2022-05-05T15:44:09-03:00
Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
Ranking

Carteiras recomendadas das maiores corretoras tiveram queda em abril, mas maioria superou Ibovespa; veja o ranking das melhores e piores

Levantamento da Grana Capital mostra carteira recomendada do banco Inter com o melhor desempenho em mês que foi difícil para a bolsa

5 de maio de 2022
15:44
Carteira recomendada do Inter teve o melhor desempenho em abril, dentre as maiores corretoras para a pessoa física. - Imagem: Divulgação/Inter

Com a queda de mais de 10% do Ibovespa no mês de abril, já era de se esperar que as carteiras recomendadas de ações das corretoras tivessem fechado o mês com desempenho negativo. Mas entre as maiores corretoras do país, a maioria das carteiras recomendadas conseguiu superar o principal índice da B3 no mês passado.

Segundo o ranking montado mensalmente pela Grana Capital, aplicativo de automatização da gestão do imposto de renda para investidores de bolsa, seis das oito grandes corretoras que divulgaram carteiras recomendadas públicas em abril tiveram performance melhor (ou menos pior) que o Ibovespa.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Clique aqui e receba a nossa newsletter diariamente

O melhor desempenho ficou com a carteira recomendada do Inter, que caiu "apenas" 4,30%, seguida da carteira top 5 do Itaú BBA, que recuou 5,36%, e da carteira do Santander, que teve queda de 7,27%.

Os mercados de ações foram afetados, em abril, por um movimento global de aversão a risco, com a perspectiva de aperto monetário forte nos Estados Unidos e as medidas restritivas na China, por conta da pandemia de covid-19. Entre os principais investimentos, a bolsa brasileira teve o segundo pior desempenho.

O ranking mensal da Grana Capital leva em conta sempre as dez maiores corretoras de varejo do país em número de transações de pessoas físicas, de acordo com a lista mais recente do Tesouro Nacional. Destas, são selecionadas apenas aquelas que, naquele mês, divulgaram publicamente suas carteiras recomendadas.

Em abril, oito corretoras atenderam aos critérios e entraram no ranking: XP Investimentos, NuInvest, Inter, Banco do Brasil, Itaú, ModalMais, Rico e Santander. A Caixa e a Clear ficaram de fora da lista, embora tenham feito parte do grupo das maiores corretoras, por não terem informado se fizeram recomendações públicas em abril de 2022.

Veja a seguir o ranking dos melhores e piores desempenhos das carteiras recomendadas de ações das maiores corretoras em abril:

Melhores e piores carteiras recomendadas de ações no mês de abril

CarteiraPosição inicialPosição finalVariação
InterR$ 100 milR$ 95.701-4,30%
Itaú Top 5R$ 100 milR$ 94.637-5,36%
SantanderR$ 100 milR$ 92.731-7,27%
RicoR$ 100 milR$ 91.472-8,53%
XP InvestimentosR$ 100 milR$ 91.449-8,55%
NuInvestR$ 100 milR$ 90.474-9,53%
Banco do BrasilR$ 100 milR$ 87.775-12,23%
ModalMaisR$ 100 milR$ 79.655-20,35%
Fonte: Grana Capital

Segundo a Grana Capital, entre as ações recomendadas pelas oito corretoras, a que mais subiu em abril foi a da Orizon (ORVR3), com alta de 13,30% no mês.

A que mais caiu foi a ação da Natura &Co (NTCO3), que desabou 28,64% depois que veio a público a informação de que a companhia tinha entrado em contato com analistas para antecipar números do balanço que ainda não havia sido divulgado, a fim de baixar as expectativas do mercado quanto ao resultado da companhia no primeiro trimestre.

Ainda segundo o levantamento, a ação que mais se repetiu nas carteiras recomendadas das oito principais corretoras foi a da Vale (VALE3), que apareceu em cinco delas e teve queda de 12,88%.

A ação da mineradora também costuma figurar entre as preferidas das corretoras que participam da matéria da Ação do Mês do Seu Dinheiro, para a qual as instituições financeiras enviam as suas três ações preferidas das suas carteiras recomendadas mensais.

O papel do Banco do Brasil (BBAS3) foi o segundo mais recomendado, tendo figurado em quatro carteiras e caído 4,27% em abirl. O terceiro ativo mais indicado foi a ação preferencial da Petrobras (PETR4), que apareceu em três carteiras e recuou 9,48% no mês.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Clique aqui e receba a nossa newsletter diariamente
Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

NOVO MODELO DE NEGÓCIOS

Varejo adota ‘loja-contêiner’ para fugir dos custos de shoppings e aluguéis; conheça o que são os estabelecimentos modulares

A estreante no formato é a Chilli Beans, de óculos de sol. “Acho que não teria uma Eco Chilli se não houvesse pandemia”, afirma o CEO, Caito Maia

NÃO MEXE NO MEU QUEIJO

Membros do mercado financeiro defendem Lei das Estatais em documento enviado ao ao Congresso; revogação seria ‘retrocesso’

O texto também cita o relatório de 2020 em que a OCDE afirma que a Lei das Estatais deixou os conselhos de empresas públicas mais independentes de interferências

NESTA SEGUNDA-FEIRA

Governador de São Paulo fará coletiva nesta segunda-feira após Bolsonaro aprovar isenção do ICMS sem garantia de compensação aos estados

O presidente da República vetou o fundo de ajuda aos estados após sancionar o teto do imposto estadual

SEU DOMINGO EM CRIPTO

‘Compre na baixa’ anima e bitcoin (BTC) busca os US$ 22 mil; criptomoedas aguardam semana de olho no Fed

Entre os destaques da próxima semana estão o avanço dos juros nos Estados Unidos e um possível default da Rússia

DE OLHO NO FUTURO

Goldman Sachs quer entrar no mundo da ‘renda fixa’ em criptomoedas e lidera grupo para comprar a Celsius por US$ 2 bilhões

O staking vem crescendo nos últimos meses e é motivo de certa preocupação após o caso da Celsius — e o banco de Wall Street quer um pedaço dele