Menu
Exile on Wall Street
Bruno Marchesano
É editor da Empiricus e especialista em fundos de investimento
2021-05-07T11:32:17-03:00
Exile on Wall Street

Meu fundo caiu, e agora? A resposta é esperar

7 de maio de 2021
11:32
relógio e dinheiro
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

“Se o inimigo foge, não o persiga. Não detenha um exército de volta para casa. Deixe sempre uma saída de fuga. Não acosse um inimigo desesperado.”

A lição que podemos apreender das frases acima é simples: se você quer que alguém desista de uma batalha, não o deixe sem saída. Uma pessoa acuada tem seu instinto de sobrevivência despertado e passa a tomar riscos que antes não estava disposta. Esse e outros ensinamentos são passados e estudados há mais de dois milênios em um dos livros sobre estratégia mais antigos e lidos no mundo: “A Arte da Guerra”, de Sun Tzu.

Para mim, a história de Hernán Cortés, conquistador espanhol responsável por liderar a expedição que levou à queda do Império Asteca, é uma das que melhor retrata a ideia acima.

Segundo a lenda, Cortés comandava cerca de 600 homens e teria que enfrentar uma civilização que possuía milhares de guerreiros. Sem muita saída e com seus homens desmoralizados e querendo embarcar de volta para casa, Cortés decidiu tirar essa opção da mesa ao destruir todas as suas embarcações.

Pelo menos é assim que a história é contada — infelizmente, desconheço uma versão mais aceita pelos historiadores.

A decisão de Cortés encurralou seus homens e os deixou sem opção de fuga, pelo menos no curto prazo. O resultado foi interessante. Seu instinto de sobrevivência foi despertado e os levou a superar um desafio aparentemente intransponível.

E qual a relação disso com fundos de investimento?

Já imaginou o efeito psicológico que um prazo de resgate de 30 dias tem em você durante uma crise?

Quando um fundo cai muito, a primeira reação de um investidor inexperiente (sei que não é o seu caso) é pensar em resgatar. Se o prazo de resgate for curto, de cinco dias, por exemplo, provavelmente ele não vai pensar duas vezes, vai resgatar na hora.

O investidor assume que será o mais rápido e que será capaz de antecipar uma grande crise, reduzir suas perdas e, eventualmente, capturar uma recuperação. Assume que é mais esperto que todo o mercado, com suas equipes com décadas de experiência. Será mesmo?

Quando o gestor decide colocar um prazo de resgate de 30 dias ou mais, é acrescentada uma dose de incerteza no ato de resgatar do investidor. Fica aquele receio de que o mercado pode cair mais ou, ainda, que você pode ficar de fora de uma recuperação rápida.

Esse receio ou medo pode fazer com que o investidor acabe resistindo à tentação de curto prazo de resgatar, mantendo-se fiel aos motivos de longo prazo que o levaram a investir no fundo em primeiro lugar.

Se o medo não for suficiente, talvez o argumento a seguir te ajude a convencer algum conhecido ou amigo que não goste desses prazos longos. O Ibovespa teve 140 períodos de queda desde 1997. E entre essas quedas apenas dez superaram a marca de -15%.

No gráfico abaixo identificamos qual foi a média de performance do índice após cada uma das dez quedas. Repare que resgatar após uma grande queda é uma das piores coisas que você pode fazer para o seu dinheiro, considerando que em todos os prazos a média de retorno após o baque foi positiva. Quanto maior o prazo que olhamos, maior o benefício potencial de não sair do fundo.

Só esses dois argumentos já bastariam para uma defesa de prazos mais longos de resgate. Contudo, a ideia que levou os fundos a adotá-los teve origem no receio de o gestor ser obrigado a vender seus ativos com pressa, a preços muito descontados no mercado.

Já imaginou gerir um fundo no meio de uma crise como as de 2008 ou 2020? Você precisa entender o cenário, decidir o que fazer na carteira, responder às aflições dos investidores, lidar com venda dos ativos por conta de resgates e se preocupar em como remunerar e reter sua equipe em meio a uma perda relevante de receitas, estas diretamente atreladas ao patrimônio do fundo, que caiu por conta dos resgates e das perdas no mercado.

Alguns gestores podem até ser gênios, mas nenhum deles é super-herói.

O prazo de resgate reduz o efeito dos três últimos problemas. Dá tempo para o gestor vender os ativos sem pressa, ao mesmo tempo que ajuda a aumentar a tolerância de risco do investidor e diminui a perda de patrimônio.

Por isso que na série Os Melhores Fundos de Investimento só recomendamos aqueles fundos com prazos de resgate condizentes com suas estratégias. Acreditamos que a segurança que esse prazo trará para o gestor e para o investidor tem impacto positivo nas chances de um fundo obter retornos superiores ao do mercado.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

ESTRADA DO FUTURO

Duas (e mais duas) formas de ganhar dinheiro com ações tech

Existe um elemento em comum entre as big tech que as fizeram crescer tanto nas últimas duas décadas. Será que você acerta qual é?

atenção, acionista

Carrefour paga R$ 175 milhões em juros sobre capital próprio e altera valor de dividendos

Cifra equivale a R$ 0,088148225 por ação em circulação; também anunciou uma modificação do valor por ação dos dividendos aprovados em abril, de R$ 0,382372952 para R$ 0,382361396

maior apetite por risco

Empresas do Brasil captam US$ 4,6 bilhões; montante deve aumentar com ofertas de Stone e Light

Emissores brasileiros haviam paralisado planos de captar no exterior nos últimos meses, em meio à turbulência interna com a pandemia e o aumento do juro norte-americano

em meio ao aumento de consumo de frango

SuperFrango, de Goiás, retomará IPO de R$ 1 bilhão

Após resolver adiar a operação, a empresa fará uma apresentação mais cuidadosa de seu negócio aos analistas; oferta é estimada entre R$ 1 bilhão e R$ 1,5 bilhão

levantamento

Estatais descumprem critérios do marco do saneamento

GO Associados calculou que as companhias públicas do Rio Grande do Norte, Santa Catarina, Alagoas, Maranhão, Amazonas, Pará, Piauí, Roraima, Rondônia e Amapá não atendem a todos os critérios da “etapa 1” do decreto – que prevê o cumprimento de índices mínimos dos indicadores econômicos-financeiros

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies