Menu
2019-08-16T12:39:00+00:00
A guerra lá, ecoa aqui...

A briga entre China e EUA preocupa Votorantim

Parte do desempenho do grupo Votorantim no segundo trimestre se deve ao bom resultado das operações comerciais entre Brasil e América do Norte. A tensão entre EUA e China pode desestabilizar o mercado de commodities.

16 de agosto de 2019
12:39
guerra comercial
Imagem: Shutterstock

O grupo Votorantim registrou lucro líquido de R$ 225 milhões no segundo trimestre, 54,1% mais do que o mesmo período do ano passado. A receita líquida do conglomerado, que tem negócios em cimento, energia e metais manteve-se estável, encerrando em R$ 7,9 bilhões entre abril e junho. No primeiro trimestre, o lucro da companhia havia sido de R$ 4,4 bilhões, turbinado pela venda da Fibria ao grupo Suzano.

O bom desempenho do grupo no segundo trimestre reflete os resultados das operações de cimento no Brasil e na América do Norte, vendas maiores de produtos mais caros de alumínio e de excedentes de energia. A desvalorização do real frente ao dólar (de 9% na comparação entre o segundo trimestre de 2018 e o mesmo período de 2019) na consolidação das operações no exterior também contribuiu para os bons resultados.

Tensão. Sergio Malacrida, diretor financeiro do Votorantim, disse que o grupo está acompanhando o desenrolar da guerra comercial entre Estados Unidos e China para entender o impacto futuro nos negócios. Dono da CBA, produtora de alumínio, e da Nexa, produtora de zinco, o grupo entende que o agravamento da disputa entre os dois países pode afetar os resultados dessas divisões do conglomerado. “Uma resposta rápida a essa guerra traria maior estabilidade às commodities de maneira geral”, disse Malacrida.

A retomada lenta da economia brasileira também é outra preocupação do grupo. Os resultados da divisão de cimento, sobretudo, estão atrelados ao melhor desempenho do PIB. “Nossos negócios de cimento estão indo muito bem nos Estados Unidos”, disse ele. “Aqui no Brasil, contudo, ainda não. Se a economia não reage, a indústria não volta a crescer. Com a retomada da confiança, os investimentos voltarão.”

Diante desses dois fatores, Malacrida não arrisca fazer projeções de desempenho de resultados financeiros para os próximos meses. “O risco de errar é grande”, afirma.

Para este ano, o grupo prevê investimentos de R$ 3,5 bilhões. No segundo trimestre, o valor de aporte foi de R$ 719 milhões, com aumento de 38% sobre o mesmo período do ano passado. Quase 90% desses recursos foram destinados para a fábrica da Nexa de Aripuanã (MT) e o aprofundamento da mina de Vazante (MG).

Aposta em infraestrutura. No fim do ano passado, a família Ermirio de Moraes, controladora do grupo, deu dois passos importantes na reestruturação dos negócios. Além de vender a gigante de celulose para o grupo da família Feffer, tornou-se controladora da Companhia Energética de São Paulo (Cesp), em parceria com o fundo de pensão canadense CPPIB. Aquisições na área de energia estão no radar do grupo. O conglomerado avalia também disputar concessões de portos e aeroportos, além de expandir atuação no mercado imobiliário.

Também sócio do banco Votorantim e da Citrosuco, o conglomerado encerrou junho com dívida líquida de R$ 10,4 bilhões, 21% inferior a dezembro. A alavancagem financeira, medida pela relação dívida líquida com geração de caixa, atingiu 1,56 vez, redução de 0,36 vez em relação a dezembro e 1,15 vez em relação a junho de 2018.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

Linha VIP

Bradesco e Itaú preparam crédito imobiliário ajustado pelo IPCA para endinheirado

Bancos privados correm atrás da concorrente Caixa Econômica Federal, que ofereceu a modalidade para o público em geral

Grana solta

Onyx anuncia liberação de R$ 8,3 bilhões em recursos do Orçamento

Informações do ministro mostram que, do total desbloqueado, R$ 1,9 bilhão ficará para a Educação

De olho nas cotações

Preocupações com a alta do petróleo diminuem após declarações de ministro saudita

O ministro de Energia da Arábia Saudita, Abdulaziz bin Salman, afirmou que a oferta do petróleo voltou ao nível visto antes do ataque

Leilão em outubro

17 empresas se inscrevem para 16ª rodada de petróleo, diz ANP

Entre as inscritas, 15 são estrangeiras. Na 16ª Rodada de Licitações, vão ser oferecidos 36 blocos de pós-sal

De olho nos bons modelos

Por que Elon Musk acha que a Tesla tem que ser mais parecida com a Amazon?

Em uma ligação, Musk sugeriu que a Amazon não sobreviveria se utilizasse um modelo de entregas similar ao que a Tesla utiliza

boas novas

Desde lançamento, 20% dos financiamentos pela Caixa foram IPCA, diz CEO da Tecnisa

Linha de crédito atualizada pela inflação vale para imóveis residenciais enquadrados no Sistema Financeiro da Habitação (SFH) e no Sistema Financeiro Imobiliários (SFI)

Dicas valiosas

5 coisas que os ultrarricos estão fazendo (e que você deveria fazer) para proteger seu patrimônio

Pauta de uma recessão financeira entrou de vez na lista de grandes especialistas e proteger o seu patrimônio deve ser uma de suas prioridades

campeão?

Brasil está entre os países que menos cobram impostos sobre renda

País teve a quarta menor carga tributária para pessoas das duas rendas anuais estudadas por rede de empresas de auditoria e contabilidade

Mercados

Está faltando dólar nos EUA e Fed oferta US$ 75 bilhões

Situação pouco comum no mercado interbancário leva Banco Central americano a ofertar liquidez pela primeira vez em 10 anos. No fim da tarde, outra operação foi anunciada para quarta-feira

mudança nas regras

Sem correção do salário mínimo, economia pode ir a R$ 37 bilhões

Os reajustes pela inflação e variação do PIB vigoraram de 2011 a 2019, mas nem sempre o salário mínimo subiu acima da inflação

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements