2020-04-16T17:22:49-03:00
Felipe Saturnino
Felipe Saturnino
Graduado em Jornalismo pela USP, passou pelas redações de Bloomberg e Estadão.
Após saída de Mandetta

Bolsonaro confirma Nelson Teich como novo ministro da Saúde

Médico oncologista, Teich era o nome com a cotação mais em alta para assumir o posto após a demissão de Luiz Henrique Mandetta, nesta tarde

16 de abril de 2020
17:21 - atualizado às 17:22
Imagem: Isac Nóbrega/PR

O presidente da República, Jair Bolsonaro, anunciou em pronunciamento no Palácio do Planalto, nesta quinta-feira (16), que Nelson Teich será o novo ministro da Saúde.

Médico oncologista, Teich era nome mais cotado para assumir o posto mesmo antes da demissão de Luiz Henrique Mandetta, oficializada nesta tarde. Segundo o presidente, Teich sabe o "tamanho do desafio" que tem pela frente no comando da pasta.

Teich participou ativamente da campanha eleitoral de Bolsonaro, a convite de Paulo Guedes. Teich também possui apoio da classe médica.

Hoje, ele esteve reunido com Bolsonaro em Brasília pela manhã e havia expectativa de que fosse confirmado como novo ministro ainda hoje.

Mais cedo, o ex-ministro Mandetta informou por meio de rede social que havia sido demitido do cargo de chefe da pasta. Bolsonaro disse que teve conversa de 30 minutos "muito cordial" em que se "encerrou um ciclo no ministério da Saúde".

"Foi um divórcio consensual", disse Bolsonaro, citando que a saúde do povo brasileiro está acima dele como presidente e do ex-ministro.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Clique aqui e receba a nossa newsletter diariamente

O presidente voltou a abordar o desemprego em sua fala, afirmando que quem não possui trabalho é mais propenso a ter algum problema de saúde. Disse também, citando a Organização Mundial da Saúde, que cada país têm sua "particularidade".

A "questão do desemprego" não foi tratada como deveria durante a pandemia até aqui, segundo Bolsonaro. Afirmou, porém, que não discrimina nem condena as opiniões de Mandetta, que tem a visão de um médico.

"Junto com o vírus veio uma verdadeira máquina de moer empregos", disse o presidente, citando os "mais humildes" e "necessitados", que não têm como ficar em casa por muito tempo sem trabalhar, segundo ele.

"A vida não tem preço, mas a economia e o emprego tem que voltar à normalidade", disse Bolsonaro, mencionando que a atividade não tem que retornar "o mais rápido possível". As medidas de isolamento social, entretanto, têm de começar a ser flexibilizadas.

Bolsonaro também pontuou que não usaria as Forças Armadas para prender pessoas em aglomerações, já que não tem o objetivo de cercear o direito de ir e vir da população.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Clique aqui e receba a nossa newsletter diariamente
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

MUDANDO A RECOMENDAÇÃO

Itaú BBA vê Gerdau (GGBR4) como ação defensiva, mas a siderúrgica que pode subir mais de 50% é outra; confira as apostas do banco

A queda de mais de 39% das ações da Usiminas abriram um bom ponto de entrada, segundo os analistas do Itaú BBA

Análise SD

Jogou a toalha? Azul (AZUL4) critica plano de recuperação da LATAM e dá a entender que não vai aumentar a proposta

A Latam pretende injetar mais de US$ 8 bi com as medidas de seu plano de recuperação judicial, cifra superior à proposta pela Azul (AZUL4)

bitcoin (BTC) hoje

Alívio com variante da covid-19 chega primeiro ao mercado de criptomoedas e bitcoin (BTC) volta aos US$ 57 mil

O mercado de criptomoedas, que não para nunca, sentiu o alívio ainda no final do sábado (27) e segue em alta hoje

Radiocash

“Esses 4 milhões de pessoas na Bolsa vieram para ficar”, diz Gustavo Cerbasi

Com 16 livros publicados e 1,5 milhão de seguidores no Instagram, o ex-professor universitário encara com cautela a fama, e rejeita alguns rótulos

Ao acionista com carinho

Ação da Petrobras (PETR4) pode render 100% só em dividendos nos próximos cinco anos

Relação ‘risco-recompensa’ é como comparar um formigueiro ao Everest, avalia o UBS