2021-09-24T19:56:43-03:00
Jasmine Olga
Jasmine Olga
É repórter do Seu Dinheiro. Cursa jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e o setor de comunicação da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo
FECHAMENTO DA SEMANA

Problemas na China minam apetite por risco dos mercados globais e pressionam o dólar, mas Ibovespa fecha a semana em alta de 1,65%

O alívio dos mercados com a gigante chinesa durou pouco, e o Ibovespa voltou a fechar o dia no vermelho

24 de setembro de 2021
17:35 - atualizado às 19:56
Imagem: Shutterstock/Sunflowerr/valeriiaarnaud, com intervenção de Andrei Morais

Ainda que as perdas registradas nesta sexta-feira (24) tenham sido mais modestas do que as da última segunda-feira (20), a semana termina da mesma forma que começou — com os olhares do mundo voltados para a China. 

Os analistas e especialistas diminuíram as apostas de que uma eventual falência da incorporadora chinesa Evergrande possa se transformar em uma repetição da crise financeira de 2008, mas as incertezas e o impacto do evento na segunda maior economia do mundo ainda geram cautela. 

O banco central chinês vem injetando bilhões de dólares na economia para tentar animar o mercado e segurar a onda de pânico, mas a notícia de que a companhia não honrou o pagamento de juros das suas dívidas que venciam nesta quinta-feira voltou a pressionar o mercado. 

Marcel Andrade, head de renda variável da Vitreo, diz que ninguém aposta mais em uma quebra de empresas generalizada, mas o governo chinês é muito imprevisível e não dá para ter certeza sobre até onde está disposto a ir para salvar a incorporadora. Com a incerteza em alta, a busca foi por proteção, o que levou o dólar à vista a acumular uma alta de 1,17% na semana.

No cenário doméstico, hoje também tivemos notícias pouco animadoras. O IPCA-15, considerado a prévia da inflação oficial, acelerou 1,14% em setembro, na maior elevação para o mês desde 1994 e acumulando uma alta superior a 10% nos últimos 12 meses. 

O saldo da semana foi positivo para o Ibovespa, que avançou 1,65%, mas a sexta-feira interrompeu uma sequência de três altas. O principal índice da bolsa brasileira recuou 0,69%, aos 113.282 pontos. O dólar à vista teve alta de 0,64%, a R$ 5,3438.

Uma solução para a questão dos precatórios parece encaminhada, mas a mais nova aceleração da inflação voltou a colocar pressão sobre os juros futuros, que também passam por ajustes pós-Copom.

O movimento de alta também teve fatores externos. Com a redução de estímulos sinalizada e projeções dos próprios dirigentes do Fed apontando para uma elevação de juros já em 2022, os principais contratos de DI seguiram o movimento das taxas americanas. Confira:

  • Janeiro de 2022: de 7,10% para 7,14%.
  • Janeiro de 2023: de 8,93% para 8,96%
  • Janeiro de 2025: de 9,98% para 10,03%
  • Janeiro de 2027: de 10,38% para 10,42%

Veja alguns dos destaques do noticiário corporativo desta sexta-feira (24):

Qual investimento foi mais impactado?
Depois de saber como o mercado fechou essa semana, que tal entender como seus investimentos reagiram? Confere aqui como o Real Valor pode te ajudar!

Apontando o elefante na sala

Embora o assunto esteja caminhando mais lentamente do que foi sinalizado na terça-feira (21), a indicação de que os Poderes irão encaminhar uma saída para o impasse dos precatórios ajudou o Ibovespa a terminar a semana com saldo positivo. 

Os líderes do Legislativo, Arthur Lira e Rodrigo Pacheco, se reuniram com o ministro da Economia, Paulo Guedes, para dar andamento a uma das principais pedras no sapato da saúde fiscal brasileira. Uma comissão já foi formada para encaminhar o tema. A proposta costurada entre os líderes tem como objetivo respeitar o teto de gastos. 

Dos R$ 89 bilhões previstos no Orçamento para pagamento dos precatórios, quase metade do saldo restante seria pago em 2023 e não mais parcelado, como a ideia original propunha e que dava margem para uma possível pedalada fiscal ou até mesmo um calote, o que poderia tirar credibilidade dos investidores brasileiros. 

A Super quarta

Na quarta-feira tivemos mais uma edição da Super quarta, dia marcado pelas decisões de política monetária tanto nos Estados Unidos quanto no Brasil. 

Por aqui, o Banco Central brasileiro confirmou as expectativas do mercado e elevou a taxa básica de juros em 1 ponto percentual, a 6,25% ao ano. O comunicado indicou uma elevação de mesma magnitude no próximo encontro e que, no cenário-base, a Selic deve terminar o ano em 8,25%, chegando a 8,50% em 2022.

Nos Estados Unidos, o Federal Reserve também seguiu o roteiro já esperado, com a manutenção da taxa básica de juros na faixa dos 0% a 0,25% ao ano. A instituição, no entanto, indicou que a redução do programa de recompra de títulos pode começar em breve. Jerome Powell, presidente do Fed, chegou a falar sobre novidades já na próxima reunião, que ocorre em novembro. Para que isso ocorra, é preciso apenas um relatório de emprego (payroll) que mostre uma recuperação mediana, o que tira a pressão dos indicadores de curtíssimo prazo. 

Sobe e desce do Ibovespa

Enquanto as preocupações com o futuro da Evergrande arrefeciam, o minério de ferro aproveitou para se recuperar parcialmente da queda brusca dos últimos meses, o que permitiu que a Usiminas liderasse os ganhos da semana, com alta superior a 17%. 

A reabertura gradual das fronteiras para brasileiros ao redor do mundo também impulsionou a recuperação do setor aéreo. No caso da Embraer, a companhia também foi beneficiada pela assinatura de novos contratos pela sua subsidiária de mobilidade urbana, a Eve. 

Já as mudanças no alto escalão da Ultrapar, anunciadas nesta semana, impulsionaram as ações da companhia. Confira as maiores altas da semana:

CÓDIGONOMEVALORVARSEM
USIM5Usiminas PNAR$ 16,3117,17%
CVCB3CVC ONR$ 23,7616,36%
EMBR3Embraer ONR$ 23,8614,27%
GOLL4Gol PNR$ 21,7613,75%
UGPA3Ultrapar ONR$ 15,7013,03%

Confira também as maiores quedas:

CÓDIGONOMEVALORVARSEM
BRKM5Braskem PNAR$ 57,96-12,20%
AMER3Americanas S.AR$ 34,24-6,86%
QUAL3Qualicorp ONR$ 21,00-6,00%
MGLU3Magazine Luiza ONR$ 15,63-5,67%
LAME4Lojas Americanas PNR$ 5,18-5,65%
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Clique aqui e receba a nossa newsletter diariamente
Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

Tendências da bolsa

AGORA: Ibovespa futuro recua com novos temores sobre a covid-19 no mundo e dólar também cai

Os investidores permanecem de olho na votação da PEC dos precatórios na CCJ do Senado, marcada para esta terça-feira (30)

O melhor do Seu Dinheiro

Ômicron de “A” a “Z”, dividendos, balanço da Black Friday e outros destaques

A variante ômicron recebeu este nome para evitar maiores conflitos de linguagem, mas Matheus Spiess vai além da semântica em sua análise

A BOLSA HOJE

Esquenta dos mercados: notícia sobre possível baixa eficácia das vacinas contra ômicron derruba mercados, em dia de discurso de Powell e votação dos precatórios

O investidor local ainda permanece de olho nas falas de Roberto Campos Neto e Paulo Guedes em eventos separados hoje

SÓ NO SAPATINHO

Dividendos: Arezzo (ARZZ3) vai distribuir R$ 60 milhões aos acionistas; veja como participar

Serão R$ 33,78 milhões em JCP e R$ 26,22 milhões em dividendos a serem depositados até 31 de janeiro de 2022

INCERTEZAS NO RADAR

CEO da Moderna levanta dúvidas sobre eficácia de vacinas contra a ômicron e provoca reação negativa nos mercados

Stéphane Bancel disse que cientistas consultados por ele esperam ‘queda significativa’ na eficácia dos imunizantes contra a nova cepa