2021-11-01T17:43:22-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico. Em 2020, foi eleito pela Jornalistas & Cia como um dos 10 profissionais de imprensa mais admirados no segmento de economia, negócios e finanças.
Jasmine Olga
É repórter do Seu Dinheiro. Cursa jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e o setor de comunicação da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo
FECHAMENTO DO DIA

Ibovespa começa novembro com o pé direito e sobe 2%, mas dólar e juros seguem pressionados; Inter sobe quase 20%

O Ibovespa recupera parte das perdas recentes, mas o dólar e o mercado de juros seguiram pressionados pelas incertezas no radar

1 de novembro de 2021
17:43
SObe e desce: ibovespa segue sem direção definida e com alta volatilidade - Imagem: Shutterstock

O primeiro pregão de novembro não seguiu exatamente o roteiro de terror que poderia se esperar após a queda de 6% em outubro e uma agenda recheada de eventos importantes — e com mais uma ameaça de greve dos caminhoneiros no radar. 

Mas as rodovias não foram paralisadas e as bolsas em Wall Street voltaram a renovar os seus recordes históricos de fechamento. Como esta segunda-feira (01) é véspera de feriado, a baixa liquidez favoreceu os negócios e o Ibovespa conseguiu fechar em alta de 1,98%, aos 105.550 pontos — ajudado pelo bom desempenho do setor financeiro após o prospecto de listagem do Nubank e o otimismo do mercado com a política de preços da Petrobras. 

Embora o dia tenha sido tranquilo na bolsa, o dólar à vista e o mercado de juros não deixaram os investidores esquecerem que o risco fiscal segue elevado no Brasil e que devemos ter decisão de política monetária nos Estados Unidos em breve, com indicação da redução do programa de compra de ativos. 

Acompanhando o movimento visto no exterior, o dólar à vista operou o dia todo em alta e fechou a sessão em alta de 0,43%, a R$ 5,6700; desde o começo do ano, o dólar já sobe mais de 9% em relação ao real.

No mercado de juros, o dia também foi de cautela. As casas de análise seguem revisando para cima as projeções para a inflação e o boletim Focus, divulgado pelo Banco Central, mostrou que os economistas já esperam que a inflação em 2021 chegue a  9,17%. Confira as taxas de fechamento :

  • Janeiro de 2022: de 8,39% para 8,38%
  • Janeiro de 2023: de 12,32% para 12,36%
  • Janeiro de 2025: de 12,37% para 12,56%
  • Janeiro de 2027: de 12,33% para 12,56%

Por que a bolsa subiu?

O movimento visto na bolsa se deve muito mais a um movimento de correção do que a uma melhora no cenário político-econômico doméstico: sem eventos relevantes da agenda de indicadores nesta segunda-feira, os investidores aproveitam para recompor parte de suas posições; o clima ameno visto lá fora também ajuda a desestressar a bolsa.

No entanto, vale ressaltar que a semana deve ser turbulenta: por aqui, a ata da última reunião do Copom e a votação da PEC dos Precatórios, ambas na próxima quarta-feira, têm potencial para mexer com o preço dos ativos — caso o rompimento do teto de gastos seja confirmado pelo Congresso, é de se esperar uma movimentação intensa nas curvas de juros e no mercado de câmbio, com desdobramentos para a bolsa.

Lá fora, a decisão de juros do Fed e os dados do payroll, no fim da semana, também serão acompanhados de perto pelos investidores e podem trazer desdobramentos importantes aos mercados emergentes, como o Brasil.

Petrobras nos holofotes

A Petrobras não tem tido um dia de descanso. O presidente Jair Bolsonaro está fora do país , mas voltou a atacar a estatal. Segundo ele, os dividendos da companhia poderiam ser utilizados para reduzir o valor do diesel e um reajuste deve acontecer nos próximos 20 dias. 

A petroleira foi rápida na resposta e garantiu ao mercado que não houve nenhuma mudança na forma de divulgação da sua política de preços e ajudou o Ibovespa a fechar o dia em alta firme. 

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Clique aqui e receba a nossa newsletter diariamente

Ibovespa: altas e baixas

Veja abaixo as cinco maiores altas do Ibovespa nesta manhã de segunda-feira (1):

CÓDIGONOMEULTVAR
BIDI11Banco Inter unitR$ 42,3119,18%
BIDI4Banco Inter PNR$ 14,4818,40%
COGN3Cogna ONR$ 2,8012,90%
CASH3Meliuz ONR$ 3,6610,57%
AZUL4Azul PNR$ 27,108,97%

A maior alta do dia ficou com o Banco Inter, que pegou carona no valor de mercado pretendido pelo Nubank ao abrir o seu capital na Nyse e na B3. 

Na ponta positiva, menção honrosa também para a Cogna ON (COGN3), que concluiu a operação de troca de ativos com a Eleva Educação, anunciada em fevereiro — a antiga Kroton vendeu suas unidades de ensino fundamental, enquanto a Eleva negociou seu sistema de ensino.

Para o BTG Pactual, no entanto, a notícia não traz grandes desdobramentos à Cogna. "Investidores mais confiantes na tese de investimento acreditavam que essa transação iria melhorar a alavancagem da Cogna, mas isso não se concretizou; o endividamento ainda depende da recuperação de suas atividades centrais", diz o banco, em relatório enviado aos clientes.

Fora do Ibovespa, destaque para Burger King (BKBR3). Em meio à instabilidade nos mercados e a desvalorização de suas ações, a empresa cancelou a compra das operações da Domino's no Brasil — uma transação que, embora fizesse sentido no lado qualitativo, era criticada por sua arquitetura.

O Vinci Partners, controlador da Domino's, também tinha uma fatia de cerca de 6% no Burger King; assim, caso a transação fosse concluída, o fundo ficaria com mais de 20% da nova empresa, o que desagradou os acionistas minoritários do BK Brasil.

Confira também as cinco maiores baixas do índice:

CÓDIGONOMEULTVAR
JBSS3JBS ONR$ 37,16-4,84%
MRFG3Marfrig ONR$ 25,44-4,00%
CCRO3CCR ONR$ 11,11-2,80%
ASAI3Assaí ONR$ 14,98-2,03%
KLBN11Klabin unitsR$ 22,13-2,03%
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Clique aqui e receba a nossa newsletter diariamente
Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

De olho na bolsa

Esquenta dos mercados: Bolsas no exterior tentam se recuperar da queda após decisão do Fed e Ibovespa busca manter ritmo de alta mesmo com risco fiscal no radar

Depois de tocar os 112 mil pontos ontem (26), a bolsa brasileira precisa enfrentar o ajuste de carteiras ao novo cenário de juros altos

Exclusivo

Na “caça aos unicórnios”, Itaú lança fundo para aplicar em gestores de investimentos alternativos

O banco acaba de abrir para captação o Polaris, fundo com objetivo de retorno de até 25% ao ano e foco em investimentos que vão bem além do “combo” tradicional de bolsa, dólar e juros

CONSTRUTORAS COM DESCONTO

Vendas de imóveis em alta, ações em baixa. A queda das incorporadoras abriu uma oportunidade de compra na bolsa?

Os resultados do quarto trimestre mostram que as empresas do setor entregaram desempenhos sólidos, mas as ações caminham na direção contrária

COMPRA PROGRAMADA

‘Vale Gás’: Ultragaz cria cartão que permite ‘congelar’ o preço e parcelar a compra do gás de cozinha

O GLP é um dos derivados de petróleo afetado pela alta do dólar frente ao real e pela valorização da commodity no mercado internacional

SALTO COM FINANÇAS

Itaú (ITUB4) escala 53 posições em ranking e se torna único brasileiro entre 500 marcas globais mais valiosas; veja lista completa

Além de figurar entre as marcas mais valiosas, o Itaú conquistou uma posição na lista dos 250 principais CEOs ou “guardiões de marca”