF, Dias Toffoli, respondesse (com ironia) às acusações do candidato do PSL. “Tem gente que acredita em saci-pererê.”

Toffoli lembrou também que o próprio Bolsonaro foi eleito deputado federal diversas vezes pela urna eletrônica.

Ao perceber a repercussão negativa das declarações, o candidato a vice na chapa de Bolsonaro, general Hamilton Mourão (PRTB), afirmou que é preciso "relevar" as últimas declarações do capitão reformado de que poderia contestar o resultado das eleições se o voto não for impresso.

"Vocês têm que relevar um homem que quase morreu há uma semana, fez duas cirurgias. Vamos relevar o que ele disse", disse o general a jornalistas, após participar de um evento no Secovi-SP.

O general foi além e disse que "quem vencer, venceu", mas que teria pena do Brasil se o PT ganhasse as eleições.

* Com Estadão Conteúdo

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
Conteúdo patrocinado por Startse

Milionária sem sair da cama

O caso da inglesa que ficou milionária trabalhando de pijama no quarto – e o número de brasileiros que querem enriquecer da mesma forma.

Um toma lá da cá

Em discurso, Bolsonaro diz que responsabilidade sobre a previdência está com o Parlamento

“Não é uma questão de governo, e sim de estado, para que nós do Brasil não experimentemos situações que outros países enfrentaram, como na Europa”, disse o presidente

Aliados

Partidos saem em defesa de Maia após crise com governo

Em um gesto de apoio a Maia, o PPS recebeu o presidente da Câmara em sua convenção nacional realizada hoje em Brasília

Águas passadas?

Maia diz que atrito com governo em relação à Previdência é “página virada”

Ele falou com jornalistas antes de uma breve participação em congresso do PPS, em Brasília

Bon Vivant

Saiba quais são as maratonas preferidas de quem trabalha no mercado financeiro

Boston, Chicago, Nova York e Berlim estão entre as competições preferidas, mas a lista inclui também provas exóticas

Tempos ruins para a empresa

Dívida da Avianca dá “salto” e agora é de R$ 2,7 bilhões

A alteração no valor da dívida ocorreu em dois momentos. Em janeiro, a companhia atualizou a primeira lista para R$ 1,3 bilhão por conta própria. Protocolada ontem na Justiça, a segunda modificação, para R$ 2,7 bilhões, veio depois de pedido dos credores

Será que vem chumbo quente por aí?

Caminhoneiros se mobilizam para nova paralisação

Os monitoramentos são feitos pelo Gabinete de Segurança Institucional (GSI), que tem por missão se antecipar aos fatos para evitar problemas para o governo

Clima pesado no governo

“Não dei motivo”, diz Bolsonaro sobre a saída de Maia da articulação

O presidente disse que a declaração de seu filho, o vereador Carlos Bolsonaro (PSC-RJ), com críticas a Maia por adiar a tramitação do projeto anticrime, não é motivo para ele ameaçar sair da articulação política

Polêmica

Bretas usou proposta rejeitada no Congresso para prender Temer, diz jurista

Thiago Bottino afirmou que tanto os procuradores do Ministério Público Federal quanto Bretas se fundamentaram no item número 9 do pacote das “Dez medidas contra a corrupção”, apresentado em 2016 por integrantes da Lava Jato, para prender Temer

BOMBOU NA SEMANA

MAIS LIDAS: do país das maravilhas à dura realidade

 A segunda-feira começou com o Ibovespa aos 100 mil pontos, um marco histórico na bolsa de valores brasileira. O clima azedou e o índice fechou na sexta abaixo de 94 mil

Cripto

Como declarar bitcoin e outras criptomoedas no imposto de renda

Criptoativos podem até não ser regulados, mas isso não quer dizer que seus entusiastas não precisam prestar contas ao Leão. A Receita, como era de se esperar, está de olho…

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu