Menu
2020-01-02T08:37:40-03:00
perspectivas

‘Investidor estrangeiro quer carimbo sustentável’, diz presidente do BNP Paribas

Para Sandrine Ferdane, queda de braço diplomática com França em 2019 foi a oportunidade para o Brasil sentir a preocupação do mundo com a questão da sustentabilidade

2 de janeiro de 2020
8:36 - atualizado às 8:37
sustentabilidade
Imagem: Shutterstock

A queda de braço diplomática entre Brasil e França, travada diretamente pelos presidentes Jair Bolsonaro e Emmanuel Macron em 2019, envolvendo sobretudo a preservação da Amazônia, não passou despercebida pelos investidores do franceses, que concentram quase um terço dos aportes estrangeiros diretos por aqui, segundo dados do Ministério da Economia.

A presidente da Câmara de Comércio França-Brasil e das operações brasileiras do banco BNP Paribas, Sandrine Ferdane, afirmou, em entrevista ao Estadão/Broadcast, que os europeus buscam projetos com "carimbo" de sustentabilidade.

"Essa crise foi a oportunidade de o Brasil sentir a preocupação do mundo com a questão da sustentabilidade. O investidor, lá fora, busca investimento carimbado como sustentável. E essa lógica ainda não chegou ao Brasil", disse.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Leia, a seguir, os principais trechos da entrevista:

Dados do Ministério da Economia mostram que, até o 3º trimestre de 2019, 32% dos investimentos estrangeiros diretos no Brasil vieram da França. Qual sua avaliação sobre a atual relação entre os países?

Foi um ano de turbulências na relação, mas também de repensá-la. A presença francesa no Brasil é de longo prazo. Cem por cento das empresas do CAC 40 (principal índice da bolsa de valores de Paris) estão no Brasil. Ao longo do período de crise que passamos, as empresas não pararam de investir. Um evento de destaque esse ano que foi a compra da TAG (gasoduto que era controlado pela Petrobrás) pela Engie, por quase US$ 9 bilhões.

Apesar das turbulências políticas, na hora de decidir um investimento o pragmatismo sempre leva a melhor?

Não podemos considerar que o econômico se separa do político. Não existe esse descolamento. Mas existe o papel central, que foi da Câmara de Comércio França-Brasil, de manter as relações. Essa crise teve dimensão emocional. Foi oportunidade de o Brasil sentir a preocupação do mundo de hoje com a questão da sustentabilidade. O investidor, lá fora, busca investimento carimbado como sustentável e essa lógica ainda não chegou ao Brasil.

Mas esse momento de "repensar a relação" já passou ou o desconforto ainda está presente?

O primeiro legado (da crise entre os dois países) é a conscientização. O segundo é a imagem do Brasil, que foi afetada. O papel de uma empresa francesa aqui no Brasil é vender a visão do País, não só o potencial econômico. Falou-se muito mal do País - em parte de forma exagerada, obviamente. Então existe, agora, um trabalho de reconstrução de imagem.

O investidor francês está animado com a agenda de reformas em andamento no Brasil? Como isso pode ter impacto em decisões de investimentos em 2020?

Se eu tiver de responder sim ou não, diria que sim. Tivemos um fim de ano com uma dinâmica boa. Muitos setores estão recuperando a atividade, mas a maioria deles ainda não voltou a níveis pré-crise. Vemos concessões, privatizações. São razões concretas para o otimismo. É importante lembrar que a gente está no meio do caminho de transformação. Vamos medir cada vez mais o impacto das reformas, da queda dos juros, que alavanca as empresas. Tudo isso é recente e não está ainda materializado no cenário, mas olhando no futuro a gente vê impacto ainda mais positivo. Mas isso não quer dizer que o ano vai ser fácil, já que as incertezas existem e existirão.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

REFORMAS

Reformas tributária e administrativa podem ir juntas ao Congresso

Em sua fala, o presidente reafirmou a necessidade de reduzir os impostos e destacou que Estados e municípios têm autonomia e independência para alterar alguns impostos. “Não culpe só a mim”

MAIS CASOS CONFIRMADOS

Novo coronavírus já infectou mais de 2 mil pessoas ao redor do mundo

Também há casos confirmados da doença nos Estados Unidos, Tailândia, Japão, Coreia do Sul, Vietnã, Cingapura, Malásia, Nepal, França e Austrália

MAIS DESINVESTIMENTOS?

Oi contrata Bank of America para acelerar venda de telefonia móvel, diz jornal

De acordo com o jornal O Globo, a companhia espera obter R$ 15 bilhões com o negócio

PENSATA DE DOMINGO

Nunca é tarde para entrar na bolsa. Será?

Hoje quero falar sobre a visão que eu e o Rodolfo compartilhamos para o ano de 2020. E, claro, o que você deve fazer com seus investimentos para chegar à aposentadoria precoce.

CORONAVÍRUS

Xi Jinping alerta para a ‘grave situação’ criada pela disseminação ‘acelerada’ do novo coronavírus

Até agora, as autoridades disseram que a doença já infectou mais de 1.300 pessoas e matou 41. Mas a Comissão Nacional de Saúde anunciou que 237 pacientes estão em condições graves

ECONOMIA

‘Recessão profunda torna retomada lenta’, diz economista do Insper

“Um ponto a se considerar é que, somando com os resultados de 2018, já são quase 1,2 milhão de empregos desde a crise. O mercado de trabalho demorou para responder, porque a recessão foi muito profunda, mas está respondendo”, falou Sergio Fripo

AINDA SOBRE A 'CAIXA-PRETA'

TCU dá 20 dias para BNDES explicar auditoria milionária da ‘caixa-preta’

Após um ano e dez meses focado em oito operações com as empresas JBS, Bertin, Eldorado Brasil Celulose, a auditoria não apontou nenhuma irregularidade

DE OLHO NA VALE

Vale paga multas ao governo mineiro, mas questiona cobranças do Ibama

De acordo com dados da Semad, foram aplicados até o momento 11 autos de infração em decorrência do rompimento da barragem no dia 25 de janeiro de 2019

OLHO NAS STARTUPS

Volume de aportes em startups do País cresce 80% e atinge US$ 2,7 bi em 2019

O número de aportes, por sua vez, cresceu 8,3% na comparação com 2018, mas não bateu recordes – em 2017, foram 263 investimentos no País, mas com valor individual menor, totalizando US$ 905 milhões

ACORDOS

Bolsonaro assina 15 acordos com a Índia e fala que comércio poderá superar US$ 50 bilhões até 2022

O principal acordo assinado é o de cooperação e facilitação de investimentos (ACFI), segundo o jornal Folha de S.Paulo

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements