Menu
Fernando Pivetti
Fernando Pivetti
Jornalista formado pela Universidade de São Paulo (USP). Foi repórter setorista de Banco Central no Poder360, em Brasília, redator no site EXAME e colaborou com o blog de investimentos Arena do Pavini.
Repasses do exterior

A tempestade de dinheiro que caiu no Brasil em agosto

Remessas de recursos de brasileiros no exterior para o país deu um verdadeiro salto no mês passado e ultrapassou o total acumulado no ano

24 de setembro de 2018
15:35 - atualizado às 15:36
Repasses de brasileiros no exterior para o Brasil em agosto superou todo o acumulado do ano até julho - Imagem: Shutterstock

Em época de sobe e desce constante do dólar, alguns indicadores da economia acabam fugindo da curva normal. Em agosto foi a vez das transferências pessoais - aquelas em que uma pessoa física no exterior remete recursos para sua família no Brasil - registrarem um salto.

Somente no mês passado, US$ 72,1 milhões líquidos entraram no país via essas transferências. Aí você pode me falar que um número isolado não te diz nada. Pois bem: só a título de comparação, de janeiro a julho deste ano, a soma de todas as entradas mensais era de US$ 36,6 milhões. O número de agosto é 13 vezes maior do que os US$ 5,4 milhões registrados no mesmo mês do ano passado.

Vale lembrar que esses números, que foram publicados pelo Banco Central nesta segunda-feira, 24, são líquidos, ou seja, o número equivale aos envios de dinheiro ao Brasil já descontados as remessas feitas por estrangeiros que estão aqui para suas famílias no exterior.

A culpa é toda do dólar

Em coletiva de imprensa mais cedo, para apresentar as Estatísticas do Setor Externo, o chefe do Departamento de Estatísticas do BC, Fernando Rocha, destacou o aumento das remessas para o Brasil. "Este impacto muito pontual tem mais a ver com o câmbio do que com o aumento do número de brasileiros que moram no exterior", afirmou Rocha.

Na prática, com a moeda americana mais cara, quem remete recursos para o Brasil consegue trocar uma mesma quantidade de dólares por um montante maior de reais. Isso acaba estimulando as remessas de quem trabalha fora para as famílias no Brasil.

E os próximos meses prometem

É curioso esse dado do BC ter saído alguns dias depois de uma nova norma do banco sobre esse tipo de repasse. Na última quinta-feira, 20, o BC alterou regras com o objetivo de facilitar este tipo de operação e que passam a valer a partir de 1º de novembro.

Nessa nova normal, toda a burocracia para o envio de moeda e câmbio poderá ser feita no exterior, pelo remetente dos recursos, em seu próprio banco. O destinatário receberá o dinheiro em sua conta corrente, em reais, sem a necessidade de fazer operações de câmbio ou arcar com custos adicionais. A novidade valerá para transferências equivalentes a até R$ 10 mil.

*Com Estadão Conteúdo.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
Conteúdo patrocinado por Startse

Milionária sem sair da cama

O caso da inglesa que ficou milionária trabalhando de pijama no quarto – e o número de brasileiros que querem enriquecer da mesma forma.

GUIA

Ebook sobre como declarar investimentos no Imposto de Renda 2019

Saiba como declarar rendimentos e saldos em ações, títulos do Tesouro Direto, fundos de investimento, fundos imobiliários, imóveis, COE, poupança e outras aplicações financeiras.

Tretas à vista?

Maia diz que Guedes tenta intervir na escolha do relator da Previdência

O ataque a Guedes tinha outro alvo, o presidente da República, Jair Bolsonaro

Em viagem a São Paulo

Maia se encontra com Doria e diz que nova Previdência permitirá melhor ambiente fiscal nos Estados

Segundo Maia, seu diálogo com os governadores acontece desde que foi reeleito, mas no caso específico de São Paulo, “Doria se mostra preocupado com a reforma da Previdência”, reforçou.

Hora de receber o dinheiro de volta

Em rede social, Bolsonaro diz que quer endurecer cobrança de dívidas e recuperar R$ 4 bilhões ao ano

Ontem, a Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PGFN) detalhou as medidas previstas no referido projeto de Lei 1.646/2019

Clima está tenso

“O governo é um deserto de ideias”, afirma Maia

Na avaliação do presidente da Câmara, o ministro da Economia, Paulo Guedes, é “uma ilha” dentro do Executivo

Um toma lá da cá

Em discurso, Bolsonaro diz que responsabilidade sobre a previdência está com o Parlamento

“Não é uma questão de governo, e sim de estado, para que nós do Brasil não experimentemos situações que outros países enfrentaram, como na Europa”, disse o presidente

Aliados

Partidos saem em defesa de Maia após crise com governo

Em um gesto de apoio a Maia, o PPS recebeu o presidente da Câmara em sua convenção nacional realizada hoje em Brasília

Águas passadas?

Maia diz que atrito com governo em relação à Previdência é “página virada”

Ele falou com jornalistas antes de uma breve participação em congresso do PPS, em Brasília

Bon Vivant

Saiba quais são as maratonas preferidas de quem trabalha no mercado financeiro

Boston, Chicago, Nova York e Berlim estão entre as competições preferidas, mas a lista inclui também provas exóticas

Tempos ruins para a empresa

Dívida da Avianca dá “salto” e agora é de R$ 2,7 bilhões

A alteração no valor da dívida ocorreu em dois momentos. Em janeiro, a companhia atualizou a primeira lista para R$ 1,3 bilhão por conta própria. Protocolada ontem na Justiça, a segunda modificação, para R$ 2,7 bilhões, veio depois de pedido dos credores

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu