🔴 RECEBA ANÁLISES DE MERCADO DIÁRIAS: CLIQUE AQUI E SIGA O SEU DINHEIRO NO INSTAGRAM

2022-02-23T15:57:23-03:00
Flavia Alemi
Flavia Alemi
Jornalista formada pela Universidade Presbiteriana Mackenzie e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pela FIA. Trabalhou na Agência Estado/Broadcast e na S&P Global Platts.
Depois da tempestade

As 7 ações na bolsa que os gestores de fundos apostam para atravessar a maré dos juros altos

Perspectiva de redução da inflação no médio prazo deve propiciar cenário mais benéfico para ações na bolsa

23 de fevereiro de 2022
15:57
Imagem mostrando um homem de camisa branca olhando para um telão de cotações da bolsa, localizado no segundo plano. Ele está de pé, com o braço direito apoiado numa cadeira. Simboliza o investimento em ações e o recebimento de dividendos
Imagem: Shutterstock

Passado o tornado no Ibovespa na segunda metade de 2021, a recuperação observada no início deste ano tem possibilitado aos gestores de fundos de ações limpar o rastro de destruição de portfólio deixado pelo vendaval. E alguns se colocam até cautelosamente otimistas com o futuro das ações brasileiras.

“Tenho uma opinião forte de que é um momento em que a assimetria de juros longos está a nosso favor”, afirmou Maurício Bittencourt, fundador da VELT Partners, durante painel na CEO Conference 2022, evento promovido pelo BTG Pactual.

No ano passado, a sucessiva revisão da Selic para patamares hoje contracionistas penalizou o mercado de ações, levando o Ibovespa a fechar 2021 em queda de quase 12%. Hoje, Bittencourt aposta que a perspectiva de redução da inflação cria um cenário mais benéfico para a renda variável.

Para Florian Bartunek, da Constellation Asset Management, há ainda uma situação interessante acontecendo nos resultados das empresas no quarto trimestre de 2021, que estão sendo divulgados agora. 

“Mesmo nesse cenário de inflação mais alta, maior custo de commodities e de mão de obra, as empresas estão tendo uma dinâmica tão positiva, que estamos revendo o lucro estimado para cima”, afirmou Bartunek.

Guilherme Aché, da Squadra Investimentos, apresentou uma visão um pouco mais cautelosa e está estudando as ações que caíram muito, de empresas mais sensíveis a uma política monetária restritiva, como as ligadas a consumo. 

“Para ter retornos bem acima da média do mercado no longo prazo, em algum momento você tem que fazer investimentos que, a priori, vêm com muita dor de barriga junto”, disse Aché. “Minha intuição, entendendo a esquizofrenia que é o mercado brasileiro, é a de explorar essas oportunidades”.

Nome aos bois

Segundo Bittencourt, da VELT, um papel que vem assumindo posição crescente no portfólio da gestora é BTG Pactual (BPAC11) por ser uma empresa incumbente com perspectiva de geração de valor em outros negócios. Ele também citou as ações de Eneva (ENEV3), Hapvida (HAPV3) e Equatorial (EQTL3) como casos interessantes.

“Se os juros de longo prazo, de fato, caminharem no fim do ano para um nível mais baixo do que estão agora, estar investido em ações é uma forma muito boa de explorar esse cenário”, afirmou.

Bartunek, da Constellation, cita Warren Buffet como guia para escolher as ações que investe, dizendo que o melhor hedge (proteção) contra a inflação é uma empresa capaz de ditar preços.

Um exemplo disso, na avaliação do gestor, é a Totvs (TOTS3), que está inserida no mercado de tal forma que o custo de trocar seus serviços por outro é muito alto. Assim, ela consegue reajustar preços.

O CIO da Constellation também menciona Lojas Renner (LREN3) como um papel que merece atenção. “A Renner cresceu a receita em 20% no quarto trimestre, enquanto o setor cresceu zero”, disse.

Para Aché, da Squadra, além das empresas ligadas a consumo merecerem um estudo mais aprofundado, é preciso ficar atento às empresas de commodities. Aché revelou ter “um pouquinho” de ações da Petrobras (PETR4) na carteira.

“Gostaria de ter mais, mas a esquizofrenia na política brasileira não deixa”, disse.

Leia também:

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

O FANTASMA DA RECESSÃO

Ata do Fed manda recado: saiba se os próximos passos do BC dos EUA podem tirar o sono dos investidores

6 de julho de 2022

Na reunião de junho, o banco central norte-americano elevou a taxa de juro em 0,75 ponto percentual, o maior aumento desde 1994, na tentativa de conter uma inflação que não dá tréguas; será que vem mais por aí?

Está vindo aí

Risco de recessão volta a assustar, petróleo amplia perdas e petroleiras lideram quedas do dia; Hypera (HYPE3) e Americanas (AMER3) sobem forte

6 de julho de 2022

Com a queda do petróleo no mercado internacional, papéis de commodities no Brasil têm maiores quedas nesta quarta-feira

MAIS DO QUE UMA VOLTINHA

Multiplan (MULT3), Iguatemi (IGTI11), brMalls (BRML3) ou Aliansce Sonae (ALSO3)? Saiba qual é a queridinha do Itaú BBA

6 de julho de 2022

Papéis das administradoras de shoppings operam em alta nesta quarta-feira (06), embalados pela prévia operacional da Multiplan, que sinalizou que novos recordes estão no caminho da empresa

EXILE ON WALL STREET

Euro(bad)trip: Como a guerra na Ucrânia e a busca por novas fontes de energia para substituir o petróleo russo fizeram o euro despencar

6 de julho de 2022

A moeda única atingiu o seu nível mais baixo em relação ao dólar em 20 anos (próximo do US$ 1), pior que os patamares vistos na crise da dívida no começo dos anos 2010

BOMBOU NAS REDES

Warren Buffett: de entregador de jornal rejeitado por Harvard ao posto de sétimo homem mais rico do mundo; descubra como o megainvestidor conquistou a fortuna de R$ 511 bilhões

6 de julho de 2022

Veja os detalhes da trajetória de Warren Buffett até se tornar o sétimo homem mais rico do mundo

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies