2020-04-11T13:50:23-03:00
Estadão Conteúdo
Após visita a hospital

Bolsonaro visita cidade goiana e vai ao encontro de apoiadores

Presidente repetiu mais uma vez o que tem feito nos últimos dias ao sair pelas ruas: provocar aglomeração de pessoas

11 de abril de 2020
13:50
Presidente Jair Bolsonaro fala à imprensa ao chegar no Palácio da Alvorada
Presidente Jair Bolsonaro fala à imprensa ao chegar no Palácio da Alvorada - Imagem: Antonio Cruz/Agência Brasil

Em visita à cidade goiana de Águas Lindas na manhã deste sábado, 11, o presidente Jair Bolsonaro repetiu mais uma vez o que tem feito nos últimos dias ao sair pelas ruas: provocar aglomeração de pessoas.

Depois da visita à obra de um hospital de campanha na cidade, Bolsonaro decidiu ir ao encontro de apoiadores que o aguardavam na saída do local. Eufóricas, as pessoas tiravam fotos e tentavam se aproximar do presidente.

Os ministros da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas, e da Secretaria de Governo, Luiz Eduardo Ramos, também acompanharam o presidente na caminhada entre os apoiadores.

Leia também:

O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, no entanto, só participou da visita ao hospital e não seguiu para o passeio para cumprimento aos populares. "A recomendação de não aglomeração vale para todos", disse Mandetta logo depois de o presidente ir ao encontro das pessoas.

A visita à obra do hospital também contou com a presença do governador de Goiás, Ronaldo Caiado (DEM), que, no mês passado, anunciou rompimento com Bolsonaro, de quem era aliado de longa data. A participação de Caiado também ficou restrita à visita ao hospital.

Desde o início do avanço do coronavírus no País, Bolsonaro tem minimizado a pandemia e já se referiu à doença como "gripezinha".

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Clique aqui e receba a nossa newsletter diariamente

O presidente também tem circulado por áreas comerciais de Brasília, descumprindo orientações de autoridades sanitárias para que população mantenha distanciamento social. Nesses passeios, ele tem posado para fotos e cumprimentado apoiadores.

Bolsonaro defende que a população retome suas rotinas para evitar um colapso da economia e que o isolamento seja restrito a idosos e pessoas com doenças. O presidente tem 65 anos.

O distanciamento social é um dos principais pontos de divergência entre Bolsonaro e Mandetta. O isolamento social tem sido a principal medida adotada em todo o mundo para reduzir a propagação da doença.

Outro ponto de divergência entre o presidente o ministro da Saúde é a prescrição da hidroxicloroquina para o tratamento da covid, defendida por Bolsonaro mesmo sem pesquisas conclusivas sobre a eficácia e os efeitos colaterais do medicamento.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Clique aqui e receba a nossa newsletter diariamente
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

MUDANDO A RECOMENDAÇÃO

Itaú BBA vê Gerdau (GGBR4) como ação defensiva, mas a siderúrgica que pode subir mais de 50% é outra; confira as apostas do banco

A queda de mais de 39% das ações da Usiminas abriram um bom ponto de entrada, segundo os analistas do Itaú BBA

Análise SD

Jogou a toalha? Azul (AZUL4) critica plano de recuperação da LATAM e dá a entender que não vai aumentar a proposta

A Latam pretende injetar mais de US$ 8 bi com as medidas de seu plano de recuperação judicial, cifra superior à proposta pela Azul (AZUL4)

bitcoin (BTC) hoje

Alívio com variante da covid-19 chega primeiro ao mercado de criptomoedas e bitcoin (BTC) volta aos US$ 57 mil

O mercado de criptomoedas, que não para nunca, sentiu o alívio ainda no final do sábado (27) e segue em alta hoje

Radiocash

“Esses 4 milhões de pessoas na Bolsa vieram para ficar”, diz Gustavo Cerbasi

Com 16 livros publicados e 1,5 milhão de seguidores no Instagram, o ex-professor universitário encara com cautela a fama, e rejeita alguns rótulos

Ao acionista com carinho

Ação da Petrobras (PETR4) pode render 100% só em dividendos nos próximos cinco anos

Relação ‘risco-recompensa’ é como comparar um formigueiro ao Everest, avalia o UBS