Menu
2019-05-12T09:29:39+00:00
Bruna Furlani
Bruna Furlani
Jornalista formada pela Universidade de Brasília (UnB). Fez curso de jornalismo econômico oferecido pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). Tem passagem pelas editorias de economia, política e negócios de veículos como O Estado de S.Paulo, SBT e Correio Braziliense.
Nada fácil

A semana em que Trump levou o mercado à loucura. Veja como foi a reação dos investidores

Ao longo dos cinco dias, o S&P 500, por exemplo, sofreu. O índice fechou a semana com queda de 2,2%, o que representa a sua pior performance em uma semana ao longo deste ano. 

11 de maio de 2019
16:20 - atualizado às 9:29
Donald Trump
Presidente dos EUA - Imagem: shutterstock_

Acirramento da guerra comercial entre Estados Unidos e China, tweets em sequência de Donald Trump, balanços de empresas de tecnologia abaixo da expectativa e o IPO da Uber que derrapou ao engatar a primeira marcha. Ufa, definitivamente não foi uma semana fácil. E o mercado que o diga.

Depois de balançar para cima e para baixo, os três principais índices da bolsa norte-americana, S&P 500, Dow Jones e Nasdaq terminaram a semana com uma leve valorização.

Na lanterninha ficou o Nasdaq que fechou a sexta-feira (10) com alta de 0,08%. O S&P 500 e o Dow Jones, por sua vez, terminaram com valorização de 0,37% e 0,44%, respectivamente. Os números poucos expressivos foram reflexo de uma semana que deixou o mercado financeiro de cabelo em pé.

Perda acumulada

Mas a leve recuperação dos índices no último pregão não foi suficiente para apagar o estrago de toda a semana. Ao longo dos cinco dias, o S&P 500, por exemplo, sofreu. O índice fechou a semana com queda de 2,2%, o que representa a sua pior performance em uma semana ao longo deste ano.

E não foi só ele que sentiu um baque. O índice VIX, que mede o medo dos investidores, também aumentou 25%. O percentual representa a segunda maior alta semanal de 2019.

Domingo

Mas como começou tudo isso? O pontapé inicial ocorreu no último domingo (5) quando Donald Trump usou o Twitter para dizer que estava planejando aumentar as tarifas de 10% para 25% que recaem sobre US$ 200 bilhões de produtos chineses.

Segundo ele, as negociações comerciais com Pequim estavam “muito devagar”. “Não!”, escreveu Trump, que também ameaçou sobretaxar “em breve” outros US$ 325 bilhões em importações chinesas para 25%.

A postura do presidente norte-americano pegou a China e o mercado financeiro de surpresa, uma vez que, até então, a Casa Branca vinha dizendo que as conversas com os chineses estavam “indo bem” e eram “produtivas”.

O dia seguinte

E o reflexo disso pode ser visto na queda de quase 2% sinalizada pelos índices futuros das bolsas de Nova York logo na manhã de segunda-feira (6). Mas não foram só os Estados Unidos que sentiram. A insegurança contaminou o pregão na Europa. As principais praças do velho continente também abriram em baixa ao redor de 2%, sofrendo ainda com um feriado em Londres.

Depois do baque, o S&P 500 e Nasdaq fecharam a segunda-feira com baixa moderada de 0,44% e de 0,50%, respectivamente. Já o termômetro do medo como é conhecido o índice VIX saltou mais de 40%, mas perdeu força e terminou o pregão em cerca de 20%.

O Dow Jones, que chegou a cair mais de 470 pontos logo na abertura, minimizou as perdas ao longo do dia e teve queda de 0,25% na segunda-feira, fechando em 26.438 pontos.

Ao longo da semana

Depois de quase recuperar as suas perdas no fechamento de segunda-feira, o S&P 500 teve leve piora na terça-feira (7) e terminou o dia com queda de 1,7%, a terceira maior baixa diária já registrada neste ano.

Sem nenhuma novidade por parte dos chineses ou dos americanos, os mercados permaneceram à espera de informações e acompanhando com certa apreensão o aumento das perdas de quarta-feira (8) até a última sexta-feira (10).

Tudo indicava que a semana terminaria bem mal, até que o secretário do tesouro dos Estados Unidos, Steven Mnuchin, resolveu falar e conter um pouco a sangria nos mercados.

Para acalmar os ânimos, Mnuchin disse que as negociações entre China e Estados Unidos tinham sido "construtivas" e que a agenda para a última sexta-feira já tinha sido concluída.

Mesmo sem mostrar que o fim das negociações estava próximo do fim, as palavras de Mnuchin serviram para fazer com que o mercado voltasse às compras. E isso pode ser sentido em alguns índices. O S&P 500, por exemplo, passou uma borracha nas perdas do começo da manhã de sexta-feira e terminou o dia com alta de 0,4%.

A decisão de Trump

E há quem diga que se não fosse o tweet de Trump sobre o aumento das tarifas sobre os produtos chineses, talvez a semana poderia ter sido muito boa para as bolsas norte-americanas. Isso porque a expectativa dos analistas para os balanços das companhias apontava para um bom crescimento.

Aliado a isso ainda havia uma postura mais tranquila do Fed, que optou por manter os juros entre 2,25% e 2,5% e voltou a falar em sólido crescimento econômico. Logo, em um cenário tão positivo qualquer "tremor de terra" poderia causar grande impacto.

Apesar de semana já ter passado, mesmo que um acordo final com a China pareça distante, uma certeza que temos agora é que investidores do mundo todo estarão atentos aos próximos passos das negociações entre os dois países.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

Vem que vem!

Banco N26, o “Nubank alemão”, levanta mais US$ 170 mi e diz que o seu próximo destino pode ser o Brasil

Com isso, ele elevou o seu valor de mercado para US$ 3,5 milhões e passou a figurar entre as startups europeias mais valiosas e entre as dez principais fintechs do mundo

De volta para o dono

Lava Jato recupera mais R$ 67 mi no exterior

Os valores foram transferidos para contas judiciais vinculadas ao processo e integram os mais de R$ 13 bilhões que são alvo de recuperação pela Lava Jato ao longo de cinco anos de operação, destaca a Procuradoria

Seu Dinheiro na sua noite

O herói improvável

As histórias que mexeram com o Seu Dinheiro hoje

De olho nos valores

Preço médio dos imóveis residenciais sobe 0,36% em junho em dez capitais

A pesquisa mostrou que, no mês, todas as dez capitais pesquisadas tiveram alta nos preços médios: Brasília (0,04%), Fortaleza (0,06%), Salvador (0,08%), Porto Alegre (0,16%), Rio de Janeiro (0,18%), Belo Horizonte (0,19%), Curitiba (0,19%), Goiânia (0,22%), Recife (0,38%) e São Paulo (0,68%)

DE OLHO NO GRÁFICO

Bitcoin em nova alta e S&P no sinal amarelo

Fausto Botelho está estupidamente otimista com o bitcoin, que pode ter uma nova onda de valorização. Já o S&P, principal índice americano, pode trazer um terremoto para o resto do mundo

De olho nos próximos recebidos

Preparação de atendimento pela Caixa contribuiu para adiamento de saque do FGTS

Em 2017, para que 25,9 milhões de trabalhadores retirassem R$ 44 bilhões das contas inativas (de contratos anteriores) do FGTS, a Caixa preparou um esquema de atendimento que previu a abertura das agências mais cedo e nos fins de semana no período, que foi de 10 de março a 31 de julho

Entenda o caso

Depois de fixar o preço dos papéis em R$ 1,10 no follow-on, ações da Tecnisa despencam mais de 9%

O mais provável é que a queda vertiginosa esteja associada ao fato de que o papel esteja se ajustando ao preço estipulado na oferta de ações

A hora é agora

Como consultar o seu saldo do FGTS

Medida que injeta até R$ 30 bilhões na economia deve ser anunciada na próxima semana. Saiba como consultar o seu saldo do FGTS

Novidades na prateleira

RCI Brasil, das montadoras Renault e Nissan, passa a oferecer CDB com liquidez diária e rentabilidade de 102% do CDI

A desvantagem é que o valor inicial de aplicação do investimento é um pouco alto. No caso do Banco Sofisa, por exemplo, o valor inicial de aplicação é de R$ 1. Já no Inter e no C6 Bank, a aplicação inicial é de R$ 100

Aos números

Economia com reforma da Previdência após 1º turno fica em R$ 914,3 bilhões

Impacto fiscal ao longo de 10 anos sobe a R$ 933,5 bilhões, considerando aumento CSLL sobre os bancos. MP de fraudes pode render outros R$ 200 bilhões

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements