Menu
2020-09-29T14:50:42-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
GIGANTE DEBILITADO

Membro do Fed projeta contração de 3% do PIB dos EUA em 2020

Presidente da distrital de Dallas também estima crescimento de 3,5% da economia em 2021

29 de setembro de 2020
14:50
Edifício do Fed em Washington
Edifício do Fed em Washington - Imagem: Shutterstock

O presidente da distrital de Dallas do Federal Reserve (Fed, o banco central americano), Robert Kaplan, projetou que o Produto Interno Bruto (PIB) dos Estados Unidos registrará contração de cerca de 3% em 2020, e expansão de 3,5% em 2021.

Pelas previsões dele, a taxa de desemprego deve terminar 2020 perto de 7,5%, antes de recuar a 5,7% no final do próximo ano. Já a inflação anual deve encerrar 2020 em 1,6%.

Os números constam em ensaio publicado nesta terça-feira (29) no site da instituição. No documento, Kaplan argumenta que, após a crise da covid-19, o mundo será muito diferente, de forma imprevisível. Por isso, para ele, nas reuniões futuras, o Fed precisar ter flexibilidade para realizar julgamentos sobre a economia.



"Estou cético em relação aos benefícios de uma orientação futura ("foward guidance") aprimorada no momento, porque as taxas de juros já estão historicamente baixas e, mesmo antes desta reunião (de setembro, as expectativas do mercado eram de que permanecessem baixas nos próximos anos", destacou.

Apoio fiscal

Kaplan voltou a defender a necessidade de implementação de mais apoio fiscal nos Estados Unidos. No ensaio, o dirigente argumentou que um novo pacote é importante para apoiar desempregados e fornecer assistência a governos locais e estaduais.

"A falta de alívio fiscal adicional criaria um risco negativo para minha previsão econômica para 2020 e 2021", escreveu.

Kaplan acrescentou que o ritmo de recuperação vai depender da capacidade do país em controlar o coronavírus. Para isso, ele cita o uso de máscaras, o distanciamento social e o cumprimento de normas sanitárias, além da ampliação do volume de testes.

"Mesmo com uma vacina eficaz, que esperamos ser aprovada nos próximos meses, essas medidas provavelmente serão vitais até que possamos imunizar com segurança a maior parte da população", destacou.

O dirigente assegurou que o Fed fará tudo o que for possível para ajudar os Estados Unidos a superarem a crise. De acordo com ele, as prioridades devem ser combater a covid-19 e atingir os objetivos do mandato duplo da autoridade monetária - máximo emprego e estabilidade de preços. Isso inclui manter juros baixos e seguir com os programas de crédito pelo tempo que for necessário.

"Além disso, acredito que é necessário manter o foco em fazer mais para ajudar as pequenas e médias empresas a terem acesso ao capital", ressaltou.

* Com informações da Estadão Conteúdo

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Mudanças no time

Weg anuncia renúncia de diretor de finanças e relações com investidores

A companhia divulga os seus resultados do terceiro trimestre na próxima quinta-feira (22)

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

A bolsa voltou aos 100 mil pontos. Agora pra ficar?

A trilha sonora do mercado nesta terça-feira podia ser O Portão, o clássico de Roberto Carlos do refrão “Eu voltei, agora pra ficar. Porque aqui, aqui é o meu lugar…” O Ibovespa retomou o patamar dos 100 mil pontos depois de pouco mais de um mês. Difícil é dizer se a volta será definitiva. Em outubro, […]

Prévias operacionais

Cyrela tem crescimento de 46% em lançamentos e 58% em vendas no 3º trimestre

Segundo as prévias operacionais, construtora lançou R$ 2,589 bilhões e vendeu R$ 2,456 bilhões no período

fechamento do dia

Lá em cima, de novo: Ibovespa é puxado por bancos, alívio fiscal e NY e fecha acima dos 100 mil pontos

Principal índice acionário da B3 avança quase 2% e fecha acima da importante marca psicológica após mais de um mês. Dólar registra queda durante maior parte da sessão, mas vira em minutos finais com indefinição sobre pacote de estímulos

Vem novo rali pela frente?

Bitcoin volta ao patamar dos US$ 12 mil pela primeira vez desde agosto

Depois de dois meses longe das máximas, mas ainda bem acima dos patamares pré-crise, o ativo parece ter recuperado fôlego e chegou a ser negociado a US$ 12.047,10 nesta terça-feira.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies