Menu
Larissa Quaresma
A Bolsa como ela é
Larissa Quaresma
Analista de ações e integrante da equipe do Carteira Empiricus
Dados da Bolsa por TradingView
2021-10-24T10:58:44-03:00
A bolsa como ela é

Onde as fake techs não têm vez: mercado não perdoa mais quem não gera valor de verdade

Com alta dos juros, quem não gerar caixa suficiente para remunerar o investidor em 16% ao ano está, em bom português, no sal

24 de outubro de 2021
7:32 - atualizado às 10:58
Fim de festa e mulher varre decorações
Fim de festa: enquanto a Selic estava a 2%, valia a pena pagar para ver investindo em empresas mais incertas. Agora, o jogo é outro. Imagem: Cottonbro/Pexels

O mercado está um Deus nos acuda. Se a subida dos juros para controlar a inflação já estava tornando o jogo difícil para as fake techs, imagine depois da quase-renúncia do ministro Paulo Guedes.

Comecemos do início: o presidente da república decidiu, em conjunto com um grupo de ministros, que o Auxílio Brasil seria de R$ 400 mensais, a serem pagos, já a partir de novembro, para 17 milhões de beneficiários. O desenho anterior previa um valor de R$ 300, o que caberia dentro do teto de gastos. Então, com os R$ 100 adicionais, será necessária uma manobra para colocar o gasto extra fora do teto.

Daí, o caos.

Quatro secretários do Ministério da Economia pediram demissão, dentre eles o Bruno Funchal (Secretário do Tesouro e Orçamento), e o Jeferson Bittencourt (Secretário do Tesouro Nacional).

Não tardou para que surgissem boatos sobre uma potencial renúncia de Paulo Guedes, que logo se apressou em anunciar que “é mais ministro do que nunca”.

Todo um adendo político para falar de um cenário que se tornará ainda mais inóspito para as (fake) techs: se fura o teto, a capacidade pagadora do governo diminui, o que leva o juro futuro à lua e, com ele, o custo de capital. Isso sem falar na inflação gerada por uma injeção direta de R$ 84 bilhões na renda disponível do brasileiro, o que gera mais tempo de juro alto para controlar os preços.

Para os investidores, isso significa uma só coisa: só vou investir em empresas que me paguem hoje, no mínimo, 12% ao ano (DI futuro de 2031) + 4% de prêmio de risco para investir em bolsa.

É isso, amigos.

Quem não gerar caixa suficiente para remunerar o investidor em 16% ao ano está, em bom português, no sal.

Não à toa, as empresas de tecnologia brasileiras foram dizimadas no segundo semestre. Até o fechamento da última sexta-feira, Magazine Luiza, Banco Inter e Méliuz caíam 41%, 48% e 52% no semestre, respectivamente.

Se é assim para as techs, imagina para as fake techs

Sim, porque há aquelas que prometem crescimentos inimagináveis com base em “total addressable markets” trilionários, “lifetime value do cliente” infinito ou “custo de aquisição do cliente” irrisório. Há empresas que sequer possuem as licenças regulatórias necessárias para executar as avenidas de crescimento prometidas.

A crítica, aqui, não é aos conceitos em si, mas ao seu uso vulgarizado. Porque a Amazon tinha um “addressable market” (mercado enderaçável) enorme lá atrás: era o varejo físico inteiro. Mesma coisa para o Google: as bibliotecas do mundo todo.

Mas dizer que a receita vai se multiplicar por 20 em cinco anos, em um mercado que na verdade já atingiu seu potencial de crescimento e em que há muitos entrantes é demais. Enquanto a Selic estava 2% ao ano, tudo bem: o custo do capital era irrisório. No cenário anterior, valia pagar para ver, porque a opção era deixar o dinheiro rendendo menos de 5% ao ano em um título de renda fixa com vencimento longo.

Agora, o jogo é outro: não há perdão para quem não gera valor de verdade.

Na seara das techs, escolha muito bem seus cavalos. E fuja das fake techs.

Um abraço,
Larissa

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

VAREJO DECEPCIONADO?

Black Friday supera prévias, mas vendas do fim de semana ainda ainda perdem para os números registrados em 2019

Segundo índice calculado pela Cielo, as vendas cresceram 6,9% em relação ao ano passado, mas foram 3,8% inferiores ao período pré-pandemia

Adeus ano velho

Ano novo, impostos novos! Reforma do IR fica para 2022, confirma presidente do Senado

O governo Bolsonaro pressionava pela aprovação da proposta para financiar o Auxílio Brasil, mas não conseguiu apoio na Casa

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Bitcoin e bolsa se recuperam após susto com nova variante, Azul e Latam sobem o tom e outros destaques do dia

Pouco se sabe ainda sobre a nova variante do coronavírus detectada na África do Sul, mas o que veio à público até agora é muito melhor do que o mercado financeiro precificou na última sexta-feira (26). Sem o pânico visto na semana passada, o Ibovespa encontrou forças para abrir a semana em alta.  Um estudo […]

Fechamento do dia

Mercado supera susto com ômicron, e bolsas globais engatam recuperação; Ibovespa sobe com menos força, de olho na PEC dos precatórios

Pesando os desafios fiscais brasileiros, o Ibovespa fechou longe das máximas, mas se recuperou parcialmente do tombo de sexta-feira

UM ÚLTIMO TUÍTE

Do Twitter para o bitcoin? Jack Dorsey deixa comando da rede social e reacende rumores sobre projeto em criptomoedas

O fundador da rede social passará o cargo para Parag Agrawal, um veterano da empresa, depois de comandá-la de 2006 a 2008 e de 2015 até hoje

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies