Menu
Angela Bittencourt
Blog da Angela
Angela Bittencourt
é jornalista e editora da Empiricus
2019-04-20T17:13:40+00:00
BLOG DA ANGELA

A digital de Paulo Guedes no BC

Além de terem trabalhado juntos, ambos têm afinidades pessoais. No início de janeiro, Campos Neto foi nomeado assessor no gabinete do ministro da Economia.

14 de março de 2019
17:36 - atualizado às 17:13
Roberro Campos Neto Paulo Guedes Ilan Goldfajn
O presidente do Banco Central (BC), Roberto Campos Neto, o ministro da Economia, Paulo Guedes, e o ex-presidente do BC Ilan Goldfajn durante cerimônia de transmissão de cargo. - Imagem: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

Ilan Goldfajn e Roberto Campos Neto foram econômicos na transmissão de cargo na Presidência do Banco Central, na quarta-feira (13). Ilan passou o bastão em um discurso de oito páginas e Campos Neto recebeu com um discurso de nove. Foram poucas palavras para discursos formais, mas densas em conteúdo. Ilan citou nominalmente cada colaborador e agradeceu a parceria a todos e a cada um. Campos Neto deu uma sinalização cirúrgica do que pretende em sua gestão. Ambos destacaram o redirecionamento da política econômica a partir de 2016 ­– para melhor, claro.

Ilan encerrou uma gestão histórica de 30 meses à frente do BC, deixando um legado consistente. Nele destacam-se, contudo, a restauração da credibilidade da instituição e suas políticas e o regime de metas para a inflação, que ele mesmo ajudou a implantar no Brasil há duas décadas.

Campos Neto deu início a uma gestão de 48 meses. O Banco Central ainda não tem autonomia formal. Portanto, o mandato do seu presidente deve acompanhar o mandato do presidente da República, Jair Bolsonaro (PSL). Neto do lendário Roberto Campos, o novo presidente do BC chega com a chancela do ministro Paulo Guedes (Economia), de quem é muito próximo.

Além de terem trabalhado juntos, ambos têm afinidades pessoais. No início de janeiro, Campos Neto foi nomeado assessor no gabinete do ministro da Economia. Nos últimos muitos anos, indicados ao comando do BC assumiram funções dentro da instituição, enquanto aguardavam a aprovação de seus nomes pelo Senado Federal.

Ao afirmar, na cerimônia de posse, que o BC, com o esforço de todos, “contribuirá para o desenho de um país melhor, fundado no livre mercado, onde se destaque cada vez mais o Brasil e menos Brasília”, Campos Neto renovou o seu compromisso com o ministro e com o presidente da República.

As prioridades de Campos Neto

Ele listou seis objetivos a perseguir em sua gestão: manter a inflação baixa e controlada e continuar aprimorando mecanismos de comunicação; manter o sistema financeiro sólido e eficiente, com um mercado de capitais fortalecido; ter autonomia do BC registrada na lei; reduzir o custo de intermediação financeira; tornar o mercado mais aberto para os estrangeiros, com uma eventual moeda conversível que sirva de referência para a região; e reduzir o papel do governo, hoje um grande ator do sistema financeiro.

Os últimos dois objetivos devem aproximar, ainda mais, a autoridade monetária do Ministério da Economia ao longo do atual governo, inclusive, porque tornar o real uma moeda conversível e reduzir o papel do governo no sistema financeiro exigem a cooperação de segmentos da área econômica que vão além do BC.

Tornar a moeda conversível tem implicações comerciais consideráveis. O Brasil tem uma corrente comercial superior a 400 bilhões de dólares em 12 meses, importante conta financeira e intrincada legislação cambial, sem falar na tributação. Reduzir a presença do governo no sistema financeiro é outro objetivo de considerável abrangência. O Tesouro responde por uma dívida mobiliária interna de quase 3,7 trilhões de reais; o BC movimenta, adicionalmente, cerca de 1,2 trilhão de reais em títulos do próprio Tesouro em operações de curto prazo; e o Banco do Brasil e a Caixa Econômica Federal são as maiores instituições financeiras do país.

O novo presidente do BC elogiou o trabalho do antecessor e destacou a importância da redução da Selic a nível historicamente baixo: 6,5 por cento ao ano. A transmissão dessa referência aos juros bancários foi também elogiada.

Contudo, Campos Neto marcou um gol de placa ao lembrar que a Selic (em sua mínima histórica por cerca de um ano) permite ao governo perceber melhor algumas distorções e propor políticas que melhorem a eficiência dos mercados. E citou, como exemplo dessas distorções, os programas de empréstimos subsidiados, principalmente por meio do BNDES.

“A evidência empírica sugere que as empresas com acesso a esses recursos não aumentaram seus investimentos. Além disso, os pagamentos antecipados por parte das empresas de empréstimos de longo prazo obtidos junto ao BNDES ressaltam a natureza de tesouraria de parte dessas operações, que deixaram de ser atrativas com a redução do diferencial entre a TJLP (Taxa de Juro de Longo Prazo) e a Selic”, afirmou.

Em miúdos, ele mostrou que o governo identifica a ação oportunista desse tipo de operação que corresponde a uma arbitragem da taxa de juros. Não à toa, o novo presidente do BC é um reconhecido especialista em mercados futuros.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

Mais perto do que se imagina

Sem reformas, País deve violar “regra de ouro” em 2020 e ter recessão, diz OCDE

Organização acredita que não aprovação das reformas resultaria em custos de financiamento mais altos e consequentemente um crescimento mais baixo

A volta da esquerda?

Quatro a cada 10 norte-americanos apoiam o socialismo, diz pesquisa

Levantamento da Gallup mostra que 43% das pessoas acreditam que o socialismo é algo bom para o País, enquanto para 51% ainda é algo ruim; números contrastam com pesquisa de 70 anos atrás

Fraudes em fundos de pensão

Justiça ratifica denúncia de Operação Rizoma contra desvios no Postalis e Serpros

Entre os acusados estão o empresário Milton Lyra, o “operador do MDB”, o ex-tesoureiro do PT, João Vaccari Neto, e o empresário Arthur Mario Pinheiro Machado

Blog da Angela

Grandes fundos emprestaram uma bolada de dinheiro para o governo. Por que isso é ruim?

Patrimônio de fundos sob gestão dos maiores administradores do país está comprometido em 80% com títulos públicos; ações respondem por 3,5% e aplicações no exterior por 0,5% do total

Bateu o pé

Presidente da Comissão Especial reafirma calendário da reforma da Previdência e diz que relatório sai até dia 15

Prazo para apresentação de emendas, que encerraria nesta quinta-feira, 23, deve ser adiado para o dia 30

De olho no gráfico

É hora de comprar Ambev, BB, Petrobras e outras blue chips da Bolsa?

Coluna traz vídeos sobre análise gráfica e dicas de investimentos. Terças e quartas o tema é o mercado de ações. Quinta-feira é a vez das criptomoedas

Aliança ambiciosa

EDP e Engie assinam memorando para criação de joint venture no setor eólico

Em nota, a EDP informa que as duas empresas combinarão seus ativos eólicos offshore e os projetos em desenvolvimento na recém-criada joint venture, que deve estar em operação até o fim de 2019

Câmbio

BC rola mais US$ 1,25 bilhão em leilão linha com compromisso de recompra

Operações foram anunciadas na sexta-feira. Ontem, rolagem também foi de US$ 1,25 bilhão e ainda teremos mais uma operação amanhã

Nada muda (ufa!)

Fitch reafirma rating do Brasil em “BB-“, com perspectiva estável

Nota do País segue limitada pelas fraquezas nas finanças, perspectivas de crescimento fracas, corrupção e um ambiente político turbulento

menos linhas

Mesmo com reformas, texto da Constituição tem de ser reduzido, diz presidente do STF

Para o ministro Dias Toffoli, se forem aumentados números de dispositivos na Constituição, a possibilidade de judicialização das questões é maior

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements