2022-01-17T15:05:13-03:00
Carolina Gama
DERRUBADO PELA COVID

Com CEO fura-quarentena e perdas de clientes, Credit Suisse tem desafio de recuperar reputação

Credit Suisse volta a ser abalado com saída de CEO que veio para recuperar a imagem do banco, mas foi pego violando as regras da quarentena contra a covid-19

17 de janeiro de 2022
15:05
credit suisse fachada
Imagem: Shutterstock

Antonio Horta-Osorio, ex-chefe Lloyds Banking Group, ingressou no Credit Suisse com uma missão: ajudar a recuperar a imagem do banco suíço após uma série de escândalos. Nove meses depois, o português não só não cumpriu o combinado como jogou ainda mais lenha na fogueira de uma instituição financeira que quer recuperar sua reputação

Após violar as regras de quarentena da covid-19 no ano passado, inclusive assistindo às finais de tênis de Wimbledon, Horta-Osorio renunciou no domingo (16) ao cargo de presidente do Credit Suisse. 

"Lamento que várias das minhas ações pessoais tenham levado a dificuldades para o banco e comprometido minha capacidade de representá-lo interna e externamente", disse Horta-Osorio em comunicado divulgado pelo banco.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Clique aqui e receba a nossa newsletter diariamente

As regras que Horta-Osorio quebrou

No mês passado, uma investigação preliminar do Credit Suisse descobriu que Horta-Osório havia violado as regras da covid-19. 

Ele esteve nas finais de tênis de Wimbledon em julho, em um momento em que as restrições do Reino Unido por conta da pandemia exigiam que ele ficasse em quarentena.

O banqueiro também violou as restrições suíças para a covid-19 quando, segundo a Reuters, voou até o país em 28 de novembro, mas partiu em 1º de dezembro. Sob as regras da Suíça,  ele deveria ficar em quarentena por  dez dias após a chegada.

A missão no Credit Suisse 

Horta-Osorio assumiu a presidência do segundo maior banco da Suíça em abril do ano passado com a missão de limpar a cultura corporativa após o envolvimento prejudicial da instituição com a empresa de investimentos falida Archegos Capital e a insolvente empresa financeira Greensill Capital.

Os clientes do Credit Suisse perderam bilhões depois que o banco os canalizou para produtos financeiros projetados pela Greensill, enquanto o próprio banco sofreu um golpe multibilionário com o colapso da Archegos.

O banco também se viu no centro de um escândalo de espionagem incomum que resultou na saída do presidente-executivo Tidjane Thiam.

Quem entra no lugar? 

O Credit Suisse insistiu que a revisão estratégica, anunciada em novembro e que inclui uma redução dos negócios de banco de investimento, continuará implacável. 

Para dar continuidade a essa missão o escolhido foi o executivo do UBS, Axel P. Lehmann, que assume a presidência do banco. 

Para analistas, o Credit Suisse tomou a decisão certa ao remover Horta-Osório e Lehmann foi uma escolha sábia, pois a empresa procura oferecer estabilidade.

Bruno Verstraete, sócio-gerente da gestora de ativos Lakefield Partners, com sede em Zurique, disse à CNBC que Lehmann é uma escolha que representa a estabilidade que o Credit Suisse precisa, dada a vasta experiência do executivo em gerenciamento de risco.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Clique aqui e receba a nossa newsletter diariamente
Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

O SOL HÁ DE BRILHAR MAIS UMA VEZ

Cemig (CMIG4) amplia presença em energia solar em negócio milionário; confira os detalhes do negócio

A transação envolve três usinas fotovoltaicas e reforça a estratégia da companhia de crescimento sustentável no mercado de geração distribuída

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Ibovespa abaixo dos 100 mil novamente, presidente da Caixa pede demissão e o salvador do mundo cripto; confira os destaques do dia

As últimas semanas parecem ter inaugurado um novo modus operandi no mercado financeiro: não há boa notícia ao amanhecer que perdure até o anoitecer.  Alta de commodities, alívio no cenário fiscal, retomada econômica chinesa. Pode escolher a sua arma, nada parece forte o suficiente para enfrentar o temor de uma recessão global e de um […]

Nova aquisição

Ambipar (AMBP3) volta às compras e adquire a Bioenv, que desenvolve projetos de monitoramento do meio ambiente

Como a compra foi feita por meio da controlada Ambipar Response ES S.A., não precisará ser aprovada pelos acionistas da empresa mãe

FECHAMENTO DO DIA

Temor de recessão segue forte e Ibovespa volta a perder os 100 mil pontos; dólar cai com PEC melhor que o esperado

O Ibovespa chegou a amanhecer no azul, mas os temores que rondam o mercado falaram mais alto

CONTROLE DE DANOS

Pedro Guimarães entrega carta de demissão a Jair Bolsonaro e rebate acusações de assédio; veja quem o sucederá na presidência da Caixa

Guimarães deixa o cargo em meio a uma investigação do Ministério Público Federal por múltiplas denúncias de assédio sexual